Da RedaçãoTudo

Assista ao documentário IAN, de Sirelle Boyadjian

Em abril de 2011, O portal Estação Armênia em conjunto com o Departamento Jovem da SAMA-Clube Armênio realizou a Semana de Rememoração ao Genocídio Armênio. Como parte da programação, o Clube Armênio foi palco do Festival de Filmes Armênios que apresentou várias produções como o documentário Screamers do System of a Down, a Casa das cotovias, Ararat etc.

Durante o festival também foi exibido o documentário IAN, uma produção independente, roteirizado e dirigido por Sirelle Boyadjian, de Fortaleza (CE). O documentário trata de descendentes de armênios que narram histórias do Genocídio praticado pelos turcos-Otomanos durante a I Guerra Mundial, contra o seu povo e suas famílias e revelam uma “Armênia” atual, pouco conhecida.

IAN foi produzido por Sirelle especialmente para compor seu trabalho de conclusão de curso em Publicidade e Propaganda na UNIFOR e agora o vídeo está disponível no Youtube. 

Armen Pamboukdjian, editor-chefe do Portal Estação Armênia, entrou em contato com Sirelle para saber um pouco mais sobre todo o processo de produção.


[E.A] – Como surgiu a idéia do documentário?
[Sirelle] – Eu sempre quis estudar e conhecer mais a área de cinema. A oportunidade que encontrei para “meter as caras” foi durante o semestre da minha monografia.” Motivada pela paixão no cinema e o desejo enorme em me autoconhecer em todos os sentidos, principalmente em relação a minha descendência e ao “sentir” sempre tão intenso com tudo, resolvi unir o útil ao agradável e produzir um filme sobre minhas origens e a questão tão polêmica, atual e injusta do Genocídio Armênio. 

[E.A] – Como foi e em quanto tempo você produziu o documentário?
[Sirelle] – Li muito, pesquisei, gravei, viajei, conheci várias personalidades especiais e coisas às quais um filme de suporte do tipo, não me proporcionaria. Tudo ficou pronto em um semestre, prazo determinado pela universidade. 

[E.A] – Qual foi o resultado que você obteve com o filme?
[Sirelle] – O resultado foi muito bom, exatamente como eu havia imaginado. Os frutos, em relação à proporção tomada começaram a chegar no ano seguinte (2011), quando fui convidada para estrear o documentário em São Paulo, no Clube Armênio para toda comunidade Armênia. Na platéia haviam várias pessoas que participaram como depoentes e me ajudaram no processo do mesmo. 

[EA] – E qual foi a sua sensação ao realizar a exibição em São Paulo? 
[Sirelle] – A sensação? Indescritível! O número de vezes que eu já havia assistido ao meu próprio filme veio por água abaixo ao presenciar as carinhas de todas aquelas pessoas e seus depoimentos emocionados ao final da exibição, me agradecendo por ter registrado toda uma história de vidas/famílias num documento visual. 

[EA] – Pensa em inscrevê-lo (o documentário) em algum festival de cinema?
[Sirelle] – Sim, com certeza! O prazo de vida de um filme desse tipo para se inscrever em Festivais de Cinema é de dois anos, no máximo três. Por isso, só agora a publicação nas redes sociais.

Assista abaixo a íntegra do documentário IAN:

 

Sobre o autor

Artigos

Jornalista de formação, é editor-chefe do site Estação Armênia.
Matérias Relacionadas
Artsakh

Armênia retirará suas tropas de Artsakh em Setembro

Fontes : Asbarez, Armenpress O chefe de segurança nacional da…
Leia mais
Artsakh

Comunidades armênias em Berdzor serão cedidas ao Azerbaijão

Fontes : Armenian Weekly Por Lillian Avedian A cidade de Berdzor…
Leia mais
Eventos

Novo documentário de Gary Gananian sobre Artsakh será exibido em São Paulo

Gary Gananian, um dos diretores de Rapsódia Armênia, acaba de lançar um novo documentário…
Leia mais

0 Comentários

Deixe um comentário