Da RedaçãoTudo

Armênia bane importação de produtos da Turquia

 Foto: Acorn/Alamy

“Os produtos turcos devem ser rejeitados em nosso país. Nosso dinheiro não deve ser direcionado para o exército inimigo”, afirma o empresário e diretor fundador da Soft Papyrus, Tigran Karapetyan, referindo-se à proibição da importação de produtos turcos. Ele também acrescenta que alguns empreendedores enfrentarão dificuldades em sua cadeia de suprimentos ao tentarem se ajustar; importar da Turquia era bastante conveniente.

Em 24 de outubro de 2020, o governo aprovou uma decisão para proibir a importação de bens de consumo (prontos) de origem turca por seis meses. A proibição entrou em vigor no último 31 de dezembro. A decisão é justificada por questões de segurança, levando em conta o apoio declarado da Turquia à guerra desencadeada pelo Azerbaijão contra Artsakh.

“Esta decisão visa nos proteger de riscos à segurança de produtos turcos, ao mesmo tempo em que estancará o fluxo de receitas financeiras e receitas fiscais para um país que demonstrou uma atitude hostil clara”, diz a declaração do governo.

A Soft Papyrus produz produtos de higiene (como lenços de papel) na Armênia. Antes de março de 2020, a empresa importava matérias-primas da Turquia. No entanto, depois que surgiram problemas na fábrica turca, eles optaram por trocar de fornecedores em favor dos mercados iraniano e russo. Como o papel higiênico acabado e os produtos de papel toalha também são importados da Turquia para a Armênia (através da Geórgia, devido ao bloqueio econômico da Turquia), os produtos da empresa competem em termos de preço e qualidade com os produtos importados. Eles afirmam que a decisão não levará à escassez de bens no mercado, nem contribuirá para a inflação.

Como distinguir produtos de origem turca

Hoje, o consumidor armênio médio está mais preocupado em como distinguir os produtos de origem turca e se o embargo se estenderá a marcas conhecidas. O vice-ministro da Economia, Varos Simonyan, esclarece a questão: “O país de origem de um produto é o país em que este foi totalmente produzido ou recebeu transformação final suficiente, de acordo com os critérios estabelecidos na lei. Portanto, vestuário de marca estrangeira , que são produzidos na Turquia ou que foram suficientemente transformados na Turquia, são mercadorias de origem turca. Serão proibidas no território aduaneiro da República da Armênia.”

Especialistas destacam o fato de que, nesta fase, o embargo não se aplica à importação de matérias-primas. Samvel Gevorgyan, Diretor Fundador do Business Support Center (BSC), diz que existem dois raciocínios para essa abordagem. Em primeiro lugar, é mais difícil encontrar mercados alternativos para as matérias-primas. E em segundo lugar, uma vez que a matéria-prima é importada, um novo valor é criado para o qual salários e impostos são pagos na Armênia e a produção local se desenvolve.

Por que seis meses?

O vice-ministro Varos Simonyan observou que, de acordo com o Tratado da União Econômica da Eurásia de 29 de maio de 2014, os Estados membros da EAEU podem aplicar unilateralmente medidas não tarifárias no comércio com países terceiros. Essas medidas temporárias podem ser válidas por um período máximo de seis meses a partir da data de sua promulgação. “Mas nada impede que a proibição seja estendida mais uma vez por mais seis meses”, explica. “Não há limites quantitativos para reaplicar restrições a esse respeito.”

O Governo da Armênia notificou a Comissão Econômica da Eurásia da sua decisão, propondo a aplicação de restrições tarifárias em todos os estados membros da EAEU. Se a oferta não for aceita, a Armênia aplicará unilateralmente a restrição tarifária. Outros estados membros da EAEU ainda poderão importar mercadorias turcas, mas não poderão redirecioná-las para a Armênia.

Produtos turcos no mercado armênio

Embora a Turquia tenha apoiado abertamente o Azerbaijão na questão do Artsakh, e mantenha sua fronteira com a Armênia fechada por causa disso, os indicadores de comércio exterior mostram que o volume das importações da Turquia para a Armênia é significativo, enquanto as exportações da Armênia para a Turquia são insignificantes.

Assim, de acordo com dados do Comitê de Estatística da República da Armênia, as importações da Turquia totalizaram cerca de $ 2,3 bilhões de dólares e as exportações cerca de $ 15,2 milhões de dólares de 2009 a 2019.

Fonte: EVNReport, Comitê de Estatística da República da Armênia


De acordo com o Ministério da Economia, apenas em 2019, as importações da Turquia totalizaram 128 bilhões de Drams (ou R$ 1.44 bilhões), dos quais R$ 360 milhões em roupas, R$ 534 milhões em cítricos, R$ 183 milhões em máquinas e equipamentos (ex. Aquecedores elétricos, refrigeradores), R$ 126 milhões em petróleo e produtos derivados do petróleo, R$ 122 milhões em produtos químicos e industriais e R$ 112 milhões em metais não preciosos e itens produzidos a partir deles.

De acordo com estimativas preliminares, dos 128 bilhões de Drams importados em 2019, produtos de consumo final ou acabados representaram cerca de 100 bilhões de Drams (78%), com bens de consumo intermediários (matérias-primas) compreendendo os 28 bilhões restantes.

Fonte: EVNReport, Ministério da Economia da República da Armênia

Quem vai sofrer e por quê?

“Em geral, a maioria dos bens importados da Turquia tem conversibilidade com qualidades semelhantes, mas a transição para substitutos levará algum tempo”, diz Varosyan. “Estudos têm mostrado que bens de consumo de qualidade e tipo semelhantes podem ser importados de outros países ou , mais importante, podem ser produzidos na Armênia. Acreditamos que o período de transição permitirá que as empresas armênias encontrem mecanismos mais flexíveis para substituir as importações do mercado turco, bem como estabelecer a produção local para alguns produtos.”

O ministro da Economia, Tigran Khachatryan, praticamente descartou a possibilidade de que essa decisão do governo possa gerar inflação no mercado.

Samvel Gevorgyan, do Business Support Center, apresenta três razões pelas quais o volume de produtos turcos no mercado armênio é tão grande:

  • A relação qualidade-preço do produto atende à demanda
  • O processo de importação é acessível em termos de logística
  • Existem relações interpessoais confiáveis ​​entre os sócios, que permitem o pagamento à vista, parcelado ou sem adiantamento, etc.

Tendo esses fatores em mente, o governo deve dar uma mão às empresas que importaram bens de consumo da Turquia e terá de enfrentar alguns problemas, ao encontrar fornecedores alternativos em outros países. Gevorgyan está oferecendo consultas gratuitas a empresas que atualmente trabalham com fornecedores turcos. Ele recebeu centenas de pedidos.

O vice-ministro Simonyan observa que o governo também apoiará as empresas armênias: “O apoio será dado às empresas que usam todas as ferramentas disponíveis para resolver todos os problemas que surjam, o mais rápido possível.”

As expectativas do governo não se limitam a encontrar novos fornecedores. Segundo o empresário Tigran Karapetyan, o governo pode oferecer garantias bancárias, auxiliar na importação de matéria-prima, estabelecer incentivos fiscais, oferecer subsídios e assim por diante. Sobre a questão de dar prioridade aos produtos armênios no mercado, o empresário cita a experiência da Bielo-Rússia, onde as lojas têm seções separadas para produtos locais. A aplicação desta abordagem exigiria intervenção do governo na Armênia, pois os varejistas não estão particularmente motivados a seguir o exemplo.

Novos mercados de exportação

A Arábia Saudita também impôs um embargo aos produtos turcos em 28 de setembro deste ano. Eles foram seguidos por Marrocos e Emirados Árabes Unidos. Agora existe uma oportunidade de considerar por que os laços comerciais da Armênia com esses países árabes não foram fortalecidos.

O especialista em marketing Aram Mkrtchyan, atualmente residindo e trabalhando no Kuwait, aponta que, se os produtos e serviços turcos forem expulsos da Arábia Saudita, a Armênia também terá o potencial de preencher o vácuo criado. “Na realidade, toda a paleta de produtos armênios, roupas, alimentos, etc. pode encontrar seu lugar neste mercado com, é claro, pequenas exceções: álcool e produtos suínos.”

Após a decisão do governo, Mkrtchyan anunciou sua disposição de ajudar as empresas a encontrar novos mercados de exportação. Ele recebeu centenas de respostas e começou um grupo no Facebook, que cresceu rapidamente. Atualmente, um banco de dados está sendo criado e as questões estão sendo agrupadas, desde o conhecimento de marketing até questões logísticas. Os alvos são Omã, Bahrein, Arábia Saudita, Kuwait e Emirados Árabes Unidos. A ênfase, no entanto, está na Arábia Saudita e no Kuwait, porque eles têm os maiores e mais sólidos mercados financeiramente. “A fim de evitar mal-entendidos, no entanto, deve-se ressaltar que os resultados não devem ser esperados instantaneamente. Com muito trabalho, os resultados podem ser esperados dentro de 6-12 meses. Em casos especiais, se estivermos lidando com empresas muito bem organizadas e com experiência em exportação, esse prazo pode ser reduzido consideravelmente ”, afirma Mkrtchyan.

A proibição não se aplicará às mercadorias importadas antes de 31 de dezembro, apenas no caso de as operações aduaneiras relevantes terem sido concluídas até 31 de dezembro.

Matérias Relacionadas
Artsakh

Ministro das Relações Exteriores da Armênia denuncia Azerbaijão em Moscou

Fontes : Mirror Spectator O novo ministro das Relações Exteriores da…
Leia mais
Da Redação

OTSC decide não agir em invasão do território armênio

O agravamento da situação no sul da Armênia em conexão com o estabelecimento de uma nova…
Leia mais
ArtsakhDa Redação

15 prisioneiros de guerra retornam à Armênia

Fontes : Asbarez EUA, Geórgia e UE desempenham papel importante no…
Leia mais

Deixe um comentário