Home Da Redação Antes de trégua mútua, armênios recuperam postos perdidos em Karabakh no 5º dia de conflito

Antes de trégua mútua, armênios recuperam postos perdidos em Karabakh no 5º dia de conflito

0

12923335_1291139290914094_2350654101777419221_nNeste dia 5 de abril (terça-feira) desenrolou-se o quinto dia de combates entre as forças armênias de defesa de Nagorno-Karabakh e do Azerbaijão. As informações do lado armênio dão conta de perdas humanas e materiais, mas que as posições iniciais foram mantidas, segundo o Ministério de Defesa da República Montanhosa de Nagorno-Karabakh.

De acordo com os comunicados divulgados ao longo do dia, o Azerbaijão foi punido severamente pelas forças armênias e por isso se viu obrigado a recuar, mas sem cessar os ataques.

Na tarde desta terça-feira (05), apesar do fim das hostilidades anunciada na noite anterior por parte do Azerbaijão (unilateralmente), o lado armênio continuou a sofrer ataques brutais por meio de artilharia pesada, como no caso dos foguetes “Smerch”.

O lado armênio divulgou vídeo provando que o Azerbaijão abriu fogo contra regiões habitadas por civis em Karabakh.

Ainda segundo o Ministério da Defesa de Nagorno-Karabakh, as posições armênias perdidas para o Azerbaijão na segunda-feira (04) foram todas retomadas e as perdas enumeradas. Segundo o boletim divulgado, o Azerbaijão contabiliza baixas de mais de 300 soldados (mortos), 24 tanques destruídos e mais 5 outros veículos, além de 2 helicópteros e 12 drones.

Em contrapartida, o lado armênio contabiliza a perda de 59 soldados (29 mortos e 28 desaparecidos), além de 101 feridos e 14 tanques destruídos desde o dia 2 de abril, data que os ataques azerbaijanos ganharam intensidade. 

Também nesta terça-feira, após o contra-ataque Armênio, o Azerbaijão aceitou uma trégua parcial oferecida pelo grupo de MINSK da OSCE. O lado armênio também aceitou os termos da trégua, mas afirma que o Azerbaijão continua atirando em posições armênias.

Por outro lado, a moral das tropas armênias está elevada, enquanto no Azerbaijão a tensão política cresce com a baixa do preço do petróleo, além da divulgação de que a família Alyiev também aparece no caso Panama Papers que investiga contas e valores de ricos e poderosos em paraísos fiscais.

Os armênios lutam pelo princípio da autodeterminação dos povos, direito garantido pela ONU, enquanto os azerbaijanos lutam por um presidente corrupto, belicista e completamente descontrolado.

Um encontro entre o presidente da Armênia Serzh Sargsyan e os representantes do grupo da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE – que media o conflito desde 1994) ficou marcado para sexta-feira, dia 09 de abril, em Yerevan, capital da Armênia. Tal encontro poderá decidir o futuro do conflito.

A terça-feira, dia 5 de abril, também foi marcada por protestos de armênios nas sedes das Embaixadas do Azerbaijão em Paris (França), Los Angeles (EUA) e Buenos Aires (Argentina) para pedir o fim dos covardes ataques contra os armênios na República Montanhosa do Alto Karabakh.

Na Áustria, um grupo de armênios também se reuniu em frente à sede da OSCE na capital Viena exigindo um posicionamento firme da entidade contra o as agressões do AzerbaijãoAzerbaijão.

Até o momento do fechamento desta matéria não havia nenhuma informação de fim de atividades militares na linha de contato.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *