Home Da Redação Tecnologias armênias são premiadas no maior congresso de tecnologia do mundo

Tecnologias armênias são premiadas no maior congresso de tecnologia do mundo

R7

Aconteceu no início de outubro, em Brasília, o WCIT 2016 que é o maior Congresso de Tecnologia do mundo e premiou diversas tecnologias inovadoras e promissoras.

O prêmio, que se chama WEDS, é dado a apenas sete projetos de tecnologia que tenham “pegada” e potencial para ser um grande sucesso, o próximo Google, ou Uber, ou Netflix.

Nesta edição do WCIT, empresas do Brasil, Armênia, Canadá, EUA e Suíça foram premiadas. Da Armênia, dois projetos receberam o prêmio e a possibilidade de expor seus produtos em um dos stands do Congresso.

Um deles é o aplicativo para compra de passeios em viagens Localz. Lançado há apenas dois meses, o app já teve 1500 downloads e promoveu 53 tours com 100% dos clientes satisfeitos.

screen696x696Pelo sistema, o turista escolhe um passeio e pode customizá-lo, incluindo uma trilha, por exemplo, um picnic, entre outras possibilidades. O sistema o coloca então em contato com um guia que fala a língua que ele escolher. A partir desse `match` entre o turista e o guia local os preços são negociados e os detalhes do passeio acertados. Tudo feito online, com exceção do passeio, claro.

“Ao final o turista vai dar uma nota para o guia. E se ele tiver qualquer tipo de problema nós devolveremos o dinheiro de volta, o que nunca aconteceu”, explica o CEO da Localz, Artavazd Sokhikyan.

Disponível para Android, IOS (Iphone) e Windows Phone, por enquanto o Localz só tem passeios disponíveis  na Armênia e Geórgia, mas é possível baixa-los em aparelhos do Brasil.

O aplicativo tem concorrentes, como o Viator, comprado pela Trip Advisor, mas Sokhikyan garante que o Localz tem alguns diferenciais, como a customização dos passeios e a facilidade para comparar guias.

Também da Armênia, mas baseada nos EUA, a Synergy International Systems desenvolveu um sistema de gerenciamento de benefícios sociais, como o Bolsa Família, por exemplo, o SPIS. Apesar de não trabalhar ainda no Brasil, a Synergy já gerencia sistemas de pagamentos de benefícios em Bangladesh, Bahamas, Maldivas e Timor Leste.

Pelo sistema, qualquer cidadão pode inserir dados e o gerenciador vai identificar quem deve receber qual auxílio e enviar para os gestores e para os bancos. Para evitar informações incorretas ou até fraudes as informações são checadas por meio de cruzamento de dados ou presencialmente pelos gestores, se for o caso.

“O sistema tem vários tipos de acesso, e deve ser usado pelos gestores desses benefícios para melhorar a sua aplicabilidade”, diz Ani Gevorgyan, promotora de negócios da Synergy.

Questionada sobre a dificuldade de coletar dados de população que muitas vezes não têm acesso à internet, Ani explicou que os dados podem ser inseridos pelos gestores, em casos em que há pouco acesso à internet.

Deixe um comentário