Da RedaçãoGenocídio ArmênioTudo

Heitor Loureiro é aprovado em defesa de mestrado sobre a história política da comunidade armênia, na PUC-SP

Na quinta feira, dia 20 de setembro, o professor Heitor de Andrade Carvalho Loureiro defendeu sua dissertação de mestrado intitulada: “O Comunismo dos Imigrantes Armênios em São Paulo (1935-1969)”.

Em uma brilhante dissertação, ele traçou um perfil político da comunidade armênia de São Paulo através da militância de esquerda de alguns dos imigrantes e seus descendentes.

A pesquisa foi considerada brilhante pelo ineditismo e pela criatividade, já que Heitor Loureiro partiu de arquivos de documentos oficiais do antigo Dops (Departamento de Ordem Política e Social) no qual constavam nomes de armênios fichados por suas atividades políticas.

O trabalho é de suma importância para a memória da imigração armênia, pois desnuda as diferenças políticas que permearam a vida comunitária e resgate documentos importantes da imprensa armênia de São Paulo.

O elogiado trabalho soma-se a carreira de Heitor Loureiro que é membro da Associação Internacional de Estudos de Genocídio (IAGS), representante da Fundação Luisa Hairabedian de Buenos Aires, especializada em Direitos Humanos e é egresso do Zoryan Institute em Toronto, Canadá.

A banca contou com a presença dos professores: Drª Yvone Avelino, Drª Maria Aparecida de Paula Rago e Dr. Alexandre Hecker.

A defesa foi bastante concorrida com a presença de muitos membros da comunidade armênia. Natalie Magarian, estudante de letras da USP disse: É muito importante inserir o tema armênio nas discussões universitárias.

Para o Professor Hagop Kechichian a tese de Heitor Loureiro é um resgate de temas que ficaram esquecidos e que são fundamentais para a construção da nossa história.

A tradutora Catherine Chahinian ressaltou que é muito interessante ver a história da comunidade armênia ser contada por especialistas que não tenham origem armênia.

O Professor James Onnig Tamdjian, especialista em geopolítica, disse para a reportagem: “O tema armênio nos meios acadêmicos é fundamental para  trazer a tona  o tema do genocídio e ampliar a documentação de alto nível histórico nas grandes universidades.”

A advogada Cristine Maronlian – nascida no Brasil, mas que mora Nova Iorque  – atentou para a presença de muitos estudantes que se interessam pelos temas armênios e isso pode gerar uma nova produção intelectual sobre o assunto. 

Finalmente, o estudante do Colégio Equipe João Paulo Mekitarian afirmou: “Todas as vezes que o tema armênio é citado em tão alto nível, além de orgulhoso, sinto-me incentivado a conhecer ainda mais sobre nossas raízes”. 

Matérias Relacionadas
Artsakh

Armênia retirará suas tropas de Artsakh em Setembro

Fontes : Asbarez, Armenpress O chefe de segurança nacional da…
Leia mais
Artsakh

Comunidades armênias em Berdzor serão cedidas ao Azerbaijão

Fontes : Armenian Weekly Por Lillian Avedian A cidade de Berdzor…
Leia mais
Eventos

Novo documentário de Gary Gananian sobre Artsakh será exibido em São Paulo

Gary Gananian, um dos diretores de Rapsódia Armênia, acaba de lançar um novo documentário…
Leia mais

1 Comentário

Deixe um comentário