Da RedaçãoGenocídio ArmênioTudo

Folha publica texto de de Kenarik e Mariana Boujikian sobre o Genocídio Armênio

Link Original da matéria: Folha.com

folhakenark

O genocídio armênio foi o primeiro extermínio deliberado do século 20 e serviu como protótipo para outros. O governo turco-otomano matou, entre 1915 e 1923, cerca de 1,5 milhão de armênios que viviam como minoria no território. No mês de abril, quando o genocídio completou 99 anos, o primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, desejou “condolências” aos netos e descendentes daqueles que viviam no Império Turco-Otomano e morreram devido às circunstâncias do início do século 20.

O tom da declaração revela que o Estado turco se esquiva a assumir o que fez e se exime de culpa pelo ocorrido. Ao se recusar a pronunciar a palavra “genocídio”, Erdogan minimiza os acontecimentos do passado, tratando-os como consequência dos tempos da Primeira Guerra Mundial, uma fatalidade pela qual não podem ser responsabilizados.

Há diversos documentos históricos que comprovam que o massacre perpetrado pelo governo turco foi premeditado e não se tratou de um infortúnio de um país envolvido na Primeira Guerra. A população armênia foi desarmada com o propósito de impedir qualquer resistência; suas lideranças intelectuais e políticas foram os primeiros assassinados, para limitar sua capacidade de reação.

A estratégia de deportações em forma de caravanas rumo ao deserto dizimou milhares de pessoas. As ordens expressas do governante Talaat Pashat comandando o massacre podem ser conferidas em documentos recuperados por historiadores, e as matanças estão registradas em jornais e em outras diversas plataformas.

O primeiro-ministro fala das “consequências desumanas”, como quem se compadece da dor dos armênios, mas convenientemente não atribui qualquer responsabilidade àqueles que ordenaram o genocídio. Sua declaração é estratégica: livra o Estado turco do seu dever de reconhecer os massacres de 1915, referindo-se à tragédia de maneira inédita para sinalizar uma mudança de postura e assim diminuir a pressão internacional que se intensifica. Sua declaração tem o objetivo de dar à sua gestão uma aparência mais democrática e respeitosa aos princípios do direito internacional, para quem sabe assim a Turquia possa chegar perto de entrar na União Europeia –que exige o reconhecimento do genocídio.

Os sobreviventes se espalharam pelo mundo, formando uma diáspora que atua até hoje para que se reconheçam os crimes contra a humanidade cometidos há quase um século contra o povo armênio.

Dalmo Dallari classificou o genocídio armênio como um delito do direito internacional, e fazemos coro a ele quando dizemos que toda nação e todo cidadão tem o direito e o dever moral de intervir em casos de desrespeito aos direitos humanos. A questão armênia não é apenas do seu povo, concerne a todos os seres humanos. Até que os crimes internacionais sejam reconhecidos como tal e o Estado que os cometeu seja responsabilizado, continuaremos a ver a história se repetindo.

Hipocritamente, ao mesmo tempo que manifesta pêsames, o governo turco, em sua fronteira com a Síria, atua para que a população de armênios de uma aldeia, Kessab, seja evacuada, como em 1915. O genocídio, em outra medida, continua.

Erdogan, os armênios não querem sua falsa conciliação. Queremos o reconhecimento de que os nossos antepassados foram vítimas do genocídio. Queremos que suas mortes sejam tratadas pela história em seu significado completo. Queremos que o Estado turco admita que cometeu um genocídio contra os armênios. E queremos que o Brasil reconheça o genocídio, assim como já fizeram vários diversos países.

KENARIK BOUJIKIAN, 53, magistrada em 2º grau no Tribunal de Justiça de São Paulo, é presidente da Associação Juízes para a Democracia
MARIANA BOUJIKIAN FELIPPE, 21, é estudante de ciências sociais na USP. Ambas têm nacionalidade brasileira e armênia

Link Original da matéria: Folha.com

Matérias Relacionadas
Artsakh

Armênia retirará suas tropas de Artsakh em Setembro

Fontes : Asbarez, Armenpress O chefe de segurança nacional da…
Leia mais
Artsakh

Comunidades armênias em Berdzor serão cedidas ao Azerbaijão

Fontes : Armenian Weekly Por Lillian Avedian A cidade de Berdzor…
Leia mais
Eventos

Novo documentário de Gary Gananian sobre Artsakh será exibido em São Paulo

Gary Gananian, um dos diretores de Rapsódia Armênia, acaba de lançar um novo documentário…
Leia mais

Deixe um comentário