Home Da Redação Davutoglu cria o conceito de “Só memória” e pede que armênios esqueçam o Genocídio de 1915

Davutoglu cria o conceito de “Só memória” e pede que armênios esqueçam o Genocídio de 1915

4

Asbarez
O Ministro das Relações Exteriores turco, Ahmet Davutoglu, em um trabalho acadêmico publicado na Turkish Policy Quarterly, insta os armênios a tomar “medidas ousadas” para inaugurar uma “nova era” de relações com a Turquia. Ele se baseia na infame declaração de “condolências” do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan.

As “medidas ousadas” que Davutoglu está defendendo é para que os armênios neguem, esqueçam o Genocídio Armênio e adotem a versão da Turquia da história. Recentemente eles vem rebatizando o Genocídio para fugir da culpa. Chamam de “dor compartilhada”, que na mente de Davutoglu irá promover uma nova visão que ele chama a grosso modo de “apenas memória”.

Ahmet-Davutoglu-5No artigo intitulado “Relações turco-armênias no processo de desotomanização” ele diretamente põe a culpa sobre a diáspora armênia para o que chama de perpetuar o status quo, que segundo ele cria “memórias injustas”. Davutoglu insiste que a resolução da questão turco-armênia acontecerá através de uma nova compreensão da história onde promove o conceito de “só memória.”

Ironicamente, esta artigo foi publicado um dia antes do Comitê de Assuntos Exteriores da Câmara dos EUA aprovar a medida que responsabiliza a Turquia por destruir o patrimônio cultural cristão especialmente os locais religiosos.
“É uma grande injustiça que os povos em questão estejam deixando de lado a história comum de ricos séculos de convivência, se pautando somente por eventos traumáticos, como guerras e conflitos” argumentou Davutoglu.

A dita “memória injusta” criada em torno dos acontecimentos de 1915, constitui o exemplo mais importante deste fenômeno, uma vez que “hipoteca o passado em comum e futuro dos turcos e armênios “, escreveu Davutoglu, pedindo um diálogo aberto e contínuo entre os dois lados.

“O conceito de ‘apenas memória’ que temos freqüentemente empregado durante este processo é extremamente importante. Para que turcos e armênios possam entender o que cada um deles realmente passou, é essencial que se respeite um a memória de outro. Para os armênios de 1915 foi um ano de realocação durante as quais excessivamente aconteceram grandes tragédias. Os anos antes e depois de 1915 também foram um momento de enorme tragédia para os turcos na Anatólia. Foi nessa época que os turcos lutaram por sua sobrevivência nas guerras dos Balcãs e outras.”

O líder turco argumenta que a declaração de “condolências” de Erdogan no dia 23 de abril deve servir como base para outras medidas. Diz Davutoglu : “A mensagem de Erdoğan não deve ser vista como um passo conjuntural. Deve ser vista como um prelúdio para a transformação das mentes e lembranças, porque isso não é apenas uma oferta de condolências, mas também um convite sincero a todas as partes para garantir um futuro comum, baseado em uma paz duradoura”.

A receita de Davutoglu para esta “nova era” de entendimento é de que os armênios neguem coletivamente sua própria história, incluindo o Genocídio a fim de que a Turquia possa continuar as suas políticas criminosas de opressão e assassinato patrocinadas pelo Estado, sem impunidade.

Essencialmente, o que Davutoglu está sugerindo é que todos nós demos as mãos, suspiremos, damos um pulinho com um “oops” e sigamos em frente. Mais uma ofensa turca a memória dos mártires.

Comment(4)

  1. Sou brasileiro mas não sou descendente de armênios ou de turcos. Tomei conhecimento do "genocídio" armênio através de livros e documentários. Em uma consulta com um médico descendente de armênios, ao comentar sobre o assunto, o mesmo me contou que sua família fugiu da Anatólia após uma tia sua ter sido morta por um soldado turco dentro de uma igreja armênia durante uma reunião. Ela estava grávida e o soldado abriu seu ventre na presença de todos!
    Sou simpatizante da causa armênia e admirador de sua cultura mas gostaria de compartilhar os seguintes fatos:
    1- O massacre final dos armênios iniciado em 1915 pelo governo otomano NÃO FOI O 1º GENOCÍDIO DO SÉCULO XX. Entre 1904 e 1907 ocorreu o genocídio dos Hereros e Namas na atual Namíbia (Africa) por parte do exército alemão comandados por Lothar Von Trotta. Por essa época, os belgas também efetuavam um genocídio entre os habitantes do antigo Congo Belga…
    2- O governo da antiga RDA (República Democrática da Armênia), no início dos anos 1920 não conseguiu fazer o Tratado de Sévres sair do papél…
    3- Reivindicar a devolução de territórios perdidos só irá dificultar ainda mais o reconhecimento do genocídio armênio! Nenhum governo irá ter apoio da população turca se optar por devolver territórios! Atualmente só se conquista novos territórios através das armas (vide Ucrania, Cisjordânia, Nagorno-Karabakh)…
    O reconhecimento do genocídio, o livre acesso de armênios a templos e lugares históricos ainda existentes na antiga Armênia Ocidental, a criação de um mercado comum entre Turquia e Armênia e a abertura da fronteira comum entre estes dois Estados me parece ser o possivel embora não seja o completamente justo. Sei que serei criticado por minha opinião mas esses são os fatos e temos que analisa-los sem emocionalismos, mesmo porque o destino dos turcos e armênios continua unido quer pela cultura quer pelos ódios e remorsos !

  2. De toda maneira, continuaremos lutando pelo reconhecimento do Genocídio Armênio e pela devolução dos territórios armênios usurpado.

    Caro Danilo, numa simples analogia, se o seu bisavô tivesse sido morto e alguém tomasse a casa, mas a família ainda possuísse a escritura, o que você faria?

    Fica ai a pergunta!

  3. Caro Armen, boa noite!

    Não me atrevo a condenar os sobreviventes do genocídio e seus descendentes pelas revoltas, traumas, violações, dores e ressentimentos deixados pelos acontecimentos de 1915-1922 na Anatólia

  4. continuação…

    a revolta é ainda maior quando analisamos os métodos covardes e desumanos utilizados pelos nacionalistas turcos…
    O sofrimento não terminou com a queda do Império Otomano.
    Um político russo que visitou a Armênia em 1919 declarou que: “A Armênia é um país de órfãos, de pobres e de lágrimas”.
    Não tenho nenhum avo ou bisavô que tenha passado por tal calvário porisso reconheço que não tenho autoridade moral para julgar um descendente de vítima do genocídio!
    Mas posso te afirmar de nada ajuda jornalistas armênios ficarem noticiando que turcos estão morando em propriedades que pertenceram a armênios nos dias atuais! Os turcos tomaram territórios da Armênia através das armas e com o apoio tácito da França, Inglaterra, ´Russia e EUA nos anos de 1920. E nunca irão devolve-los pacificamente!
    Essa é uma dura realidade! A Turquia pertence à OTAN e os EUA não querem perdê-la como aliada! O mesmo Israel que também passou por um genocídio no século passado não reconhece o genocídio armênio e ainda vende armamentos ao Azerbaijão, em troca de petróleo…
    A Turquia reconhecer o genocídio seria também reconhecer que os militares que a criaram foram quase todos assassinos de crianças e estupradores de mulheres armênias, gregas, curdas… Como castigo, a França e a Alemanha não permitem que ela seja aceita na Comunidade Européia enquanto não reconhecer o genocídio!
    Enquanto a Turquia não exorcizar os fantasmas do passado, também não se livrará dos pavores do futuro! Há um filme chamado “Torturados” que mostra que tanto aqueles que foram torturados quanto aqueles que torturaram perderam sua humanidade e necessitam de tratamento!
    Como cristãos devemos crer que não é aqui o lugar de nosso descanso (Hebreus 4). Não é aqui que veremos a justiça triunfar!
    Assim sendo, continuo afirmando: Esperar devolução de territórios ou indenizações de guerra é algo utópico!Turquia e Armênia só serão mais fortes quando se unirem e se perdoarem!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *