Onnig Comenta

Liberdade para falar, escrever e viver! Je suis Arménien! Je suis Hrant!

Nos últimos dias ao mesmo tempo em que parte do mundo chora e lamenta o assassinato dos cartunistas do Charlie Hebdo, poucos, muito poucos lembram que um jornalista de origem armênia foi assassinado oito anos atrás. Ele pedia justiça e liberdade.

Hrant Dink, editor do Agos, diário armênio de Istambul, foi assassinado por entender que somente poderia ser um cidadão realmente livre se pudesse falar sobre o crime que se abateu sobre seu povo em 1915. Cem anos atrás um milhão e quinhentos mil armênios foram massacrados. Eles queriam liberdade.

HrantOnnig

Um outro grande armênio, Armen Garo (Karekin Pastermadjian, 1872-1923) deu inúmeros exemplos na luta por liberdade. Armen Garo, foi dos campos de batalha para as mesas de luta política e chegou na diplomacia. Ninguém nunca calou a voz de Armen Garo. É assim que eu vejo a luta pelo reconhecimento do Genocídio Armênio. Uma grande luta pela liberdade. Ser armênio é lutar por liberdade, é lutar pela vida e nunca se calar.

Tenho a certeza que o centenário do Genocídio Armênio vai ser o início de uma nova fase. Me encho de esperanças de que a terceira e quarta geração de armênios pós genocídio levem a frente essa batalha. Essa nova geração de militantes deve entender que sozinhos não vamos chegar a lugar algum. É fundamental que a humanidade encampe nossa bandeira. Não podemos mais percorrer sozinhos essas estradas. Todos os povos oprimidos e nós mesmos armênios devemos definitivamente saber que o destino de todos, a luta pela liberdade, é uma causa comum. Esse é um caminho sem volta. Somente a universalização da Causa Armênia e a democracia podem nos levar a vitória.

Somente a queda de governos como de Erdogan na Turquia e Aliyev no Azerbaijão podem ajudar no avanço da luta. Somente uma Armênia justa socialmente e com uma diáspora plenamente integrada vai fortalecer nossas reivindicações.

Mas sobretudo a liberdade para se falar e escrever aquilo que se quiser, a liberdade vista como bem supremo do ser humano, vai permitir discutir, disseminar e ampliar o conhecimento sobre o brutal crime que ceifou a vida de um milhão e quinhentos mil inocentes em 1915. Era isso que queria Hrant Dink. É isso que nós queremos.

Je suis Hrant! Je suis Arménien!

 

Sobre o autor

Artigos

Professor de Geografia e Geopolítica. Fleumático, colérico, sanguíneo e melancólico.
Matérias Relacionadas
Eventos

Novo documentário de Gary Gananian sobre Artsakh será exibido em São Paulo

Gary Gananian, um dos diretores de Rapsódia Armênia, acaba de lançar um novo documentário…
Leia mais
Genocídio Armênio

Mississippi reconhece o Genocídio Armênio

Fontes : ArmRadio O Mississippi tornou-se o 50º estado dos EUA a…
Leia mais
Cultura

'Cantos de um Livro Sagrado' vence festival É Tudo Verdade

O documentário Cantos de um Livro Sagrado, de Cassiana Der Haroutiounian e Cesar Gananian, venceu a…
Leia mais

1 Comentário

Deixe um comentário