Da RedaçãoTudo

Deputado armênio Garo Paylan é atacado por policiais na Turquia e evita prisão de filho de Hrant Dink

Asbarez, MassisPost, News.Am

Garo Paylan, membro armênio do Parlamento turco que representa o Partido Democrático do Povo (HDP), no último sábado, dia 25 de agosto, se viu nas linhas de frente de um confronto entre manifestantes pacíficos e a polícia e ele próprio foi atacado e arrastado pela polícia quando tentou impedir a prisão do filho de Arat Dink.

O evento aconteceu perto do Galatasaray Lise, na Avenida Istiklal, no bairro de Beyoglu, em Istambul, próximo a Praça Taksim. O local tem sido o palco de reuniões semanais de um grupo chamado “The Saturday Mothers” (Mães de Sábado). A reunião de 30 minutos todos os sábados, ao meio-dia, acontece em memória dos membros da família que desapareceram há 20, 30 anos ou mais, como resultado de ação policial.

Esta semana foi a 700ª reunião do grupo. Pouco antes do sábado, as autoridades indicaram que a reunião não seria mais permitida. Em resposta, um número ainda maior de manifestantes compareceu, entre eles o deputado Garo Paylan, Arat Dink, arquiteto e filho do jornalista e ativista assassinado Hrant Dink, e Rober Koptas, editor-chefe da Aras Publishing House, e anteriormente editor do jornal Agos.

Dink e Paylan se juntaram ao local pacífico quando a tropa de choque chegou para acabar com o encontro, que havia sido proibido de citar os supostos laços do grupo com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que é proibido na Turquia.

Paylan, Dink e outros pediram à polícia que não usassem da violência, mas foram empurrados para trás enquanto formavam um escudo humano para proteger os manifestantes. A polícia usou gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar os manifestantes e, de acordo com relatos da mídia turca, cerca de 40 pessoas foram presas.

A briga chegou ao auge quando a polícia tentou prender Arat Dink, o filho do editor assassinado do Agos, Hrant Dink. Paylan interveio com sucesso e bloqueou o esforço da polícia para prender Dink. Ele também foi fisicamente arrastado e empurrado.

A polícia também tentou prender Paylan, mas ele disse que era membro do parlamento e sua imunidade impediu a polícia de prender o líder da oposição. Em resposta, o chefe da polícia disse a Paylan que seus policiais “farão o que quiserem”.

Rober Koptas, após sua libertação, observou que “não é uma coincidência que houvesse armênios entre os manifestantes. As ‘mães de sábado’ são a mais antiga e mais longa tradição de desobediência civil na Turquia. Este tem sido um lugar para demonstrar para as pessoas mortas pelo estado, mas onde os criminosos nunca foram levados a julgamento. Obviamente, isso nos lembra de tudo o que aconteceu ao nosso povo ”.

Não está claro se a proibição se estenderá pelas próximas semanas, e como o público reagirá a tal proibição por algo tão profundamente enraizado e simbólico.

Matérias Relacionadas
ArtsakhDa RedaçãoTudo

Como as aventuras militares da Turquia reduzem a liberdade no próprio país

Por Garo Paylan, membro do Parlamento turco. Publicado originalmente em nytimes.com Traduzido por…
Leia mais
Da RedaçãoTudo

Garo Paylan é indicado pela segunda vez ao Prêmio Nobel da Paz

News.Am O sindicato internacional das mulheres de Hamshen nomeou Garo Paylan, legislador turco de…
Leia mais
Da RedaçãoTudo

URGENTE: Erdogan destitui prefeitos de cidades históricas armênias. Paylan cancela agenda

Por EFE / UOL e ANF O Governo da Turquia, liderado por Recep Tayyip Erdoğan, suspendeu nesta…
Leia mais

Deixe um comentário