Home Onnig Comenta Onnig Comenta: A Síria não é prioridade? Davos ou Mountreux?
1

Onnig Comenta: A Síria não é prioridade? Davos ou Mountreux?

1

Sinceramente tomei um susto com o cancelamento da participação do Ministro das Relações Exteriores, Chanceler Luiz Alberto Figueiredo, no encontro que vai discutir a situação na Síria, em Mountreux na Suíça, e que já é conhecido por Genebra II. Ele vai ser substituído de última hora pelo secretário-geral do Itamaraty, Embaixador Eduardo dos Santos, que certamente vai representar muito bem a diplomacia do nosso país. Mas confesso que a troca me gerou uma preocupação.

  Acontece que é um encontro de alta cúpula, onde os países vão ser representados pelos seus titulares de política exterior. Temo que essa troca respingue diretamente na capacidade do Brasil de intervir neste conflito que assola diversas cidades da Síria, especialmente nossa tão querida Aleppo, onde milhares de compatriotas armênios sofrem noite e dia com a guerra.]

Siria

    Chama a atenção o fato de que o Chanceler Figueiredo vai estar em Davos, junto com a Presidente Dilma Rousseff , no Fórum Econômico Mundial, que vai ocorrer simultaneamente a Genebra II. Não custaria nada ele estar em Mountreux pelo menos na abertura e usar a palavra como todos os outros titulares dos governos convidados. Davos e Mountreux ficam na Suíça e não são tão distantes assim.

 Particularmente creio que o Ministério das Relações Exteriores do Brasil deveria levar em conta a complexa engenharia para se realizar tal encontro e valorizá-lo um pouco mais.

   Desde junho de 2012(reunião chamada de Genebra I), emergiu nos meios diplomáticos o nome de Lakhdar Brahimi, argelino, nomeado como representante especial conjunto da ONU e da Liga dos Países Árabes para a crise Síria. Desde setembro de 2012 ele vem costurando a realização da cimeira conhecida como Genebra II,  que pretende estabelecer uma agenda positiva para o conflito baseada no princípio de cessar-fogo.

  Além do papel protagonista do Brasil no cenário internacional nos últimos 20 anos, Brahimi nutre uma admiração especial pelo nosso país desde sua participação na ECO- 92 no Rio de Janeiro. Certamente foram fatores que pesaram para o convite ao Brasil. Daí em diante era só convencer os protagonistas que a participação brasileira seria relevante.

  Convencer Sergei Lavrov, Ministro dos Assuntos Estrangeiros da Rússia, não deve ter sido difícil. Afinal a participação do Brasil seria um ponto a favor do multilarelismo, abrindo as portas e justificando a participação de outros países e aliados da Rússia, na busca de uma solução para esse conflito. É importante destacar que Lavrov gostaria que a conferência ocorresse em Novembro de 2013, desnudando a preocupação com a tensão que de forma direta coloca em xeque interesses russos, como o Porto de Tartus no litoral Sírio, importante base russa no Mediterrâneo.

   Tampouco deve ter sido complicado convencer o Secretário de Estado dos EUA, John Kerry. Desde fevereiro de 2013, quando assumiu o posto, ele tem como uma de suas preocupações, consertar as patacoadas da N.S.A. (National Security Agency) no tema da cyberespionagem. O representante estadunidense está muito interessado em contornar o clima de tensão com a Presidente Dilma Roussef e nada melhor do que conferir o devido prestígio à diplomacia e ao governo brasileiro.

   Para se ter uma ideia do quanto é hercúlea a realização de uma mesa de discussão como Genebra II, no exato momento que estou escrevendo este artigo, ainda existem dúvidas sobre a participação da oposição síria e inúmeros incidentes diplomáticos envolvendo participantes do encontro estão acontecendo poucas horas antes do começo da reunião.

  Creio que não é hora de se jogar fora uma oportunidade como esta, onde a diplomacia brasileira foi colocada no lugar de importância que sempre mereceu. De Genebra II deve sair um indicativo para onde caminha a crise síria. Infelizmente não sou otimista quanto futuro de nossa gente em Aleppo e muito menos com os desdobramentos do conflito.

   A oposição síria sabe que não pode vencer o governo Assad. Ela chega a Mountreux totalmente rachada e esvaziada. Ao apelar para mercenários(muitos financiados pela Turquia) abriu flancos para entrada de grupos fundamentalistas no conflito e hoje amarga um descrédito que é diretamente proporcional a sua desonestidade e crueldade.

   Gostaria de traçar um paralelo para o meu leitor. Em março de 1992, durante o conflito em Nagorno Karabagh, as atrocidades azerbaijanas e as inúmeras denúncias de que havia já uma crise humanitária entre os armênios daquela região, chamaram a atenção das autoridades europeias. A Organização de Segurança e Cooperação Europeia (OSCE), reunida então em Helsinque, começou esforços diplomáticos que culminaram na formação do Grupo de Minsk (Rússia, França e EUA) para buscar uma solução para a guerra no Cáucaso. Posteriormente este grupo foi aceito por todos os lados em disputa como o fórum legítimo de discussão do assunto.

 Sendo muito otimista, caso a reunião de Mountreux consiga algum avanço, acredito infelizmente que o Brasil estaria fora da mesa de decisões. Não é de se estranhar. A contribuição humanitária para as crianças sírias via ACNUR/UNICEF divulgada pelo governo brasileiro de somente US$ 300 mil e a substituição do titular das relações exteriores em uma reunião tão importante mostram um pouco do desinteresse do Brasil no assunto.

  Como brasileiro de origem armênia gostaria muito que meu país estivesse mais presente neste assunto que ainda carece de medidas efetivas para sua solução. Inocentes de todas as etnias e credos estão morrendo na Síria.

  Não quero pensar que a nossa diplomacia não priorizou este assunto para não se envolver em uma “área de influência” da Turquia, país que vem incrementando suas relações políticas e comerciais com o Brasil, considerado por muitos um parceiro nas relações internacionais. Particularmente não dou cheques em branco para ninguém, muito menos para Davutoglu e Erdogan, fichas sujas em qualquer canto do mundo.

   * O encontro vai ficar conhecido com Genebra II para dar a dimensão da continuidade da busca pela paz. Por uma questão de logística vão ser realizados em Mountreux.

_
****James Onnig Tamdjian é colunista do Estação Armênia e suas opiniões não refletem necessariamente às do portal.

James Onnig Tamdjian Professor de Geografia e Geopolítica. Fleumático, colérico, sanguíneo e melancólico.

Comment(1)

  1. Parabéns pela matéria ,vale comentário que em acordo com a Wikipedia – versão inglesa- o Ministro Lavrov é filho de Pai Armênio nascido em Tblisi.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *