Home Da Redação O dilema dos armênios da Síria: emigrar ou preservar a comunidade

O dilema dos armênios da Síria: emigrar ou preservar a comunidade

0

Nanore Barsoumian, Editora Assistente do The Armenian Weekly (artigo publicado originalmente no The Armenian Weekly e reproduzido ontem pelo Asbarez) –

Nos últimos dias, como a violência continua na Síria, várias medidas  foram tomadas na Armênia para ajudar a comunidade de lá que está em uma  situação bastante complicada. Mesmo assim muitos problemas envolvem o futuro.

Críticos chegaram a acusar a empresa aérea Armavia de aumentar os seus preços para tirar proveito da situação vulnerável dos armênios da Síria. Para diminuir as críticas a Armavia anunciou ontem voos com preços promocionais de Alepo para Yerevan.

O governo armênio aprovou uma emenda às leis de cidadania que permitam aos cidadãos sírios e libaneses de origem armênia receber vistos direto dos consulados e embaixadas naqueles países sem necessidade de autorização dos órgãos armênios.

   O jornalista Harout Ekmanian, armênio nascido na Síria, que está atualmente trabalhando para CivilNet em Yerevan, acredita que essas medidas são uma questão de dever e não de escolha. “Eu não vou agradecer a empresa Armavia por terem baixado os preços das passagens. Eles tem obrigação de fazer isso “.

A questão da imigração para a Armênia não é tão simples como se poderia imaginar. Primeiro, muitos na comunidade não estão dispostos a abandonar a Síria, que é o país deles há décadas. Outros que tem vontade de ir para Armênia relutam em abandonar casas e propriedades mesmo que temporariamente.

O mercado imobiliário na Síria no momento está em baixa e sem segurança financeira, sobreviver na Armênia também seria um grande desafio para essa população.

Em muitos casos, aqueles que deixaram suas casas viram suas propriedades saqueadas e queimadas, como é o caso de um amigo do jornalista Ekmanian que morava em Damasco. Ele acrescenta:  Claro que vidas são mais importantes do que propriedades , mas uma grande parcela dos armênios da Síria são pessoas humildes e com poucos recursos e relutam em abandonar o pouco que tem.

O historiador Ara Sanjian da Universidade de Michigan-Dearborn acredita que os armênios em todo o mundo devem dar apoio moral e financeiro para os armênios na Síria “, especialmente para reabrir escolas danificadas”. A HOM( Sociedade Beneficente Armênia- Cruz Vermelha) criou um fundo para ajudar as escolas armênias de toda a Síria.

Armênia e os armênios em todo o mundo devem “aproveitar todos os momentos de paz daqui para frente para enviar escritores,  grupos artísticos  e ampliar o intercambio com os armênios de Aleppo e de outras cidades para levantar a moral do povo, tanto quanto possível”, disse Sanjian. Lembro que durante a guerra civil no Líbano, artistas e estudiosos costumavam vir da Arménia e de outros lugares e esses eventos ajudavam a alterar o clima dentro da comunidade líbano-armênia, pelo menos por um tempo.”

Quanto aos esforços do governo armênio, Sanjian acredita que eles são bem intencionados porém a falta de conhecimento sobre a história das comunidades da diáspora prejudica essa relação. “Sabemos que o governo armênio pode fazer muito pouco por causa da situação interna na Síria. A grave situação econômica da Armênia é a prioridade. O problema é a recorrente falta de interesse na análise da diáspora.  Espero que, no rescaldo da crise síria, mais esforços sejam feitos pelos estudiosos na Armênia para estudar a diáspora em profundidade e com realismo “, disse ele.

Já Ekmanian é mais crítico da posição do governo armênio, e considera os seus esforços insuficientes ao “declarar alguns tratamentos especiais para os armênios sírios como reduzir os custos de vôos e alguns anúncios em tom sentimental feito por um ou outro ministro. Ele acredita que o governo armênio deveria se envolver diretamente nas discussões sobre o conflito para garantir o bem-estar dos sírio-armênios .O governo armênio deve incluir esta questão nas suas prioridades de política externa. Nada disso está acontecendo e os armênios são deixados à mercê das partes em conflito. Felizmente, até agora os armênios não têm sido alvo, mas estamos esperando que isso aconteça para começar a agir? “, Disse Ekmanian.

Em um artigo recente Ekmanian questionou os números oficiais  quando se fala de imigração de armênios da Síria para Arménia. Ele argumentou que muitos não estão dispostos a imigrar, mas sim procuram destinos alternativos para o turismo ou residência temporária, porque as férias de verão em alguns lugares da Síria, como Kessab,  já não são uma opção em função dos riscos inerentes ao conflito. Ele também argumentou que os armênios sírios residentes fora da Síria estão de férias na Armênia, em vez de na Síria como faziam antes. Ele concluiu “Afinal, a Armênia deve decidir se será o lar de todos os armênios, ou apenas o seu destino turístico. “

A Federação Revolucionária Armênia (FRA)- Tashnagtsutiun também é cautelosa sobre o assunto da imigração, argumentando que os armênios não devem ser encorajados a abandonar a Síria. “As pessoas dispostas a vir para cá devem ser ajudadas, mas não deve iniciar-se um movimento migratório, disse Giro Manoyan porta-voz da F.R.A a repórteres em Yerevan.

Em uma entrevista para o Yerkir Media, o representante do Bureau do Tashnagtsutiun Hrant Markarian, observou que os armênios são parte integrante da sociedade síria, e como tal espera-se que permaneçam e enfrentem estes tempos difíceis com os outros sírios. Ele ressaltou, no entanto, que não se deve condenar os armênios sírios que desejam imigrar para a Armênia. Markarian, também, estava cético sobre relatos de um grande fluxo de imigrantes armênios sírios, considerando-o um movimento temporário ou turismo e  não uma permanente emigração. Ele também criticou os meios de comunicação que fomentam o pânico entre os armênios na Síria.

“Vamos ser justos e reconhecer que, infelizmente, nosso país não é o tipo de país que pode lidar com um grande número de refugiados”, disse Markarian, acrescentando que atualmente a Armênia não é capaz de apoiar os refugiados financeiramente carentes, uma vez que os segmentos da sociedade mais pobres da própria Armênia não estão recebendo esse tratamento.

Desde o início da atual crise na primavera de 2011, Irã, Rússia e China têm mantido consistentemente o seu apoio ao governo Assad; os Estados do Golfo, junto com a Turquia, os EUA e governos ocidentais europeus, como França e Reino Unido, tem ficado na oposição.

A maioria dos membros da comunidade armênia, incluindo a liderança, parecem estar torcendo pela vitória do governo de Assad ao invés da incerteza no futuro, disse Sanjian. Ele caracterizou a situação interna como “fluida”. “Ninguém realmente sabe quem tem o poder”, disse ele. O governo, no entanto, parece ainda ter o controle em Damasco, onde esmagou um levante na semana passada após o ataque ao quartel-general de segurança.

Há uma minoria dentro da comunidade armênia na Síria, que é cada vez mais crítica da manipulação da crise pelo governo , embora estes armênios ainda não tenham grande voz dentro da comunidade. “A atual oposição e seus apoiadores  estão unidos apenas porque Assad ainda está no poder em Damasco. Se ele sair, certamente a oposição e seus apoiadores podem começar uma luta entre si pelos despojos do governo Assad, acrescentou.

Sanjian acredita que as potências estrangeiras vão ter uma grande influência em qualquer situação que termine a crise. “As apostas são altas  e  por isso que há tanto envolvimento estrangeiro. Talvez, o resultado não esteja mais nas mãos dos sírios. Assad provavelmente ainda acredita que pode esmagar seus adversários. Eu não acho que há sérias negociações em nível internacional para garantir uma solução pacífica.

Entre 60.000-70.000 armênios chamam a Síria de lar. Eles constituem menos de 0,5 por cento da população total do país. Mais da metade deles vivem em Aleppo e a outra metade está espalhada em cidades como Latakia, Homs, Qamishli, Hasakeh, Yaqubiye, Raqqa, Kessab, e a capital Damasco.

Nanore Barsoumian especialista em Ciência Política pela Universidade de Massachusetts (Boston).

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *