Home Da Redação Pallone e Schiff condenam ataque covarde do Azerbaijão à Nagorno-Karabakh

Pallone e Schiff condenam ataque covarde do Azerbaijão à Nagorno-Karabakh

0

PalloneO congressista Frank Pallone Jr. (Co -presidente do Congresso Armênio de Questões Para o Caucáso) lançou neste sábado (02) a seguinte declaração condenando a mais recente onda de ataques em larga escala do Azerbaijão contra Nagorno Karabakh:

Condeno fortemente a escalada de hostilidades contra Nagorno Karabakh , por parte do Azerbaijão, e me reunirei junto da administração de Obama no sentido de instar uma desescalada imediata do conflito. A retórica ameaçadora do Azerbaijão, por meio de seu presidente Aliyev tem consistentemente aludido a violar o cessar-fogo firmado em 1994 e atacar o povo de Nagorno Karabakh. O presidente Aliyev continua a desafiar as chamadas internacionais para alcançar uma solução negociada que garanta uma paz duradoura na região. É inaceitável para o Azerbaijão que continue em seu atual caminho beligerante, e exorto a administração Obama e Grupo de Minsk da OSCE para exigir a prestação de contas por parte do Azerbaijão e continuar a trabalhar para a implementação de propostas que promovam a paz.”

SchieffNo sábado também, o Representante Adam Schiff (membro da Câmara Permanente do Comitê de Inteligência e ferrenho defensor do reconhecimento do Genocídio Armênio pelos EUA) divulgou uma nota condenando o Azerbaijão:

“Estou profundamente perturbado e condeno essa terrível nova escalada na agressão do Azerbaijão contra Nagorno Karabakh, sob a forma de uma agressão militar significativa que matou 18 soldados armênios e pelo menos um civil – um jovem rapaz. Que este ataque vem apenas algumas horas depois de o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, voltar de reuniões em Washington, DC com o vice-presidente Biden e o secretário Kerry, demonstra que a política dos Estados Unidos e do Grupo de Minsk simplesmente não funciona. Até o Azerbaijão enfrentar as consequências fortes e significativas sobre a sua política de escalonamento e violência, e sua recusa de auto-serviço para concordar com a monitorização internacional da Linha de Contato, há pouca chance de resolver o conflito e evitar mais derramamento de sangue. As verdadeiras vítimas desta política são o povo de Artsakh que simplesmente querem viver livres de franco-atiradores e morteiros e exercer o seu direito de auto-determinação.”.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *