Da RedaçãoTudo

Artigo de Aline Bak: “O mundo enfim conhece a nossa dor.”

Por Aline Baktchejian Djehdian.

O Papa Francisco durante a missa na Basílica de São Pedro declara “É o primeiro genocídio do século XX”.

A advogada Amal Clooney esposa de George  Clooney defende no Tribunal Internacional dos Direitos Humanos o reconhecimento do genocídio.

A socialite Kim Kardashian e a sua família embarcam pela primeira vez para a Armênia do que seria pelas suas palavras “a jornada de sua vida”.

O chefe da igreja armênia, o Catholicos Karekin II canoniza em Etchmiadzin um milhão e meio de santos armênios.

A banda System of a Down realiza nas ruas de Yerevan um show histórico.  A torre Eiffel se apaga por 1 minuto. As mídias ao redor do mundo se voltam para 1915.

Alguns líderes mundiais reconhecem enquanto outros se omitem. Mas afinal porque que o assunto no mundo é a Armênia? 

Mas o que houve com este povo? Que história é essa que nunca foi ensinada nas escolas? O enredo brutal e triste que mais parecia ficção do que realidade foi marcada por um povo de fé que além de terem reconhecido desde o início o cristianismo como religião oficial foram também perseguidos, torturados e largados a milhares no deserto pelos turcos otomanos com a finalidade de extinguir o povo armênio. O Genocídio do povo armênio.

O tempo passou, mais precisamente 100 anos e a diáspora com mais de 10 milhões de armênios rezaram, cantaram e saíram de suas casas para as ruas onde o mundo pode conhecer o orgulho de ser armênio. Seja através de um coral de uma escola no Japão, no Canadá, em Los Angeles, Nova York, Chicago, Seattle, Miami, em países como a Austrália, Argentina, Uruguai, Irã, Holanda, Áustria, Alemanha, Lituânia, Libano, Brasil, Georgia, Venezuela e até mesmo lá no coração da Turquia em Istambul onde a marcha do dia 24 de abril aconteceu sob o som de cânticos armênios.

E porque estamos mesmo falando dos armênios? Cada sangue derramado no deserto leva um DNA e esse perpetuou no tempo através de imagens do ano de 1915 exibidas na CNN, BBC, FOX, BLOOMBERG, entre tantas outras fortes referências mundiais. 

Mídias no Brasil como a Globo através dos seus noticiários, também na Record, SBT, BAND, TV CULTURA. Importantes sites como UOL, TERRA, GLOBO e os jornais como FOLHA, ESTADÃO entre outros realizaram dezenas de matérias mostrando a luta de um povo. Um rapper brasileiro que canta uma música sobre Genocídio Armênio.

Agora o mundo entende o porquê falamos dos armênios.

unnamedOs turcos continuam negando assim como o seu aliado que possue uma base militar na região, os EUA. E o Brasil? Mais um não para 30 mil armênios que residem no país.

A diáspora está unida lutando pelo reconhecimento em memória de seus antepassados e hoje vivendo algo que antes era impensável; ver o mundo conhecer a nossa dor.

Negar o passado significa contribuir negativamente com o rumo da história atual. 

Aline Baktchejian Djehdian 
24/04/2015

 

Aline Baktchejian Djehdian é jornalista brasarmênia e idealizadora do site “O olhar do Fã no MMA”.

 

Matérias Relacionadas
Eventos

Novo documentário de Gary Gananian sobre Artsakh será exibido em São Paulo

Gary Gananian, um dos diretores de Rapsódia Armênia, acaba de lançar um novo documentário…
Leia mais
Genocídio Armênio

Mississippi reconhece o Genocídio Armênio

Fontes : ArmRadio O Mississippi tornou-se o 50º estado dos EUA a…
Leia mais
Genocídio Armênio

Novo seriado da Disney cita Genocídio Armênio

O novo seriado da Disney+ Cavaleiro da Lua (Moon Knight) citou em uma cena de seu primeiro episódio…
Leia mais

1 Comentário

Deixe um comentário