Pashinyan anuncia plano de recuperação pós-guerra, apesar dos pedidos de renúncia

0
0

O primeiro-ministro Nikol Pashinyan publicou nesta quarta-feira um roteiro para abordar os desafios que o país enfrentará no pós-guerra em Artsakh, Nagorno-Karabakh. O plano de Pashinyan surge em meio ao descontentamento generalizado entre as forças de oposição e da população, que pede sua renúncia.

O plano consiste em 15 pontos de ação que seu gabinete colocará em ação nos próximos seis meses.

“O objetivo principal deste roteiro é garantir a estabilidade democrática da Armênia, para criar garantias de que a formação de poder através da livre vontade das pessoas não seja ameaçada”, disse Pashinyan, acrescentando que, para cumprir o plano, ele remodelará o gabinete.

Entre os pontos destacados por Pashinyan estão a restauração do formato do processo de paz de Nagorno-Karabakh sob a co-presidência do Grupo de Minsk da OSCE com foco no status de Artsakh e retorno dos deslocados aos seus locais de residência; reconstrução das casas danificadas e infra-estrutura em Nagorno Karabakh; prestação de garantias sociais para as famílias de militares mortos ou feridos em ações militares; o retorno de prisioneiros de guerra e civis, abordando a questão das pessoas desaparecidas e prestação de garantias sociais para suas famílias; o desenvolvimento e lançamento de a reforma das Forças Armadas; superação da pandemia do coronavírus; restauração do ambiente para a atividade econômica; alterações legislativas ao Código Eleitoral do país e uma nova legislação sobre partidos políticos.

Pashinyan acrescentou que apresentará um relatório sobre o progresso de seu roteiro em junho de 2021 e uma decisão sobre ações futuras será feita com base na resposta da população.

Enquanto isso, as aldeias de Nor Maraga, Nor Aygestan, Nor Seysula, Nor Karmiravan, Nor Haykadjur, Hovtashen e Nor Jraberd na região de Martakert de Nagorno-Karabakh, bem como os assentamentos de Ukhtasar e Armenakavan na região de Askeran serão transferidos para o Azerbaijão, seguindo a declaração assinada pela Armênia, Azerbaijão e Rússia.

O comunicado prevê o retorno da região de Aghdam ao Azerbaijão até 20 de novembro. Os assentamentos, assim como a cidade de Akna, estão todos localizados em Aghdam.

Medidas estão agora sendo tomadas para transportar as propriedades de mais de 2.000 residentes de Martakert, 400 residentes de Askeran e cerca de 800 residentes de Akna, bem como fornecer a eles locais de residência temporária.

Na última terça, dia 17, o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, disse que a integridade territorial de seu país não pode ser objeto de negociações, acrescentando que “o Azerbaijão restaurará sua integridade territorial … se não for por meios pacíficos, será feito pela força militar”.

Aliyev fez as declarações um dia após de ele e sua esposa, Mehriban Aliyeva, vice-presidente do país, visitarem Fizuli e Jebrail, cidades que passaram ao controle do Azerbaijão durante a guerra.

Ele também anunciou que um dos principais projetos que seu governo vai realizar é a construção de uma rodovia entre Fizuli e Shushi.

Moscou espera que a recusa de Baku em discutir o status de Nagorno-Karabakh não provoque uma nova onda de combates na região, segundo o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Andrey Rudenko.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse na terça-feira que o status de Karabakh será determinado no futuro, mas por enquanto o status quo será mantido.

Deixe um comentário