Home Da Redação Líder da neofascista “Lobos Cinzentos” é condenado por comentários anti-armênios após ação judicial de Paylan

Líder da neofascista “Lobos Cinzentos” é condenado por comentários anti-armênios após ação judicial de Paylan

0

n_99649_1

Via Public Radio of Armenia

Tradução: Maria Carolina Chaves Indjaian


Líder da organização neofascista Lobos Cinzentos é condenado por comentários anti-armênios após ação judicial de Garo Paylan

Um político nacionalista turco foi preso por polêmicas declarações sugerindo “a caça para os armênios” após um show no ano passado de um famoso pianista armênio, na antiga cidade de Ani, na província oriental de Kars, relata o Hurriyet Daily News.

Deputado Garo Paylan, do Partido Democrático dos Povos (HDP) entrou com um processo contra Tolga Adıgüzel, o chefe provincial em Kars dos “Idealist Hearths ” (Ülkü Ocakları), que tem laços orgânicos com o Partido do Movimento Nacionalista (MHP), depois que Adıgüzel sugeriu “sair para caçar armênios nas ruas de Kars” como um contra-movimento após o concerto.

O terceiro tribunal penal de primeira instância de Kars inicialmente sentenciou Adıgüzel a seis meses de prisão, juntamente com uma pena pecuniária de 11.240 liras turcas (cerca de US $ 3.800), em 25 de maio, sob a acusação de “abertamente insultar alguns segmentos do público, com base na diferença de classe social, raça, religião , seita, sexualidade ou região”. O tribunal então aumentou a pena para sete meses e quinze dias, como o crime foi cometido através de meios de comunicação, que prevê uma pena mais pesada.

Paylan descreveu que a decisão da corte é “esperançosa” tanto par armênios como para todas as partes da sociedade na Turquia que acreditam na paz social e na justiça, prometendo lutar contra “todos os tipos de comentários racistas e discursos de ódio”

O pianista armênio de renome mundial, Tigran Hamasyan e o Coro de Câmara de Estado Yerevan fizeram um concerto em Ani, na fronteira turca dom a Armênia, em 21 de junho de 2015.

Depois do concerto, Adigüzel emitiu um comunidade de imprensa condenando “fortemente” a performance, questionando seus “objetivos” e acusando seus patrocinadores de “traição”

“Devemos sair para a caça de armênios nas ruas de Kars? Podemos dar um concerto em um lugar que eles consideram santo, ou marchar nossa banda janissary? “, ele tinha dito.

Maria Carolina Chaves Indjaian Colaboradora. Carioca da gema que viveu em Curitiba desde criança e agora mora em Toronto. É advogada, formada em Direito pela Universidade Positivo e aficcionada por Direitos Humanos. O coração e o sangue sempre falam mais alto no que diz respeito à Armênia.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *