Da RedaçãoTudo

Sietecase recebe a distinção Hrant Dink de jornalismo, do CNA

CNA, Armenia, hrant Dink, Jornalismo, Turquia

No último dia 26 de junho, o  jornalista Reynaldo Sietecase recebeu a distinção Hrant Dink de jornalismo argentino oferecido pelo Conselho Nacional Armênio da América do Sul (CNA).

Quando eles (CNA) anunciaram que iriam dar esta distinção Fiquei surpreso com o que significa e pela história de Hrant Dink. Primeiro eu pensei que era uma honra receber. É uma honra, mas uma responsabilidade. Uma enorme responsabilidade que me dão. É um peso que eu espero levar com dignidade“, disse Sietecase ao receber o prêmio. “Eu tenho muitas coisas que me ligam à causa armênia. Qualquer pessoa que está comprometida com os direitos humanos, ela tem que estar do lado do povo armênio“, acrescentou.

Este prêmio é para aqueles jornalistas que o Conselho Nacional Armênio considera que em sua trajetória têm sido defensores dos direitos humanos e da liberdade de expressão“, explicou Ariel Quaglia, membro do CNA, sobre a distinção que leva o nome de Hrant Dink, um jornalista de origem armênia assassinado em 2007, na porta de seu jornal, o diário Agos em Istambul, no qual denunciava a discriminação de distintas minorias que habitam a Turquia e a sistemática negação do Genocídio Armênio por parte do Estado turco.

Assista abaixo:

Hoje nos deparamos com um Estado turco herdeiro dessa violência, na qual se traduz em políticas de repressão, além de encarceramento de elementos que questionam a história da política oficial da Turquia“, expressou Quaglia em seu discurso de abertura, para logo recordar das políticas do Azerbaijão, que conta com um “governo que manifesta todos os dias o seu ódio contra os armênios do mundo todo, em uma escala beligerante que parece não ter fim“.

Quaglia também disse que “a melhor homenagem que se pode dar a um jornalista e militante como foi Hrant Dink é reconhecer e homenagear a outros que, em outros tempos e espaços, exercem um jornalismo comprometido com a verdade e que aponta para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária para todos.”

O ato contou com a presença de personalidade como o Dr. Ricardo Alfonsín, Miguel Bazze (deputados nacionais), Virginia González Gass (legisladora Portenha) , Jonathan Thea (representante da Seamos libres), Claudio Altamirano (Coordenador do Programa Educación y Memoria) Ana Boyadjian (representando a deputada nacional Graciela Boyadjian), além das mães da Plaza de Mayo, Avós da Plaza de Mayo, Analía Argento do diario El Cronista, a Assembleia Permanente pelos Direitos Humanos, Memória e Justiça Almagro, a Fundación Luisa Hairabedian, Juan Carlos Zabalza (INADI),  Pedro Mouratian (legislador de Buenos Aires), Pablo Ferreyra, a colectividad armenia de Rosario, a Cátedra Armênia da Universidad Nacional de Rosario e o embaixador armenio na Argentina, Vahagn Melikian.

O prêmio, que se outorga desde o ano de 2011, já foi recebido por Osvaldo Bayer, Fernando Bravo, Telma Luzzani, Juan Sasturain, María O´Donnell, Martín Granovsky, Alfredo Leuco, Olga Cosentino, Juan Bedoian, Mariano Saravia, Ariel Crespo, Pedro Brieger, Cristian Sirouyan, Ricardo Roa, Claudio Fantini, Eduardo Aliverti, Andrés Repetto, José María Pasquini Durán , Fabián Bosoer, Román Lejtman, Marcelo Cantelmi, Víctor Hugo Morales, Liliana Lopez Foresi, José Ricardo Eliaschev, Enrique VázquezJorge Elías.

Sobre o autor

Artigos

Jornalista de formação, é editor-chefe do site Estação Armênia.
Matérias Relacionadas
Eventos

Novo documentário de Gary Gananian sobre Artsakh será exibido em São Paulo

Gary Gananian, um dos diretores de Rapsódia Armênia, acaba de lançar um novo documentário…
Leia mais
Genocídio Armênio

Mississippi reconhece o Genocídio Armênio

Fontes : ArmRadio O Mississippi tornou-se o 50º estado dos EUA a…
Leia mais
Genocídio Armênio

Novo seriado da Disney cita Genocídio Armênio

O novo seriado da Disney+ Cavaleiro da Lua (Moon Knight) citou em uma cena de seu primeiro episódio…
Leia mais

Deixe um comentário