Home Da Redação Milhares são atacados pela polícia durante protesto contra Sarkissian

Milhares são atacados pela polícia durante protesto contra Sarkissian

0
0

PanArmenian,Asbarez,Tert – 

Dezenas de milhares de pessoas se reuniram na Praça da Liberdade de Yerevan (Armênia) nessa terça-feira (09) para a posse alternativa de Raffi Hovhannissian, líder da oposição. A enorme multidão enfrentou a chuva para ver Hovhanissian fazer um juramento reivindicando seus direitos.

72620_475551239184999_367082738_n

Ao proclamar o resultado das eleições como inconstitucionais, Hovhannissian disse mais uma vez que era a vitória do povo armênio, rejeitando o regime vigente e comprometendo a trabalhar ao lado dos armênios para criar uma nova Hayastan. “Nós, os novos cidadãos orgulhosos da Armênia, sob a sombra do Santo Ararat, vamos criar a verdadeira Armênia, aonde há direitos, onde há trabalho, onde há futuro e há um presidente eleito pelo povo, e esse dia é hoje!”.

Enquanto isso, do outro lado da cidade, no Complexo Esportivo Karen Demirchian, Serzh Sarkisian fez seu juramento de posse comprometendo a manter-se a disposição da Constituição da República da Armênia.

Hovhanissian chamou de falso o evento da posse de mandato de reeleição do presidente Serzh Sarkisian. “Eu rejeito qualquer autoridade ilegítima”, disse o líder opostitor ao pronunciar o juramento, que foi entusiasticamente repetido pela multidão. Raffi Hovhannissian disse ainda que não reconhecia a autoridade do presidente reeleito e também do Vehapar Karekin II (Catholicos de todos os armênios) e incitou o povo a continuar sua luta “que começou em 18 de fevereiro e que não termina em 9 de abril”.

Hovhannissian convidou Sarkisian e Karekin II à praça, às 6 da tarde em Yerevan, a tempo de unirem-se às pessoas. Ele também anunciou que iria revelar o seu programa e sua equipe durante um comício na próxima sexta-feira, 12 de abril.

Repressão

Durante o protesto os manifestantes foram brutalmente atacados pela polícia quando marchavam pela Baghramian Boulevard, aonde fica o palácio presidencial, rumo ao Dzidzernagapert (Monumento do Genocídio Armênio). 

Raffi no chãoHovanissian e os manifestantes foram atacados pela polícia enquanto marchavam pacificamente. Hovhannissian, que estava cercado de seus familiares, foi empurrado e caiu no chão. E a violência não parou por ai. Em outra parte da marcha o líder do Partido Patrimônio Armen Martirosian foi espancado pela polícia antes de ser detido.

“Esta é a nossa rua, o nosso direito, nossa constituição. Eu vou continuar em frente”, bradava Hovhannissian durante a confusão.

Os policiais da tropa de choque entraram em confronto com os manifestantes, empurrando e arrastando-os nas ruas. Testemunhas relataram diversos espancamentos.

Vladimir Gasparian, chefe do serviço da polícia nacional da Armênia, chegou nos momentos findais da confusão para negociar com Hovhannissian. Os dois se afastaram para uma conversa em particular. Ao líder da oposição foi oferecido tomar outra rota rumo ao Dzidzernagapert.

Após a confusão, a polícia aguardou 15 minutos para que os manifestantes saíssem do local. Após a recusa da ordem de saída por um grupo de manifestantes e muita negociação, todos foram autorizados a continuar a marcha pela Baghramian. A população seguiu pacificamente clamando “Armênia livre e independente”, enquanto Gasparian pedia para que parassem com o barulho. Ao passar pelo palácio os manifestantes cantaram o hino nacional e parte deles voltaram para a praça da liberdade.

Há um forte temor por parte dos armênios de que se repitam os tristes acontecimentos de 2008, quando Sarkisian foi eleito para seu primeiro mandato como presidente da Armênia. Na época, a oposição levantou suspeitas sobre o resultado das eleições e foram realizados diversos protestos e manifestações que  tomaram conta da capital Yerevan. Cerca de 10 pessoas morreram e muitos outros foram presos.

Veja um vídeo da confusão onde o vice presidente do partido da oposição Armen Martirosian teve seu nariz quebrado

Na próxima sexta (12) às 18h (horário local) acontecerá outro protesto.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *