Da RedaçãoTudo

Conheça a história da família de Rakel Dink, viúva de Hrant Dink

100Lives – AuroraPrize

A vida de Rakel Dink, viúva do falecido jornalista turco e fundador do jornal Agos, Hrant Dink, foi moldada continuamente pelos últimos 100 anos da história dos armênios no Império Otomano e na atual Turquia.

rakel-dink-story

Rakel Dink nasceu em 1959 numa família armênia em Silopi (sudeste da Turquia), perto das fronteiras com o Iraque e Síria. Seu avô, Vartan, era nativo de Van. Fugindo do Genocídio Armênio, Vartan reassentou sua família nas encostas do Monte Joudi, na província de Şirnak, no sudeste da Anatólia. Para sobreviver, a família foi forçada a se esconder em uma gruta de montanha. “Dizem que tal caverna não existia, mas que Deus a abriu para nós. Essa é a história. Eles viveram lá por um longo tempo “, diz Rakel, contando uma lenda da família transmitida através de gerações.

“Em 1915, enquanto estava escondida, a irmã da minha avó tinha um filho. Ela não conseguia impedir a criança de chorar durante aquele tempo perigoso. A sogra tomou a mão da criança para parar o choro, para que a família não fosse descoberta, e … não posso dizer a palavra. A criança estava perdida”, Rakel lembra as decisões horríveis que a família foi forçada a fazer para sobreviver.

Seu pai, Siyament Yağbasan, e mãe, Delal, tiveram seis filhos. A segunda, Rakel, tinha apenas oito anos quando sua mãe faleceu. O pai de Rakel se casou novamente e teve mais sete filhos. A família falava apenas curdo e estava principalmente engajada na agricultura.

Quando Rakel tinha oito anos e meio, um grupo de clérigos visitou sua aldeia por ordem do Patriarca de Constantinopla, Dom Shnork Kaloustian. Na época, o clero cristão de Istambul viajou por toda a Anatólia à procura de armênios e outros cristãos que sobreviveram ao genocídio. Hrant Güzelyan e Orhan Younkesh, representantes da Igreja Evangélica Armênia, levaram vários grupos de crianças armênias de volta a Istambul para lhes dar educação. Rakel Dink e seus dois irmãos estavam no segundo grupo de crianças. “Chegamos a Bolis para aprender armênio, ler e escrever. Não havia escola perto da nossa aldeia. Ninguém sabia ler”, lembra Rakel. Os recém-chegados foram alojados no campo de Tuzla para crianças armênias (Camp Armen), nas imediações de Istambul.

Matérias Relacionadas
Artsakh

Armênia retirará suas tropas de Artsakh em Setembro

Fontes : Asbarez, Armenpress O chefe de segurança nacional da…
Leia mais
Artsakh

Comunidades armênias em Berdzor serão cedidas ao Azerbaijão

Fontes : Armenian Weekly Por Lillian Avedian A cidade de Berdzor…
Leia mais
Eventos

Novo documentário de Gary Gananian sobre Artsakh será exibido em São Paulo

Gary Gananian, um dos diretores de Rapsódia Armênia, acaba de lançar um novo documentário…
Leia mais

Deixe um comentário