Pashinyan fala em nova constituição na Armênia

0
0

Azatutyun

A Armênia deveria adotar uma nova constituição que possa abolir o Tribunal Constitucional do país, disse o Primeiro Ministro Nikol Pashinyan nesta segunda-feira, dia 15 de junho.

Pashinyan insistiu que quer estabelecer uma “conexão orgânica entre a ordem do estado e a vontade do povo”, em vez de se consolidar seu poder. A maioria dos armênios, disse ele, não sente tal conexão porque não teve participação na promulgação da constituição pós-soviética de seu país e nas numerosas emendas feitas pelos últimos governos.

O primeiro-ministro Nikol Pashinyan discursa em um comício da campanha do referendo em Vayk, 12 de março de 2020

“Não sou uma daquelas pessoas que pensam que as constituições do país devem sofrer mudanças com frequência”, disse ele a uma comissão do governo sobre reforma constitucional formada no início deste ano. “Mas também devo dizer que, especialmente neste momento, sou da opinião que precisamos não apenas aprovar mudanças constitucionais, mas adotar uma nova constituição de jure”.

Pashinyan enfatizou que a comissão não deveria tentar reverter a transição da Armênia para o sistema parlamentar de governo, que foi controversamente projetado pelo ex-presidente Serzh Sarkisian. Ele deve trabalhar em outras mudanças relacionadas principalmente ao sistema judicial, disse ele.

Em particular, o primeiro ministro sugeriu que o painel ad hoc “com muita seriedade” considere a elaboração de disposições constitucionais que fundam o Tribunal Constitucional com o Tribunal de Cassação, o mais alto órgão de justiça criminal e administrativa da Armênia. Ele disse que os dois tribunais ofereceram interpretações diferentes das leis armênias em várias ocasiões.

No ano passado, Pashinyan esteve em desacordo com sete dos nove membros do Tribunal Constitucional, acusando-os de estarem vinculados ao antigo regime e de impedir reformas judiciais. O presidente do Tribunal Constitucional, Hrayr Tovmasian, rejeitou essas acusações, dizendo que o primeiro-ministro está simplesmente tentando obter controle sobre o tribunal.

Em fevereiro, o governo de Pashinyan decidiu realizar um referendo sobre emendas constitucionais que substituiriam Tovmasian e os outros seis juízes. O referendo agendado para 5 de abril foi posteriormente adiado devido à pandemia de coronavírus.

Sem um final à vista para a pandemia, espera-se que o governo cancele a votação completamente. No mês passado, pediu à Comissão de Veneza do Conselho da Europa que o ajudasse a terminar o impasse com o tribunal superior.

A comissão do governo sobre reforma constitucional foi formada em janeiro, antes que a equipe política de Pashinyan decidisse realizar o controverso referendo. É composta por 15 membros, incluindo o ministro da Justiça da Armênia, o ombudsman de direitos humanos, um representante dos juízes do país, membros das três forças políticas representadas no parlamento e juristas escolhidos pelo Ministério da Justiça.

O presidente da comissão, Yeghishe Kirakosian, disse em fevereiro que o painel apresentará um pacote de emendas e iniciará “discussões públicas” até setembro de 2020.

Kirakosian indicou na segunda-feira que o processo levará mais tempo. Ele disse a Pashinyan que a comissão espera elaborar “reformas constitucionais” até junho de 2021.

Deixe um comentário