Home Da Redação Para evitar deportação de família armênia, igreja faz culto de 5 semanas na Holanda

Para evitar deportação de família armênia, igreja faz culto de 5 semanas na Holanda

0
0

The Telegraph

Uma igreja holandesa tem realizado sermões contínuos dia e noite por cinco semanas enquanto se aproveita de uma lei antiga para proteger uma família de refugiados armênios da deportação.

No domingo, o culto na igreja de Bethel, em Haia, entrará no seu 37º dia com a ajuda de 450 pastores voluntários – incluindo católicos romanos e pregadores leigos – para proteger a família Tamrazyan da prisão com um culto contínuo.

Sob uma lei holandesa originária do Antigo Testamento e da lei comum na Idade Média, a polícia não pode entrar em uma igreja durante um culto.

Theo Hettema, presidente do conselho geral da igreja protestante em Haia, diz que embora 52 pessoas tenham se refugiado em uma igreja holandesa na última década, esta é a primeira vez que a polícia insiste que só respeitará o santuário se um culto estiver em andamento.

O pastor Theo Hettema e Hayarpi Tamrazyan

“Se eles forem para a rua, poderão ser presos”, disse Hettema, que liderou o primeiro culto às 13h30 do dia 26 de outubro, ao jornal The Sunday Telegraph. “Seus sentimentos estão entre a esperança e o estresse. Eles são apoiados pelas muitas pessoas que os consolam.

“Desde o início, dissemos que com o asilo da nossa igreja, queremos criar algum espaço e tempo para que você possa montar sua defesa e o caso mais amplo de cerca de 400 crianças refugiadas nas mesmas circunstâncias para o governo. Não podemos garantir o sucesso. ”

Hayarpi Tamrazyan e seu irmão Warduhi na igreja Bethel

A família, que tem filhos de 21, 19 e 15 anos, mora nos Países Baixos há nove anos. O pai, Sasun Tamrazyan, de 43 anos, era politicamente ativo em um partido da oposição na Armênia e reivindicava asilo político.

Mas, embora uma autorização de residência tenha sido fornecida inicialmente, os promotores holandeses fizeram diversos apelos e acabaram anulando-a.

A família, no entanto, pediu um “perdão às crianças”, uma vez que seus filhos estão na Holanda há mais de cinco anos e estão totalmente integrados.

Depois de organizar colegas para liderar os cultos imediatamente depois dele, Hettema diz que ficou impressionado com as ofertas de ajuda. Entre duas e cem pessoas participaram de cultos, incluindo delegações de áreas como a Frísia, determinados a mostrar seu apoio.

A família vivia em um centro de asilo nas proximidades de Katwijk e, ao saber que seriam deportados em setembro, refugiaram-se em sua igreja local durante um mês.

A organização da igreja protestante de Haia concordou em organizar um local que pudesse conduzir serviços contínuos quando a polícia disse que não respeitaria um “acordo de cavalheiros” para não entrar.

O caso aconteceu no contexto de um endurecimento dos pontos de vista nacionais sobre asilo e aumento do apoio a partidos de extrema direita.

No início deste ano, duas crianças armênias que viveram por uma década na Holanda, mas enfrentaram a deportação, fugiram, provocando uma caçada nacional e um adiamento de última hora.

Um porta-voz dos serviços de imigração holandeses, Lennart Wegewijs, disse que o governo está respondendo a pedidos de mídia de todo o mundo. “Nossa política é a mesma que sempre foi: não comentamos casos individuais”, disse ele.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *