Da RedaçãoTudo

Substituto de Cunha, Rodrigo Maia estreita laços com Azerbaijão

rodrigo-maia-azerbaijao

O presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ), embarcou na sexta-feira (28) com uma comitiva de deputados em uma viagem oficial ao Azerbaijão, um dos países que tem a economia agarrada aos recursos energéticos provenientes do petróleo e dos combustíveis fósseis. O retorno do grupo ao Brasil está previsto para quinta-feira (3). Esta será a primeira viagem internacional de Maia desde que ele assumiu a presidência da Câmara, em 14 de julho e a Câmara não informou o custo da viagem.

Pouco antes de assumir a presidência da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia juntamente com seu pai, o vereador pelo Rio de Janeiro na ocasião, Cesar Maia, surpreendentemente declararam apoio oficial ao ataque covarde das forças armadas do Azerbaijão contra a população armênia em Artsakh, que ocorreu durante 4 dias no mês de abril deste ano, no que quase reacendeu a conflito de Nagorno-Karabagh, que tem um cessar-fogo estabelecido entre a Armênia e o Azerbaijão desde 1994.

cfdv8fxxeaeitxA região de Nagorno-Karabakh é um enclave que fica na fronteira entre a Armênia e o Azerbaijão. Ao fim da União Soviética, a população majoritariamente armênia de Nagorno-Karabagh reivindicou independência Um referendo foi realizado em 1991 com a maioria dos votantes escolhendo a independência, mas o resultado nunca foi aceito pelo governo autoritário do Azerbaijão, que continua infringindo o cessar-fogo diariamente por meio de atiradores de elite na região fronteiriça.

Durante a estada da comitiva brasileira, está programada uma visita ao túmulo do ditador Heydar Aliyev, ex-presidente do Azerbaijão e pai do atual presidente Ilham Aliyev. Junto com Rodrigo Maia, mais cinco deputados estarão presentes à visita: Rogério Rosso (PSD-DF), Rubens Bueno (PPS-PR), Heráclito Fortes (PSB-PI), José Carlos Aleluia (DEM-BA) e Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

Questionado pelo Site do Jornal Floripa, na quarta (27), sobre os motivos da viagem, Maia justificou a agenda internacional por ter “boa relação” com o Azerbaijão o que o fez aceitar o convite do presidente da República, Ilham Aliyev, no poder desde 2003. “[Viajo] para o Azerbaijão. [Será em] visita oficial em um país com o qual tenho uma boa relação. Recebi um convite oficial do presidente da República e vou fazer a visita”, afirmou na ocasião o presidente da Câmara, acrescentando que o país é “fortíssimo no mercado de óleo e gás. É um país interessante”.

Mas quem pensa que tudo isso é por acaso, listamos abaixo um histórico da agressiva conduta azerbaijana contra os armênios no mundo todo:

  • Em 2012 enquanto o tema da Pré-Sal gerava uma discussão intensa no Brasil todo, o governo do Azerbaijão, um país petrolífero e ligado aos petrodólares das transnacionais globalizadas, abria sua embaixada em Brasília.
  • Em fevereiro de 2013, durante a Conferência de Segurança de Munique o Ministro dos Negócios Estrangeiros do Azerbaijão, Elmar Mammadyarov,  manteve encontro com então Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antônio Patriota. Era o início do aprofundamento das relações entre os dois países que desde os anos de 1990 eram exclusivamente protocolares e comerciais.
  • Em 2013 a Embaixada do Azerbaijão, iniciou um trabalho ostensivo no congresso brasileiro para ampliar as relações comerciais e políticas com o Brasil. O partido escolhido para trabalhar para o governo de Baku foi o Democratas mais conhecido como DEM.

Desde então as trocas bilaterais multiplicaram 5 vezes e semanas depois da formação do grupo de amizade interparlamentar Brasil – Azerbaijão, formado majoritariamente pelos parlamentares brasileiros do DEM, o governo do Azerbaijão formaliza a compra de uma série de aviões da EMBRAER em um negócio de mais de U$ 300 milhões.

Até ai nenhuma novidade e nenhum problema. Comércio bilateral e relações internacionais são o ambiente normal da diplomacia.

Ocorre que meses depois parlamentares brasileiros são convidados a conhecer Baku, capital do Azerbaijão e participar de uma infinidade de congressos e reuniões bancadas pela cleptocracia de Ilham Aliyev, ditador do país.

Logo os interesses dos azerbaijanos ficavam claros e se mostravam para além do que tinha se visto até então. Uma ofensiva azerbaijana na América do Sul estava em curso, principalmente no Brasil, como denunciou o Estação Armênia em editorial publicado em agosto de 2013 (releia).

Deputados brasileiros como Nelson Pelegrino – PT / BA e Claudio Cajado – DEM / BA apresentam moções na comissão de relações exteriores da Câmara Federal para que o Brasil assuma a defesa da ditadura Aliyev e passe a pressionar a Armênia visando roubar as terras armênias de Nagorno-Karabakh (relembre aqui).

Cabe lembrar que a Embaixada Armênia em Brasília e o CNA-Brasil em São Paulo fizeram todos os esforços para evitar essa situação naquele período contando com apoio dos então deputados paulistas Arnaldo Jardim e Walter Feldman que ponderaram sobre a amizade que o Brasil mantinha também com a Armênia.

Mas a carga política azerbaijana continuou e continua. Cesar Maia, vereador do Rio de Janeiro, Claudio Cajado, Deputado Federal e Rodrigo Maia,também Deputado Federal, fizeram declarações infundadas sobre o conflito de Karabakh.

Em uma clara posição parcializada e demonstrando total desconhecimento do assunto eles lançaram nas redes sociais acusações contra a Armênia e Nagorno-Karabakh durante a primeira semana de abril quando o governo azerbaijano lançou uma violenta e covarde ofensiva contra a linha de fronteira de Karabakh.

Em 14 de julho deste ano Rodrigo Maia foi eleito presidente tampão da Câmara dos Deputados na grave crise política que vive o Brasil. Ele ocupará posto até janeiro de 2017.

 

Matérias Relacionadas
Eventos

Novo documentário de Gary Gananian sobre Artsakh será exibido em São Paulo

Gary Gananian, um dos diretores de Rapsódia Armênia, acaba de lançar um novo documentário…
Leia mais
Genocídio Armênio

Mississippi reconhece o Genocídio Armênio

Fontes : ArmRadio O Mississippi tornou-se o 50º estado dos EUA a…
Leia mais
Artsakh

Contando cada armênio de Artsakh

Por Cristopher Patvakanian para o Mirror-Spectator Muito antes da guerra de Artsakh de 2020, Anna…
Leia mais

Deixe um comentário