Icônica catedral de Shushi é bombardeada pelo Azerbaijão duas vezes no mesmo dia

0
2
Fontes :

A Catedral do Santo Salvador Ghazanchetsots da cidade de Shushi em Artsakh sofreu ataques do Azerbaijão duas vezes nesta quinta, 8 de outubro.

O primeiro ataque aconteceu por volta de 14h (horário de Yerevan), e o segundo poucas horas depois, por volta das 17h.

Construída entre 1868 e 1887, Ghazanchetsots é a sede da Diocese de Artsakh da Igreja Apostólica Armênia. A catedral é o símbolo da cidade de Shushi.

Após o primeiro ataque, quando a liderança militar do Azerbaijão entendeu que seu crime receberia uma reação internacional negativa, o país se apressou em negar qualquer ligação com o bombardeio. Porém, horas depois, os ataques voltaram a ocorrer, ferindo jornalistas internacionais que estavam presentes para cobrir o ocorrido.

O presidente da Artsakh, Arayik Harutyunyan, chamou o bombardeio da igreja de “vandalismo contra Deus”. “A Igreja Sagrada Ghazanchetsots de Shushi também se tornou um alvo para os terroristas. Esta manifestação de vandalismo é contra as leis da humanidade e de Deus. Vamos reconstruí-la”, disse.

“Eles estão bombardeando nossos valores espirituais, quando nós, estamos restaurando e preservando mesquitas”, disse o arcebispo primaz Pargev Martirosyan.

“Este é mais um crime da liderança político-militar do Azerbaijão, manifestando sua natureza desumana. Esta ação se encaixa totalmente em sua política de Armenofobia desenvolvida por décadas ”, disse um comunicado do Ministério das Relações Exteriores da Armênia.

“O Azerbaijão, que destruiu completamente o patrimônio cultural armênio em Nakhichevan e em outras partes da pátria histórica do povo armênio, agora, durante a agressão militar em curso contra Artsakh, está tentando privar os armênios de Artsakh de sua pátria e memória histórica”, acrescentou o Ministério. “Com essas ações, o Azerbaijão imita o comportamento de seus aliados recém-descobertos – as notórias organizações terroristas internacionais responsáveis ​​pela destruição de inúmeros monumentos histórico-culturais no Oriente Médio.”

Muitos repórteres ficaram feridos no ataque. O repórter russo Yuri Katyonk foi levado ao hospital, segundo Hovhannes Movsisyan, que chefia a Unidade de Relações Públicas e Informação do Gabinete do Primeiro-Ministro de Artsakh. Katyonk, em estado grave, agora está sendo operado.

 

Comment(2)

Deixe um comentário