Artsakh

Comunidades armênias em Berdzor serão cedidas ao Azerbaijão

Fontes :

Por Lillian Avedian

A cidade de Berdzor (também conhecida como Lachin) e várias aldeias vizinhas habitadas por armênios serão cedidas ao Azerbaijão após a construção de uma nova rota conectando a Armênia e Artsakh, de acordo com o primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan.

Pashinyan confirmou durante uma coletiva de imprensa online no último dia 27 de junho que várias aldeias e cidades no distrito de Berdzor “passarão ao controle do Azerbaijão”.

O distrito de Berdzor foi cedido ao Azerbaijão após a Guerra de Artsakh de 2020, exceto pelo corredor de Lachin, que foi protegido pelo acordo de cessar-fogo de 9 de novembro como a única rota que liga a Armênia e Artsakh. Sob os termos do cessar-fogo, a Armênia e o Azerbaijão concordaram em construir uma rota alternativa para o corredor de Lachin nos três anos seguintes, para a qual as forças de paz russas seriam redistribuídas.

A nova rota contornará as comunidades armênias que atualmente se encontram ao longo do corredor Lachin, que será cedido ao Azerbaijão. As comunidades incluem as aldeias Aghavno, Nerkin Sus e Sus, bem como a cidade de Berdzor.

Pashinyan disse que a mudança na rota “garantirá uma conexão mais confiável e de qualidade para a Armênia”. Os problemas decorrentes da transferência de aldeias “serão resolvidos com a ajuda do governo de Artsakh”.

A nova rota começará na aldeia armênia Kornidzor em Syunik, passará pelas aldeias Hin Shen e Mets Shen no distrito de Shushi e chegará a Stepanakert. A construção da parte da estrada que passa pelo território controlado pelo Azerbaijão está em andamento. O chefe da agência rodoviária estadual do Azerbaijão disse no início deste ano que espera que a rota esteja pronta até julho. Em contraste, a construção na parte da estrada que atravessa a Armênia ainda não começou.

Aghavno ficou sob controle armênio durante a primeira Guerra Artsakh. A aldeia foi reconstruída em grande parte através de financiamento de organizações humanitárias na diáspora.

Depois que o Azerbaijão assumiu o controle do corredor Lachin em dezembro de 2020, os moradores de comunidades como Aghavno foram obrigados a sair, mas muitos optaram por ficar. Das 270 pessoas que viviam em Aghavno antes da guerra, 185 retornaram, segundo a Eurasianet.

O prefeito de Aghavno, Andranik Chavushyan, disse à Eurasianet que viver na vila levanta “obstáculos constantes”.

“Nós nunca tivemos gás encanado, então usamos botijões. Tivemos quedas de energia, então trouxemos geradores. Falta de água? Felizmente, temos um rio na aldeia. Acreditávamos em nós mesmos, não no governo, e nos recusamos a deixar a aldeia. Estamos vivendo aqui hoje porque confiamos em nós mesmos”, disse Chavushyan.

“Somos responsáveis ​​pela nossa geração futura. Nos defendemos nos anos 90, fizemos isso em 2020 e estamos prontos para lutar novamente. Só precisamos de vontade e fé em nós mesmos”, continuou o prefeito.

Vista da cidade de Berdzor

Durante a sessão de perguntas e respostas na segunda-feira, Pashinyan também disse que o Azerbaijão está “tentando construir legitimidade para uma nova guerra contra a Armênia e Artsakh”, criando a impressão de que a Armênia impede o progresso nas negociações sobre a demarcação de fronteiras e um tratado de paz.

“Se eles planejam a nova guerra em três meses, três anos ou 30 anos é uma questão diferente”, disse Pashinyan.

Pelo contrário, ele disse que o Azerbaijão obstrui as negociações e espera continuar o bloqueio de décadas à Armênia.

Ele acusou o Azerbaijão de cancelar uma reunião marcada para segunda-feira em Bruxelas entre o secretário armênio do Conselho de Segurança, Armen Grigoryan, e o conselheiro de política externa do presidente do Azerbaijão, Hikmet Hajiyev. Ele também acusou o Azerbaijão de recusar uma proposta para organizar uma reunião presencial entre os ministros das Relações Exteriores dos dois países.

No entanto, Pashinyan insistiu que a Armênia deve permanecer comprometida com uma agenda de paz.

“Não há alternativa à agenda de paz, mas não pode ser unilateral. Em vez disso, deve haver um movimento construtivo de dois lados. Fizemos tudo e tudo ao nosso alcance para abrir uma era de desenvolvimento pacífico em nossa região. A alternativa para isso é uma nova guerra”, disse Pashinyan.

Pashinyan também comentou sobre as negociações em andamento para normalizar as relações com a Turquia, afirmando que a Armênia vê a oportunidade de “avançar em pequenos passos” em direção a esse objetivo.

“As referências da Turquia ao ‘corredor de Zangezur’ criam um tom negativo e não são úteis para o processo, mas isso não significa que vamos interromper o diálogo”, disse ele.

A maioria dos meios de comunicação locais boicotou a coletiva de imprensa em protesto contra seu formato online.

As últimas três coletivas de imprensa de Pashinyan desde novembro de 2021 foram realizadas online, com os meios de comunicação tendo a oportunidade de enviar perguntas com antecedência. O gabinete do primeiro-ministro defendeu o uso contínuo do formato, citando precauções contra o coronavírus.

Um grupo de 27 editores de meios de comunicação principalmente pró-oposição ou de oposição divulgou um comunicado anunciando sua decisão de boicotar a coletiva de imprensa. Os meios de comunicação, incluindo o Yerkir Media, NEWS.am, Panorama.am e Aravot Daily, de propriedade da ARF, pediram a Pashinyan que voltasse ao formato presencial.

“A experiência anterior provou que esses ‘contatos online’ ocorrem em um cenário pré-planejado. Apenas as perguntas da mídia pró-governo, dos canais do Telegram e dos blogueiros são divulgadas durante esses eventos, que, aparentemente, concordam antecipadamente com os organizadores do evento, e no caso das perguntas de outras mídias – elas são ignoradas, ou editadas ou distorcidas”, diz o comunicado.

Em um comunicado separado, oito meios de comunicação, incluindo Civilnet, RFE/RL, Fact Investigation Platform e Aravot Daily, instaram o primeiro-ministro a retornar ao formato presencial, já que praticamente todas as outras restrições relacionadas ao coronavírus foram suspensas pelo governo.

“Durante essas coletivas de imprensa, as perguntas enviadas pela mídia são agrupadas e editadas pelo gabinete do primeiro-ministro, pelo que muitas vezes o conteúdo da pergunta é distorcido ou as nuances da pergunta são perdidas. Às vezes, algumas perguntas não são feitas”, diz o comunicado. “Consequentemente, o acesso do público à informação adequada é efetivamente restrito.”

“Consideramos esta forma de interação com a mídia do líder do país discriminatória, ineficaz e em contradição com os princípios fundamentais da democracia, transparência e responsabilidade”, continua o comunicado.

Matérias Relacionadas
Artsakh

Armênia retirará suas tropas de Artsakh em Setembro

Fontes : Asbarez, Armenpress O chefe de segurança nacional da…
Leia mais
Esportes

Seleção Armênia estreia com vitória na Liga das Nações B

Armênia luta por uma vaga na primeira divisão europeia. No último sábado, 04 de junho, a…
Leia mais
Esportes

Pyunik é campeão da Armenian Premier League 2021/22

Equipe de Yerevan conquista o título pela 15ª vez Na ultima terça-feira 24 de maio, o Pyunik…
Leia mais

Deixe um comentário