Home Da Redação Abertura da 5ª Conferência do Ministério da Diáspora fortalece laços da armenidade no mundo todo

Abertura da 5ª Conferência do Ministério da Diáspora fortalece laços da armenidade no mundo todo

0
0

Asbarez

A 5 ª Conferência Armênia-Diáspora começou na sexta-feira, dia 19, no Teatro da Ópera de Yerevan.

 

Diretor do escritório central de Causa Armênia do Tashnagtsutiun – Giro Manoyan
Diretor do escritório central de Causa Armênia do Tashnagtsutiun – Giro Manoyan

O primeiro-ministro Hovik Abrahamian e Presidente de Artsakh Bako Sahakian deram as boas vindas na abertura. Em seguida Sua Santidade Karekin II, Catholicos de todos os Armênios, Sua Santidade Aram I, Catholicos da Grande Casa de Cilícia e Sua Santidade Nerses Petros XIX, Patriarca dos armênios católicos deram suas mensagens para os participantes.

O Presidente de Artsakh Bako Sahakian observou que a conferência se tornou uma tradição e desempenha um papel importante nas relações Armênia-diáspora. Sahakian disse que Artsakh está pronto para tirar lições da conferência deste ano. Ele destacou que a cooperação entre Artsakh, Armênia e da diáspora é fundamental para a vitalidade  e a preservação da cultura armênia.

Aram I, Catholicos da Grande Casa de Cilícia, observou que a conferência, dedicada ao 100 º aniversário do Genocídio Armênio, deve se esforçar para fazer ouvir as reivindicações armênias por toda a comunidade internacional.

Ele ressaltou que a questão do Genocídio Armênio deve ser abordada no nível legal do direito internacional: “Nosso objetivo não deve ser apenas o reconhecimento e a condenação do Genocídio, mas também indenizações para as suas consequências. Nosso vocabulário deverá ter os termos “reconhecer”, “condenar” e “compensar”, disse Aram I. Ele enfatizou que a Turquia deve perceber que não pode violar o direito de uma nação inteira com a impunidade.

Ministra da Diáspora – Hranouch Agopyan
Ministra da Diáspora – Hranouch Agopyan

Ele também expressou sua preocupação com a destruição gradual das comunidades armênias na Síria, no Iraque e na Ucrânia e salientou a necessidade de prestar toda a ajuda possível às comunidades armênias nesses países.

Aram I também anunciou que vai pedir ao Tribunal Constitucional da Turquia a exigir a devolução da sede do antigo Catholicossato de Sis à Igreja armênia. “Em 2015, no centenário do Genocídio, seus filhos e os jovens da diáspora devem unir suas vozes para pedir justiça”, disse o Catholicos.

Por sua parte, Catholicos de todos os Arménios, Karekin II ressaltou a importância do fortalecimento das relações Armênia-diáspora-Artsakh ainda mais para alcançar metas importantes para os armênios em todo o mundo.

O primeiro-ministro Hovik Abrahamyan em seu discurso, elogiou a conferência e a união de armênios de todo o mundo para estabelecer planos de trabalho e de cooperação. Abrahamian citou Garegin Nzhdeh, dizendo: “Nossa nação sem patriotismo é o mesmo que um corpo sem alma.”

“A Armênia é poderosa e invencível graças às suas duas asas. Sentimos que somos fortes aqui na Armênia, como nós temos o potencial da diáspora atrás de nós. Estou confiante de que vocês sentem o mesmo em relação à República da Armênia, sua pátria independente e livre. Não temos e não podemos ter interesses diferentes. Nossos interesses estão inter-relacionados e nossas ações devem ser coordenadas e complementares “, disse Abrahamian.

Kevork Zadikian do CNA-Brasil é recebido pela Ministra da Diáspora Hranouch
Kevork Zadikian do CNA-Brasil é recebido pela Ministra da Diáspora Hranouch

Falando sobre os problemas regionais, o primeiro-ministro disse: “O conflito de Nagorno Karabakh permanece sem solução. O Azerbaijão está conduzindo uma política beligerante, desencadeando uma corrida armamentista alimentada por dólares do petróleo. A Turquia, por sua vez, demonstra uma postura extremamente tendenciosa e continua a manter a Armênia em bloqueio. Por outro lado, as relações da Geórgia com a Rússia não contribuem para a estabilidade regional e não nos permitem fazer uso total das oportunidades regionais. Todos esses fatores nos obrigam a ser ao mesmo tempo flexíveis e cautelosos em nossa política externa. As autoridades armênias estão tomando medidas para garantir a segurança e o desenvolvimento estável da República “.

“O próximo ano marcará o 100 º aniversário do Genocídio Armênio, Inestimável é o papel da diáspora no processo de reconhecimento e condenação do Genocídio. Dolorosamente hoje a Turquia, como o sucessor do Império Otomano, não só se recusa a se reconciliar com seu passado sombrio, mas também continua a negar a realidade do Genocídio, que é em si um ato de continuar o genocídio. Ao mesmo tempo, a comunidade internacional está começando a entender que o reconhecimento do Genocídio Armênio, em primeiro lugar, pela Turquia, é inevitável, e que tal ato contribuirá para a estabilidade regional e criar um clima de confiança mútua. Estou confiante de que com esforços conjuntos, podemos restabelecer a justiça histórica “, disse Abrahamian.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *