Da RedaçãoGenocídio Armênio

Morre o crítico de cinema armênio-brasileiro Leon Cakoff

Morreu na tarde desta sexta-feira (14), aos 63 anos, o crítico de cinema Leon Cakoff. O idealizador da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo tinha câncer e estava internado havia duas semanas no Hospital São José, em São Paulo. O corpo será velado no MIS (Museu da Imagem e do Som) nesta tarde e cremado no sábado no Memorial Parque Paulista.

Leon Chadarevian (seu nome verdadeiro), nasceu na Síria, em 12 de junho de 1948. Ele veio para o Brasil com a família aos oito anos e formou-se pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Por problemas com o regime militar, adotou o pseudônimo Cakoff.

Leon foi casado durante 22 anos com Renata de Almeida, atual diretora da Mostra, e deixa dois filhos com ela, Jonas e Thiago, além de dois filhos anteriores do primeiro casamento, Pedro e Laura. A carreira como jornalista teve início em 1969. A partir de 1974, dirigiu o Departamento de Cinema do Museu de Arte de São Paulo (Masp).

Cakoff dirigiu o curta-metragem “Volte sempre, Abbas”, de 1999, em parceria com a esposa Renata de Almeida. O filme acompanha a visita do cineasta iraniano Abbas Kiarostami à Mostra e foi exibido na mostra Novos Territórios, do Festival de Veneza.

O crítico também foi responsável pela distribuidora Mais Filmes, criada em 2000, e estava entre os sócios do Arteplex, que reúne nove salas de cinema em um shopping paulistano e depois ganhou unidades também em Porto Alegre, Curitiba e Rio de Janeiro.

Cakoff esteve ainda entre os organizadores do longa-metragem “Bem-vindo a São Paulo” (2004). No filme, diretores mostram uma visão da capital paulista. Quatro anos depois, produziu e protagonizou o curta “Do visível ao invisível”, do português Manoel de Oliveira, também selecionado para o Festival de Veneza. Cakoff voltou a trabalhar com Oliveira, ao produzir o filme “O estranho caso de Angélica” (2010).

Ema 35 anos, a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo trouxe ao Brasil diretores como Manoel de Oliveira, hoje com 102 anos. O cineasta se tornou amigo de Cakoff. O evento também já convidou o iraniano Abbas Kiarostami, o israelense Amos Gitai, o americano Quentin Tarantino e o espanhol Pedro Almodóvar. O americano Dennis Hopper, o alemão Wim Wenders,  o iraniano JafarPanahi, o sérvio Emir Kusturica e o finlandês Aki Kaurismaki, entre tantos outros, também participaram da mostra.

A 35ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo começa oficialmente na próxima sexta-feira (21).

 

Leon Chadarevian

Cakoff faz ponta no filme “O Mundo Invisível” de Atom Egoyan. Na camisa, está escrito “Quem conhece esse homem?” e na mão, Cakoff segura uma foto de Soghomon Teilerian, armênio que matou Talaat Paxá, o arquiteto do Genocídio Armênio, em Berlim em 1921

Nota da Redação: Leon Chadarevian (Cakoff) foi um grande incentivador da Causa armênia no Brasil. Através da Mostra Internacional, Cakoff exibiu diversos filmes que abordavam o Genocídio Armênio e a responsabilidade turca, como “A Casa das Cotovias”, “Screamers” e “Ararat”. Este último, dirigido pelo armênio-canadense Atom Egoyan, foi um sucesso mundial. Para a mostra deste ano, Cakoff convidou Egoyan para ministrar uma oficina sobre técnicas de filmagem.

Matérias Relacionadas
Artsakh

Armênia retirará suas tropas de Artsakh em Setembro

Fontes : Asbarez, Armenpress O chefe de segurança nacional da…
Leia mais
Artsakh

Comunidades armênias em Berdzor serão cedidas ao Azerbaijão

Fontes : Armenian Weekly Por Lillian Avedian A cidade de Berdzor…
Leia mais
Eventos

Novo documentário de Gary Gananian sobre Artsakh será exibido em São Paulo

Gary Gananian, um dos diretores de Rapsódia Armênia, acaba de lançar um novo documentário…
Leia mais

Deixe um comentário