Home Da Redação Grupo de danças Kilikia do Hamazkayn(SP) comemorou 1º aniversário

Grupo de danças Kilikia do Hamazkayn(SP) comemorou 1º aniversário

0

No último domingo (18), o Salão Tchilian do Clube Armênio recebeu mais de duzentas pessoas que prestigiaram uma das mais importantes iniciativas culturais da comunidade armênia do Brasil: O aniversário de um ano de fundação do grupo de danças típicas armênias Kilikia, do Hamazkayn de São Paulo.

(Assista abaixo uma retrospectiva desse primeiro ano)

O primeiro ano do Kilikia foi marcado por atividades intensas com muitas conquistas e unindo os jovens em torno da cultura armênia. A churrascada (Khorovadz) comemorativa teve a participação de todo o grupo, unindo jovens, pais, diretores, colaboradores e simpatizantes em um ambiente festivo e de muita união. A Diretora do Grupo, Takui Sarkissian Tavares, apresentou o histórico do Hamazkayin do seu começo até os nossos dias e destacou o trabalho intenso de todos (leia abaixo). 

A década de 1920 coincide com convulsões políticas e culturais significativas na história do povo armênio. O Genocídio Armênio de 1915, executado pelas autoridades turco-otomanas , bem como o fim da Primeira República da Arménia de 1918 e as perseguições soviéticas que se seguiram causaram imenso caos. O estilo de vida , normas e costumes , bem como o pensamento dos armênios dispersos foi alterada de acordo com as novas circunstâncias. O povo armênio tinha sido deslocado . Foi necessário organizar e unir os armênios. Houve também a necessidade de criar uma nova intelectualidade armênia, que iria desenvolver e inspirar a nação dispersa. Além disso , jovens tinham de ser educado e livros acessíveis para os refugiados armênios tiveram de ser publicados. Isso tudo foi vital para manter a língua armênia viva dentro das escolas e das famílias. A escola , a língua , a literatura , e uma juventude educada e visionária foram os fatores essenciais na luta para preservar a identidade armênia. Um grupo de intelectuais armênios e ativistas que viviam no Egito – entre os quais estavam Levon Shant, Nigol Aghpalian, Vahan Navasartian, Dr. Hamo Ohanjanian, Kasbar Ipegian, Sdepan Yesaian e Minas Khachadourian iniciaram uma das mais importantes obras educativas culturais de uma nação de refugiados. Surgiu o Hamazkayin. Juntaram-se aos que eu já citei Hagop e Setrak Balekjian, Kourken Mkhitarian e Garabed Malkhassian todos com uma sólida formação intelectual. Os objetivos do Hamazkayn terminaram de ser redigidos na noite de 28 de maio de 1928. Em 3 de março de 1930 surgiu um dos primeiros grandes sonhos dos fundadores: Foi aberto o Liceu Armênio (Djemaran) Neshan Palanjian hoje Colégio Arslanian em Beirute. Em 1941, a escola teatral Kaspar Ipegian abriu suas atividades em Beirute. O Instituto de Estudos Armênios, que funcionou entre 1970 e 2005 lutou com todas as suas forças para formar especialistas pós graduados em cultura armênia. Desde sua fundação, foram 150 estudantes que hoje ocupam e trabalham em escolas e instituições armênias ao redor do mundo. Em 1980 surgiu o Liceu Hamazkayn de Marselha. Em 1986, a Escola Arshag e Sophie Galstian em Sydney na Australia. Desde 1995, o Comitê Central do Hamazkayin organiza o fórum estudantil de verão no Líbano , e desde 2002 , na Armênia. Hoje o Hamazkayin conta com filiais no mundo todo. No Brasil desde 2012, o Hamazkayn mantém o Grupo de Danças Kilikia, mais um patrimônio cultural da coletividade. Este é o Hamazkayn, orgulho da armenidade.

O Portal Estação Armênia parabeniza a todo o Hamazkaiyn de São Paulo por mais essa conquista. Para imagens da festa, clique aqui! Curta a página do Grupo no Facebook e fique por dentro de todos os comunicados e apresentações, clique aqui!

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *