Home Da Redação Istambul realizou evento em memória a Hrant Dink

Istambul realizou evento em memória a Hrant Dink

0

Panarmenian

dink20142Nesta sexta, 17 de Janeiro, aconteceu em Istambul um evento em memória do jornalista turco-armênio Hrant Dink assassinato em 2007.

Leia mais sobre o assassinato de Hrant Dink e seus desdobramentos.

A sétima Conferência de Direitos Humanos e Liberdade de Expressão Hrant Dink foi organizada na Universidade Boğaziçi , e a esposa de Hrant Dink, Rakel Dink, presenteou o instituto com uma placa no final do evento.

Rakel enfatizou em seu breve discurso a importância de alcançar a verdade, depois que ela criticou as pessoas que matam ou roubam em nome de Deus.

Em seu discurso de abertura, a presidente da Universidade Boğaziçi, Gülay Barbarosoğlu, falou sobre a história das palestras, e disse que ter vergonha de as forças por trás do assassinato Hrant Dink não terem sido esclarecidas.

O proeminente sociólogo francês, Wacquant, da Universidade da Califórnia em Berkeley, realizou uma palestra sobre a urbanização, a pobreza urbana e da evolução dos guetos. Referindo-se a afirmação do sociólogo Max Weber que “O ar da cidade torna-o livre”, Wacquant disse que a cidade é um lugar de liberdade e potencial de diversificação cultural. Discorrendo sobre a resistência das pessoas nas cidades, falou sobre o caso do parque Gezi e disse que são os moradores de classe média educada que protestavam contra a demolição do parque.

Em sua palestra, Wacquant principalmente explicou como guetos se desenvolveram e desapareceram no mundo ocidental. O mais importante deles foi o gueto judeu em Veneza. Descrevendo o gueto como uma forma de integração, o professor disse que existem quatro elementos predominantes em um gueto: estigma, restrições, confinamento especial e paralelismo institucional.

Outro gueto importante foi o gueto negro de Chicago, na primeira metade da década de 1900 de acordo com ele. No entanto, após a década de 1950, morreram em guetos nos EUA, enquanto os negros protestavam contra a contenção. No entanto, enquanto os negros se mudavam para as cidades, os brancos migravam para os subúrbios, segundo ele.
No contexto turco, Wacquant falou sobre a transformação de “gecekondu” (uma casa de invasores) para “varoş” (um bairro onde ninguém quer viver).

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *