Pashinyan diz em declaração motivos de ter assinado o acordo por Artsakh

0
0

No última quinta-feira, dia 12 de novembro, o Primeiro Ministro armênio Nikol Pashinyan deu uma declaração pública sobre os motivos de ter assinado o acordo com a rendição de Artsakh.

O Primeiro Ministro tem sido alvo de diversos protestos e críticas após a assinatura do documento. Ainda na quinta, Artsrun Hovhannisyan, que atualizava informações diáriamente durante a guerra, renunciou do Ministério da Defesa da Armênia. O parlamentar Vardan Atabekyan do partido de Pashinyan, o My Step, também anunciou sua renúncia nesta sexta.

Veja a declaração abaixo:

Queridas pessoas,
Irmãs e irmãos,

A Armênia e o povo armênio estão enfrentando dias cruciais. Há tristeza no coração de todos nós, lágrimas nos olhos de todos nós, dor na alma de todos nós. O fim à guerra que começou em 27 de setembro, com a assinatura de um documento como a declaração conjunta emitida pelo Primeiro-Ministro da Armênia, os Presidentes da Rússia e do Azerbaijão em 10 de novembro, causou desespero público e levantou muitas questões, e devo responder a todas essas perguntas.

Por que um documento tão desfavorável foi assinado para a Armênia? Aconteceu nas condições em que o Estado-Maior das Forças Armadas da República da Armênia relatava que cada minuto era importante e que a guerra deveria ser interrompida o mais rápido possível. E o presidente da Artsakh alertou que, se as hostilidades não parassem, poderíamos perder Stepanakert em alguns dias e, em alguns cenários, até em poucas horas.

Muitos podem dizer que se já tivéssemos perdido Hadrut, Shushi, poderíamos ter perdido Stepanakert também, e nada mudaria. A realidade, no entanto, é um pouco diferente, porque se tivéssemos perdido Stepanakert, o que como o presidente da Artsakh Arayik Harutyunyan já confirmou em suas declarações públicas, estava em indefesa naquela época, então Askeran e Martakert teriam sido previsivelmente e inevitavelmente perdidas só porque essas cidades estavam na retaguarda na época em que a guerra começou, pois estavam localizadas longe o suficiente da linha de frente e não tinham estruturas defensivas e fortificações. Nem havia tantas forças de combate que pudessem realmente defender essas cidades.

E o que aconteceria após a queda dessas cidades? A segunda, terceira, quarta, quinta, sexta, sétima defesas do Exército de Defesa estariam sob cerco do inimigo, o que significa que mais de 20.000 soldados e oficiais armênios poderiam se encontrar cercados por tropas inimigas, inevitavelmente enfrentando a perspectiva de serem mortos ou capturados. Nessas condições, é claro, a queda das regiões de Karvachar e Kashatagh seria inevitável, levando a uma catástrofe completa.

Pela lógica, muitos podem se perguntar: por que eu estava tão preocupado com a segurança de nossos soldados no momento da assinatura do documento e por que não estava tão preocupado antes disso? Em termos operacionais, a questão é que qualquer comandante tem uma função fundamental, especificamente definir tarefas de combate que tenham um objetivo tático ou estratégico específico, devendo o comandante definir essas tarefas, sabendo que a sua implementação pode resultar na morte dos seus soldados. Na minha qualidade de Comandante-Chefe, eu realmente coloquei essas tarefas diante do exército e das forças armadas desde o primeiro dia da guerra. Em uma situação em que o soldado não pode influenciar o curso dos acontecimentos, não é mais o soldado que deve morrer por causa da pátria, mas a pátria precisa fazer sacrifícios por causa do soldado; o comandante não deve dar ordens que possam implicar a morte de seus soldados.

Com isso em mente, assinei o notório documento, e quando o assinei, percebi que estava diante da ameaça de minha morte pessoal, não apenas no plano político, mas também no físico. Mas a vida de 25.000 soldados era mais importante, eu acho que para vocês também. Estavam sob ameaça as vidas de nossos soldados que haviam prestado serviço à pátria. Além disso, esses soldados não tiveram chance de influenciar a situação na retaguarda, não havia mais forças de combate na retaguarda que pudessem exercer uma influência realista sobre a situação e, portanto, era hora de o comandante arriscar a própria vida pelo bem destes soldados, tanto física como politicamente. Era hora da pátria fazer sacrifícios por aqueles soldados que nada pouparam pela pátria, e assinei esse documento com isso em mente.

Além disso, nesta situação e nestas condições, a questão já não era de dias ou semanas, onde podíamos nos preparar: tínhamos que tomar uma decisão. Uma decisão teve que ser tomada em poucas horas, caso contrário, poderia ter começado um processo que poderia ter terminado na morte ou cativeiro de cerca de 10.000, 20.000, 25.000 soldados armênios.

Muitas pessoas estão fazendo a seguinte pergunta: Por que não pedi demissão antes de assinar aquele papel? Porque isso significaria deserção, significaria sacudir minha cota de responsabilidade e colocá-la nos ombros de outra pessoa, na esperança de que mais tarde as pessoas dissessem que o primeiro-ministro Pashinyan era tão patriota a ponto de não assinar aquele documento humilhante. E também porque, como eu disse, as decisões tinham que ser tomadas em poucas horas, caso contrário a roleta poderia girar, e não poderia mais ser parada de forma alguma.

Outra pergunta que está sendo feita é a seguinte. Por que não consultei a nação antes de assinar esse documento? Por um motivo muito simples. Ao falar com o povo, eu teria apresentado a situação objetiva, o que significava fornecer ao inimigo informações detalhadas sobre a situação, além disso, apresentar um plano detalhado para bloquear nossos 25.000 soldados por horas, com todas as consequências daí decorrentes.

Além disso, prometi discutir com o povo as opções para a resolução da questão de Karabakh, e este documento não prevê uma solução substantiva para a questão: apenas implica a cessação das hostilidades. A questão de Karabakh não foi resolvida antes da assinatura da declaração mencionada, nem foi resolvida depois dela. Ainda há muito a ser feito a esse respeito.

A próxima questão compreensível e que surge naturalmente é a seguinte: Por que mesmo nessas condições não foi possível chegar a um cessar-fogo nos primeiros dias da guerra, ou talvez um pouco mais tarde? Houve duas razões para isso. Primeiro, teriamos que entregar sete distritos, incluindo Shushi, sem lutar, e segundo, a situação militar inspirou a esperança de que, se adicionassemos novos recursos, seríamos capazes de vencer o desafio com esforços sobre-humanos. Essa foi a razão pela qual o presidente da Artsakh e eu continuamos a fazer apelos para que as pessoas se alistassem na defesa da pátria, mas também tentamos garantir que nossa mensagem não desencorajasse o soldado que lutava na linha de frente, não se desesperasse e entregasse ao inimigo detalhes desnecessários sobre nossos problemas.

Nós, o Presidente de Artsakh, o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, o Comandante do Exército de Defesa, eu próprio e o Governo da Armênia, os representantes da nossa equipe política e, claro, em primeiro lugar os nossos soldados, voluntários, oficiais e generais fizeram de tudo para defender cada centímetro de nossa terra. Nosso exército lutou heroicamente. Nossas tropas estavam lutando não para se render, mas para manter o que tínhamos; eles lutaram não para perder, mas para vencer. E eles praticamente lutaram contra três exércitos. Mas, infelizmente, como o presidente de Artsakh mencionou em sua mensagem de ontem, não fomos capazes de fornecer ao exército apoio suficiente.

De fato, com suas muitas manifestações heróicas, o movimento de voluntariado e mobilização não foram forte o suficiente para enfrentar o desafio, pois nos deparamos com uma realidade da qual simplesmente não havia outra saída.

Quanto ao conteúdo do próprio documento, é muito ruim para nós, mas não devemos torná-lo pior do que é na realidade. Em particular, há rumores sobre a entrega de Meghri, o que é um absurdo absoluto. É apenas uma questão de desbloquear as rotas de transporte na região, incluindo do Azerbaijão a Nakhichevan, mas isso significa que as rotas de transporte de Yerevan a Nakhichevan por Syunik devem ser desbloqueadas, incluindo a comunicação ferroviária entre a Armênia e a República Islâmica do Irã que pode impulsionar o desenvolvimento econômico de nosso país.

Quanto a Nagorno-Karabakh, ou melhor, a parte sob o controle das autoridades de Artsakh, o corredor Lachin de Goris a Stepanakert terá um funcionamento ininterrupto após o destacamento de forças de paz russas. A comunicação entre Stepanakert e Yerevan deve ser confiável. Os mantenedores da paz também garantirão a segurança da fronteira nesta parte de Artsakh, de modo que os residentes dos assentamentos dentro do perímetro do destacamento dos mantenedores da paz precisam retornar para suas casas o mais rápido possível. Os governos da Armênia e Artsakh farão todo o possível para eliminar o impacto da destruição o mais rápido possível e fornecer todas as condições necessárias.

A solução final da questão de Karabakh e do status de Artsakh é de fundamental importância. A este respeito, nossa tarefa não mudou: o reconhecimento internacional da República de Artsakh está se tornando uma prioridade absoluta e, de fato, existem agora argumentos mais importantes para o reconhecimento internacional de Artsakh.

Agora, eu gostaria de falar sobre nossas atividades futuras na República da Armênia. Nossa prioridade é restaurar o clima de estabilidade e segurança no país, única garantia do poder do povo.

Devemos assegurar, antes de tudo, que as pessoas gozem plenamente de seu direito inalienável de formar um governo e exercer seu poder. O governo não cederá às provocações de grupos rebeldes patrocinados pelas antigas autoridades. Os organizadores dos distúrbios e muitos dos participantes ativos foram presos, muitos estão se escondendo, mas com certeza serão encontrados e levados à justiça.

Apelo a todos os nossos compatriotas para que não cedam às provocações e se unam em torno de um governo decidido a cumprir a tarefa de tirar o país desta situação, garantindo que ninguém pode usurpar o poder legítimo do povo contra o saqueio país e devolvê-lo a um redemoinho de corrupção.

Estamos colhendo os frutos amargos do roubo e da corrupção, por muitas décadas a riqueza e a renda do país costumavam ir para o bolso de pessoas conhecidas e não para o desenvolvimento do exército.

Queridas pessoas,
Cidadãos orgulhosos da República da Armênia,
Cidadãos orgulhosos da República de Artsakh,
Armênios orgulhosos da diáspora,

Nosso país tem um futuro e devemos fazer tudo para que este difícil entroncamento seja um marco importante no caminho para esse futuro. E devemos aprender lições com nossos erros coletivos.

Muitos querem saber se podemos falar sobre um bom futuro após uma guerra tão desastrosa. Sim, porque hoje há países que sofreram as capitulações mais severas do século XX, e hoje estão entre as nações mais poderosas do mundo. Fizeram isso após uma derrota brutal, com ênfase no desenvolvimento da educação, ciência, indústria e democracia, e este deve ser nosso próximo passo. E exorto todos nós a nos concentrarmos no que podemos fazer para fortalecer nosso país. Este será nosso melhor serviço à memória de nossos mártires, nossos soldados feridos e debilitados, seus parentes, famílias, mães, pais, esposas e filhos.

Os parentes de nossos mártires podem perguntar por que seus entes queridos morreram afinal. A resposta a esta pergunta é, em primeiro lugar, salvar o povo de Artsakh do genocídio, para proteger o direito do nosso povo à sobrevivência.
Ao reviver e desenvolver o país, valorizaremos o sangue que eles derramaram pelo bem da pátria, o futuro de seus filhos, sua devoção inabalável. A nossa homenagem implica um trabalho criativo diário e uma educação que deve melhorar o nosso país.

E portanto,
Vida longa a liberdade!
Viva a República da Armênia!
Viva a República de Artsakh!
E vivam nossos filhos que viverão em uma Armênia livre e feliz!
Nós nos curvamos à memória de nossos mártires!

Deixe um comentário