Home Da Redação Governo alemão reconhece o Genocídio Armênio

Governo alemão reconhece o Genocídio Armênio

0

Reuters, Asbarez

German Chancellor Merkel receives applause by Bavarian state Premier Seehofer during a Christian Democratic Union election campaign meeting in MiesbachO governo alemão recuou poucos minutos atrás passou a usar o termo genocídio, que historicamente recusava-se a usar, para descrever o massacre de até 1,5 milhão de armênios pelas forças turco otomanas. Trata-se de um enorme revés para a Turquia justamente em um país líder da União Europeia onde moram milhões de turcos.

O porta-voz da chanceler Angela Merkel, Steffen Seibert, disse que o governo irá apoiar uma resolução no Parlamento na sexta-feira, dia 24 de Abril, declarando-o um exemplo de genocídio.

A Alemanha tinha resistido por muito tempo a usar o termo “genocídio”, apesar de a França e outros países usarem. Mas o governo de coalizão ficou sob a pressão de parlamentares em suas próprias fileiras que planejam usar a palavra em uma resolução. “O governo apóia o projeto de resolução … em que o destino dos armênios durante a Primeira Guerra Mundial sirva como um exemplo da história de assassinatos em massa, limpezas étnicas, expulsões e, sim, genocídios, durante o século XX”, disse Seibert.

O Ministro das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier tinha rejeitado usar a palavra genocídio em entrevista à ARD TV no domingo, negando qualquer sugestão de que estava evitando transtornos Turquia.”A responsabilidade não pode ser reduzida a um único termo”, disse ele.

Os membros do parlamento, entre eles democratas cristãos conservadores e deputados Sociais Democratas (SPD), forçaram a mudança. Analistas disseram que a relutância até agora da Alemanha, um país que trabalha duro para chegar a um acordo com o Holocausto, foi devido a temores de perturbar a Turquia e os 3,5 milhões de alemães de origem turca ou cidadãos turcos que vivem na Alemanha.

O governo alemão também não queria usar a palavra devido a preocupações de que os massacres Herero, cometidos em 1904 e 1905 pelas tropas alemãs no que é agora a Namíbia, também possam ser chamados de genocídio – levando a demandas de reparação.

“É uma contradição impressionante do governo alemão a Alemanha negar o genocídio dos armênios”, disse Ayata Bilgin, um cientista político da Universidade Livre de Berlim. “A pesquisa mostrou que a pressão externa sobre os países pode ter uma influência considerável e a Alemanha poderia desempenhar um papel muito importante nesta discussão sobre a Turquia.”

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *