Home Retrospectiva Genocidio Kim Kardashian e os 101 anos do Genocídio Armênio

Kim Kardashian e os 101 anos do Genocídio Armênio

0

kim

Nesta quarta-feira, dia 27 de abril, Kim Kardashian West publicou um texto em seu site oficial sobre o Genocídio Armênio e o contínuo negagacionismo por parte do perpetrador, a Turquia.

Kim ainda criticou o Wall Street Journal por veicular um anuncio pago pela Turkic Plataform com uma mensagem negacionista direcionada a todos os leitores do diário.

A tradução do texto fica por conta de Maria Carolina Chaves Indjaian.

Genocídio Armênio

Dinheiro fala e no momento está falando merda.

Minha família e eu não somos estranhos às baboseiras na imprensa. Nós aprendemos a ignorá-las. Mentiras fazem boas manchetes, boas manchetes fazem boas capas e boas capas vendem revistas. Mas quando eu ouvi sobre esse anúncio de página inteira que saiu no Wall Street Journal negando o genocídio armênio, eu não podia simplesmente deixar de lado.

O anúncio foi pago pela Turkic Plataform. Eu não vou listar o website do grupo, já que não quero dar-lhes movimento, mas basicamente eles dizem que não morreram tantas pessoas como os historiadores dizem e que os armênios devem ser culpados.

O Wall Street Journal publicar algo assim é imprudente, perturbador e perigoso. Uma coisa é quando um tabloide de merda lucra com um escândalo inventado, mas para um jornal confiável como WSJ lucrar com genocídio – é vergonhoso e inaceitável. Por que é que toda vez que nós damos um passo à frente, damos dois para trás?

O blog Gawker perguntou ao Wall Street Journal por que eles publicariam um anúncio como esse. A resposta deles foi: “Nós aceitamos uma ampla gama de anúncios, incluindo aqueles com pontos de vista provocantes. Apesar de revisarmos o anúncio por questões de gosto, as variadas e divergentes visões expressadas pertencem aos anunciantes”.

Defender a negação do genocídio por um país responsável por ele – isso não é publicar um “ponto de vista provocativo”, isso é espalhar mentiras. É totalmente irresponsável moralmente e, acima de tudo, perigoso. Se isso fosse um anúncio negando o Holocausto, ou colocando o 11 de setembro sob alguma teoria conspiratória, eles teriam colocado para impressão?

Muitos historiadores acreditam que se a Turquia tivesse se responsabilizado pelo Genocídio Armênio, e sido repreendida pelo que fizeram, o Holocausto talvez não tivesse acontecido. Em 1939, uma semana antes da invasão da Polônia pelos nazistas, Hitler disse: “Quem, afinal, hoje fala sobre a aniquilação dos armênios?” Nós falamos. Nós devemos. Nós devemos falar sobre ele até que seja reconhecido pelo nosso governo porque quando negamos nosso passado, nós colocamos em risco nosso futuro. Quando nos permitimos sermos silenciados pelo dinheiro, pelo medo e pelo poder, nós ensinamos as nossas crianças que a verdade é irrelevante. Nós precisamos ser responsáveis pela mensagem que passamos às nossas crianças. Nós precisamos honrar a VERDADE em nossa história para que protejamos seu futuro. Nós precisamos fazer melhor do que isso.

Kim.

Armen Kevork Pamboukdjian Editor-chefe e redator do Estação Armênia. Nascido na capital Paulista, é formado em jornalismo pela Universidade Nove de Julho, em skate pela faculdade das ruas e em causa armênia pela universidade da luta e resistência.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *