Leia o editorial do Armenian Weekly sobre os protestos recentes nos EUA

0
0

Armenian Weekly, jornal norte-americano ligado à Federação Revolucionária Armênia, publicou esta semana um editorial no qual reprova a violência policial contra a população negra e apoia as manifestações que acontecem nos Estados Unidos, desencadeadas pela morte de George Floyd.

Abaixo a íntegra do editorial traduzido:

“O silêncio é perigoso. Como armênio-americanos e atuais líderes desta histórica publicação sentimos uma necessidade urgente de abordar os eventos comoventes que vêm ocorrendo em todo o país, após outro exemplo mortal de racismo sistêmico, brutalidade policial e o trágico assassinato de George Floyd.

Com nossos olhos voltados para a motivação e a mensagem por trás das demonstrações pacíficas e inspiradoras, perguntamos a você: caro leitor, o que a morte de um negro desarmado significa para nós armênios? Por que é tão importante que nós, como instruídos armênios da diáspora nos EUA, participemos dessa discussão sobre o racismo? Isso afeta diretamente nossa vida cotidiana e, independentemente de acreditamos ou não que afete, por que documentar esse evento nas páginas do Armenian Weekly?

Para aqueles que discordam da nossa decisão editorial de derramar tinta em nome de um afro-americano cujos últimos momentos nesta terra complicada estarão para sempre arraigados com seus gritos de misericórdia e a imagem de seu rosto prensado entre uma calçada de Minneapolis e um desnecessário pesado joelho de um policial branco, lembre-se de nossas raízes como uma publicação que há muito defende os mais vulneráveis em nossa sociedade e se recusou a ignorar a injustiça social, sob qualquer forma horrível que tenha assumido na história dos EUA.

Na edição de 9 de maio de 1992 do Armenian Weekly, o colunista de longa data do My Turn, Harut Sassounian, escreveu “A Comunidade Armênia deveria ajudar as vítimas das manifestações de Los Angeles”. “Os armênios devem entender o valor de se envolver nos assuntos locais, mesmo que não relacionados a eles, como uma maneira de construir pontes de amizade”, escreveu Sassounian, incentivando a comunidade a agir com base na humanidade em meio a agitações generalizadas e mortais após a sentença do julgamento de Rodney King. Na mesma edição, havia um artigo de Aram Kouyoumdjian que avaliava as preocupações dos empresários armênios que se recompunham após as manifestações. Volte duas décadas para a primeira página da edição de 6 de abril de 1968 do diário Hairenik. Você encontrará a manchete e a notícia do assassinato do Dr. Martin Luther King Jr.

Capa da edição de 6 de abril de 1968 do Hairenik Daily anunciando o assassinato do Dr. Martin Luther King Jr. em Memphis, TN

Infelizmente, como armênios, também temos uma história de opressão, pois nossos ancestrais sofreram a devastação do genocídio e, até hoje, os descendentes lutam por justiça contra sua negação crônica. Também sabemos a contínua subjugação de nosso povo na Turquia. Por essas razões e pelo simples fato de sermos seres humanos, é importante examinar o que podemos fazer como armênios da diáspora que vivem nos EUA para prevenir esses resultados de desunião ou, no mínimo, garantir que tenham um espaço nesta publicação.

 

A própria natureza do nosso trabalho está encravada no ativismo, e o ativismo requer ação. Na semana passada, ambas as organizações regionais da AYF [União da Juventude Armênia] emitiram declarações de solidariedade e ilustrações que ressoavam com milhares de pessoas, mas também irritavam muitos na comunidade. Nosso julgamento das notícias avalia a reação da diáspora e, com base no feedback perturbador que observamos, sentimentos superficiais e pontos de vista míopes não fazem nada além de enfraquecer nossa causa ao encontrar um terreno comum com as vítimas de grupos minoritários oprimidos que clamam por justiça também.

Não precisamos esperar que a situação se agrave e se torne pessoal para entrarmos na conversa, porque só a partir daí seria um assunto armênio. Não. Podemos ficar com raiva antes que algo tangível que represente nossa história e nossa cultura seja violado (uma khachkar no Colorado). Toda a comunidade internacional está reagindo ao assassinato de George Floyd e às injustiças raciais que vieram antes e depois dele. Esperamos que você esteja tão desconfortável quanto agora, porque a dignidade da vida humana está em jogo aqui.

Este também é um momento de empatia, uma lição de vida para nossos filhos pequenos – os abrigados que crescem em escolas homogêneas aprendendo nossa história, falando e escrevendo nossa língua, almoçando com colegas que se parecem com eles. Eles eventualmente terão idade suficiente para entrar em comunidades mais diversas. Como seus mentores, somos responsáveis por mitigar o choque cultural, tendo conversas honestas sobre aceitação, mais cedo ou mais tarde. Uma de nós é mãe de um jovem profissional que trabalha com sucesso na área escolhida e outra é mãe de um menino curioso e amoroso. Uma de nós está começando a conversa sobre raça em sua casa, discutindo as diferenças raciais de maneira positiva com a literatura apropriada à idade, destacando exemplos convincentes de amizade e bondade. Uma de nós, apesar de se considerar ativista e aliada, continua aprendendo com a filha, que se educa ativamente sobre questões relacionadas à raça, para que possa servir como uma verdadeira aliada e antirracista ativa em sua comunidade.

Ouvir pessoas de cor em nossas comunidades e ouvir suas experiências com um desejo sincero de aprender e entender deve ser natural para nós, como descendentes de um povo oprimido por séculos. É hora de caminharmos ao lado de nossos vizinhos e oferecermos a eles o microfone para que suas vozes possam ser ouvidas. Afinal, estamos todos juntos nessa jornada conhecida como raça humana e, no final do dia, todos sangramos vermelho.

Deixe um comentário