Armênia e Azerbaijão concordam com novo cessar-fogo humanitário em Artsakh

0
1
Fontes :
PanArmenian, Mirror Spectator, Massispost

Neste domingo, 18 de outubro, a partir da meia-noite, horário local, será instaurada novamente uma trégua humanitária entre Armênia e Azerbaijão.

Leia mais: Últimas atualizações oficiais dos ataques do Azerbaijão à Artsakh e à Armênia

Os lados já haviam concordado anteriormente com um cessar-fogo para providenciar a evacuação dos corpos e a troca de prisioneiros de guerra. O Azerbaijão, no entanto, violou o cessar-fogo pouco tempo após o início da trégua, bombardeando a República de Artsakh e atacando assentamentos civis em diferentes direções da fronteira.

O Ministério das Relações Exteriores da Armênia anunciou na noite de sábado que a Armênia e o Azerbaijão chegaram a um novo acordo para interromper as hostilidades na zona de conflito de Artsakh (Nagorno-Karabakh).

Minutos antes de a decisão sobre o estabelecimento de trégua ser anunciada, o lado russo informou que o ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, conversou com seus homólogos da Armênia e do Azerbaijão por telefone.

Em um breve comunicado, o ministério disse que o “cessar-fogo humanitário” entrará em vigor à meia-noite e não deu outros detalhes.

O Ministério das Relações Exteriores do Azerbaijão confirmou a informação, segundo a agência de notícias russa RIA Novosti.

O presidente francês Emmanuel Macron respondeu rapidamente ao anúncio. “Este cessar-fogo deve ser incondicional e estritamente observado por ambas as partes. A França estará muito atenta a isso e permanecerá comprometida para que as hostilidades cessem permanentemente e que discussões confiáveis ​​possam começar rapidamente ”, disse o escritório de Macron em um comunicado citado pela Reuters.

No início desta semana, Lavrov pediu às partes em conflito que elaborassem um “mecanismo de verificação de cessar-fogo” que envolveria o envio de “observadores militares” para a zona de conflito. O ministro das Relações Exteriores da Armênia, Zohrab Mnatsakanian, apoiou a ideia.

Um assessor sênior do presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, disse na sexta-feira que Baku não considera a presença de tais observadores necessária “agora”.

Comment(1)

Deixe um comentário