Home Da Redação Serj Tankian fala sobre a turnê ‘Wake Up The Souls’ e seus projetos paralelos
0

Serj Tankian fala sobre a turnê ‘Wake Up The Souls’ e seus projetos paralelos

0

Fonte: Asbarez
Tradução: Mau Tbs (Site of a Down).

Em novembro passado, o grupo premiado com o Grammy, System of a Down, anunciou planos para uma turnê para marcar o centenário do genocídio armênio.

A turnê chamada “Wake Up the Souls”, terá início em Los Angeles em 06 de abril e após as paradas em Londres, Colônia, Alemanha, Lyon, França, Bruxelas, Amsterdan e Moscou a banda vai aterrissar na Praça da República de Yerevan para um concerto gratuito em 23 de abril.

Eu me encontrei com o vocalista do System of a Down, Serj Tankian, no mês passado para discutir a turnê e outros projetos, que estão o mantendo ocupado por um futuro previsível. Conversando durante um almoço em Studio City, Califórnia, tocamos em algumas das questões-chave em 2015, a principal delas sendo o centenário do genocídio armênio e “Wake Up The Souls”.

“A ideia era levar o que fizemos com a série de concertos anteriores, ‘Souls’, e projetar uma turnê para o centenário, em 2015,” disse Tankian referindo-se a um concerto da banda ocorrido em 2004 para aumentar a conscientização sobre o genocídio e a desafiar o então presidente George Bush W. para honrar sua promessa de campanha e reconhecer como genocídio os acontecimentos de 1915.

“Isso tudo é acompanhado por uma campanha on-line com um mapa de calor de dados sobre os países que reconheceram o genocídio e link para contas do Twitter, onde as pessoas podem se juntar à tentativa — podem se juntar a nós ao redor do mundo”, disse Tankian.

Ele foi encorajado pelos sinais de mudança entre certos segmentos da sociedade turca que “estão fazendo um trabalho incrível tentando obter reconhecimento para o genocídio armênio.”

“Você está bem ciente de que a partir de algumas semanas atrás houve uma resolução passando pelo parlamento turco para reconhecer todos os crimes do passado a partir de um membro curdo do sexo feminino do parlamento. Mesmo que o AKP [sentença da justiça da Turquia e do Partido do Desenvolvimento] controle o parlamento e provavelmente não irá aprovar, mas isso [a introdução da resolução] é um bom sinal. Eu acho que nós temos esperado pouco do governo turco, mas eu posso dizer que isso cabe a nós também. Existe uma organização chamada ‘Project 2015’, que está incentivando as pessoas a irem para Istambul em 2015. Eu acho que é muito interessante voltar para onde tudo começou”, disse Tankian sobre o ativismo dentro da Turquia.

Em 28 de janeiro, duas proeminentes organizações dos direitos humanos turcas – A Associação dos Direitos Humanos da Turquia e O Centro da Verdade, Memória e Justiça – fizeram parceria com o Instituto Internacional do Genocídio & Estudos de Direitos Humanos de Toronto e apresentaram documentos jurídicos em favor da Armênia no então famoso caso de Perincek sobre a negação do genocídio na Corte Internacional de Direitos Humanos.

Embora nem o System of a Down nem Tankian tenham tocado na Turquia, devido à política de negação do genocídio pelo governo turco, bem como às restrições à liberdade de expressão, Tankian diz que uma grande base de fãs na Turquia é ativa e sempre que há declarações ou desinformação na imprensa turca local, os fãs ativamente defendem os músicos.

Tankian disse que o genocídio é uma questão humanitária. “Esta é uma questão que tem a ver com um genocídio. Não é uma questão entre pessoas ou culturas tanto quanto estou mais preocupado. Já vimos isso acontecer várias e várias vezes e vamos continuar vendo isto acontecer, mesmo que existam comissões na ONU [trabalhando para resolver ou impedir isso]. Nós não vamos ver mudança até que poderes executivos em todo o mundo concordem que todo o resto está na mesa quando se trata de genocídio”.

“Então, se há um genocídio que ocorre no Sudão e os chineses estão comprando petróleo desse país, é preciso ter algum tipo de acordo ou mecanismo internacional para impedi-los de comprar petróleo desse país [que está cometendo genocídio]”, ele explicou. “É preciso ter algum tipo de acordo internacional que, quando se trata de Genocídio, tudo para.”

Tankian ressalta que o reconhecimento oficial do genocídio já aconteceu nos EUA com a passagem de várias resoluções do Congresso nas décadas de 70 e 80 e com o presidente Ronald Reagan reconhecendo o genocídio durante a sua presidência.

Ele acredita, porém, que é importante manter no Departamento de Estado dos EUA para identificar corretamente nossa relação – o relacionamento dos EUA com a Turquia – tendo a ver com a Turquia e com o genocídio como uma parte disso – o reconhecimento do genocídio deveria ser uma condição prévia para o nível das relações dos EUA com a Turquia.

“Será que a nossa turnê vai conseguir isso?”, Perguntou Tankian. “Provavelmente não”, disse ele. “Mas nós queremos ser uma pequena parte do contínuo reconhecimento [movimento] e a necessidade de justiça tendo a ver com o primeiro genocídio do século XX durante a tentativa de deixar claro que esta é uma doença em curso que não parou”, explicou Tankian.

Outro projeto que Tankian está se focando em escrever é a partitura para o próximo suspense do genocídio armênio “1915″, que tem lançamento previsto para este ano.

“1915” é a estreia no cinema dos roteiristas e diretores Garin Hovhannissian e Alec Mouhibian. Junto com o produtor Terry Leonard (“Before I Disappear”, “Cold Comes the Night”, “Amira & Sam”, “Hounddog”) e um elenco internacional, incluindo Simon Abkarian (“Casino Royale”, “The Cut”, “Gett” ), Angela Sarafyan (“The Immigrant”, “Twilight”), Sam Page (“Mad Men”, “House of Cards”), Nikolai Kinski (“Aeon Flux”) e Jim Piddock (HBO de “Family Tree”, “The Prestige “), “1915 “foi filmado em Los Angeles, com as empresas de produção Bloodvine Media e Strongman anunciando na semana passada que o filme estreará este ano.

O filme segue a controversa e perigosa missão de um homem para trazer de volta à vida os fantasmas de uma tragédia esquecida. O filme irá desempenhar um papel de liderança no movimento global na primavera deste ano para lançar luz sobre todos os genocídios do século passado.

“Eu acho que ‘1915’ é muito interessante, um drama único que lida com um tema único que não tem sido tratado em filmes. Para mim o filme trata do efeito da diáspora de trauma – de perda. Não há nenhum filme que lidou com isso. Talvez seja pessoal, mas a mensagem de perda – a dor da perda – é muito universal. ‘1915’ faz isso de uma maneira muito artística”, disse Tankian, que explicou que tem trabalhado na trilha sonora por meses e descreve a música como “orquestral, piano e instrumentos de base muito autênticos” com elementos de surpresa, horror e mistério.

Ele explicou que primeiro escreveu temas baseados no roteiro “para descobrir o que a peça central emocional disso é e, em seguida, extrapolar os sub-temas e construir outros temas.” Trabalhando em seu estúdio, Tankian compõe a partitura quadro-a-quadro e cena por cena, com notas dos diretores.


Serj Tankian e Larisa Ryan no Serjical Strike Studios.

Enquanto toda a partitura é original, Tankian disse que ele trouxe alguns elementos de uma composição chamada “100 Years”, que ele co-escreveu com o compositor neozelandês John Psathas. Toda a composição foi realizada no ano passado com a Lark Musical Society.

“100 Years” é uma peça sinfônica sobre o primeiro genocídio do século XX de armênios, gregos e assírios.
“Ela vai do escuro para o esperançoso no final”, disse Tankian, que juntou seus amigos músicos de todo o mundo para realizar a peça.

“Um monte de grandes instrumentistas deram o seu tempo de graça para estar na peça”, disse ele, acrescentando que um vídeo foi feito também, que é uma montagem dos vários músicos tocando a peça. Ele antecipa figurando no vídeo no YouTube, bem como vários festivais.

“100 Years’ é uma peça sinfônica que nasceu na Nova Zelândia a partir de uma colaboração que tive com outro compositor chamado John Psathas, que é grego-Kiwi. “Ele e eu colaboramos antes no ‘Elect The Dead Symphony’, em 2009. Ele me ajudou a organizar um monte daquelas músicas para a orquestra.Nós dois co-escrevemos e fizemos a co-composição de ‘100 Years’. Na verdade, a ideia foi dele”, disse Serj.

Tankian disse que alguns dos elementos de “100 Years” que ele incorporou na partitura do filme “1915” funcionou perfeitamente com a composição em um todo.

Enquanto discutíamos sobre o filme “1915” e outros projetos sobre o genocídio, eu perguntei a ele sobre uma expectativa predominante entre os armênios de que um filme do tipo “A Lista de Schindler” seja o único gênero que pode efetivamente transmitir a narrativa de genocídio armênio na tela.

“Eu posso entender o que as pessoas esperam ou querem, mas ao mesmo tempo quando se trata de artes… Não é como o povo armênio acordou um dia e disse: ‘esperamos uma banda como o System of a Down’ que está tocando música de metal progressivo. Isso não é o que as expectativas eram de nós”, disse Tankian.

“Quando se trata de expectativas, vamos deixar isso de lado por um momento. O importante é fazer um filme eficaz. Um filme que por si só é um grande filme, independentemente do tema, e outras expectativas das pessoas”, acrescentou.

Tankian disse que “1915” é um filme indie e expressou esperança de que “será um filme indie premiado, porque eu acho que ele tem grande atuação, ótimo desempenho, escrita grande e boa música” [risos].

Tankian e System of a Down fazem turnê desde 2011. Em setembro a banda será a atração principal do festival Rock in Rio no Brasil, além de apresentações em outros países sul-americanos.

No outono passado, Tankian e sua esposa Angela deram boas-vindas ao primeiro filho, um menino. Na verdade, ele estava olhando para as fotos dele em seu iPhone quando eu apareci um pouco atrasado para o nosso compromisso de almoço.

“A paternidade é incrível”, ele disse proclamando que isso mudou sua vida. “É a coisa mais importante para mim.”

“Quando seu filho está em seu peito adormecendo e completamente derretendo em seu ser, não há nada no mundo – incluindo música – que importa. É assim que isso mudou a minha vida”, disse Tankian.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *