Baú Armênio

Baú Armênio: A poesia de Baruyr Sevag

Parev pareganner,

Paruyr Sevak

Paruyr Sevak

Hoje o Baú Armênio abre espaço para um dos muitos poetas que versaram sobre a história e a realidade da Armênia e seu povo. Baruyr Sevag (1924-1971). Ele é tido por muitos como o grande poeta da Armênia do século XX e elegeu como tema principal de sua obra a crítica contundente à corrupção e os problemas burocrático-administrativos que pairavam sobre a República Socialista Soviética da Armênia.

Graças a tradução do amigo Kevork Zadikian, o portal Estação Armênia disponibiliza para vocês o poema “Mard ka”

Há pessoas, e há pessoas

Há pessoas que carregam o mundo nos ombros, e há pessoas que montam nos ombros do mundo.

Você que errou, mas nunca mentiu. Teve perdas freqüentes, mas soube recomeçar. Você que derrapou, e teve quedas. Caiu, sim, mas não foi derrotado, e, tampouco, ajoelhou-se. Soube recomeçar com coragem, abriu as asas para alcançar as alturas. Alcançou as alturas para conhecer o mundo; para viver. Viver pronto para lamentar as perdas, e sorrir com as conquistas. Pronto para selar a face da injustiça. Passaram-se anos, e você, firme, continua caminhando com passos seguros e largos, com a mesma determinação de sempre de ser correto e justo.
Dá-se a impressão que carregas o mundo nos ombros.

Há pessoas que carregam o mundo nos ombros, e há pessoas que montam nos ombros do mundo.

Aqueles que montam nos ombros do mundo, estes, nunca dormem no molhado. Sabem muito bem com quem andam, e para onde vão. Sabem bem chorar, sem lágrimas, no velório do desconhecido. Sabem rir da piada sem graça daqueles nos quais têm interesse. Sabem entregar o jogo de gamão para a pessoa certa. Sabem olhar, por cima, aos mais humildes. Sabem fazer gracinhas com as secretárias e falsos elogios às mulheres. Onde há ganhos materiais ou interesse, ali está ele, desconfiado e amedrontado. Facilmente condena quando necessário. E, com a mesma facilidade, lamenta sua própria falha. 

Acima de tudo, acima de todos, ele ama a seu mundo. Mais que tudo, mais que todos, ele ama seus interesses. Acima de tudo, mais que todos, ele ama o poder. Acima de tudo, mais que todos, ele gosta da própria barriga. Acima de tudo, mais que todos, ele ama o seu século na história mundial. É mentira: ama o poder e a corrupção do seu século.


Mas ele ama o pai, cheio de princípios, a mãe, os filhos e os netos. Ele ama valores familiares. Ele ama sua história, e seus costumes. 

É mentira. Para alcançar o poder, o trono e, finalmente, a cadeira, ele renega a tudo e a todos. 

Acima de tudo, mais que todos, ele ama seu trono. Ele ama o trono e seu reinado. Não importa o valor a ser pago pela cadeira. Ele ama a cadeira. Não importa o preço para subir, voar. Voar, mesmo sem ter asas. E vai adiante, ano após ano, mesmo que se rastejando, sem abrir mão da cadeira. E, continua assim, montado nos ombros do mundo.

Há pessoas que carregam o mundo nos ombros, e há pessoas que montam nos ombros do mundo.

Matérias Relacionadas
Eventos

Novo documentário de Gary Gananian sobre Artsakh será exibido em São Paulo

Gary Gananian, um dos diretores de Rapsódia Armênia, acaba de lançar um novo documentário…
Leia mais
Genocídio Armênio

Mississippi reconhece o Genocídio Armênio

Fontes : ArmRadio O Mississippi tornou-se o 50º estado dos EUA a…
Leia mais
Cultura

'Cantos de um Livro Sagrado' vence festival É Tudo Verdade

O documentário Cantos de um Livro Sagrado, de Cassiana Der Haroutiounian e Cesar Gananian, venceu a…
Leia mais

3 Comentários

Deixe um comentário