Home Cultura Conheça Em agosto de 1920, assinatura do Tratado de Sèvres garantia territórios armênios

Em agosto de 1920, assinatura do Tratado de Sèvres garantia territórios armênios

0

Tratado de Sévres, Sevri tashnagir

O Tratado de Sèvres foi assinado no dia 10 de agosto de 1920 em Sèvres (cercanias de Paris), entre o governo do sultanato (otomano) da Turquia e os estados aliados vencedores na primeira guerra mundial – 1914 a 1918 (Grã-Bretanha, França, Itália, Japão, Bélgica, Grécia, Polônia, Portugal, Romênia, Armênia, Checoslováquia, reino servo-croata, Hedjaz).

Avedis Aharonian assinou o Tratado em nome da República da Armênia. Aharonian e o dirigente da delegação Nacional dos Armênios do Ocidente, Boghos Nubar, firmaram com os principais estados aliados um documento complementar, alusivo aos direitos das minorias nacionais e as relações diplomáticas e comerciais.

Sob o prisma do direito internacional, a República da Armênia, como participante do Tratado, foi reconhecida de juri por todos os demais estados que assinaram o referido Tratado.

Relacionamento com a Causa Armênia

A parte alusiva à Armênia no Tratado de Sèvres englobava os artigos 88 ao 93.

A Turquia reconhecia oficialmente a Armênia como um estado livre e independente. Pelo Tratado, a Turquia e a Armênia concordavam em deixar a delimitação das fronteiras entre os dois estados, o que tange às províncias de Erzerum, Trabizonda, Van e Bitlis, à definição dos Estados Unidos da América e aceitar a decisão desta, assim como as alternativas visando uma faixa litorânea à Armênia e a desmilitarização de todas as áreas otomanas adjacentes às fronteiras.

E com relação às fronteiras da Armênia com o Azerbaijão e a Geórgia, essas seriam definidas por meio de negociações diretas entre as partes. Em não havendo acordo entre as partes, os principais estados aliados deveriam solucionar a questão no local através de uma comissão especial a ser constituída.

Sevri Tashnagir, tratado de Sévres, Armênia, Turquia usurpa

Até a assinatura do Tratado de Sèvres, a comissão designada pelo presidente dos Estados Unidos da América, Woodrow Wilson, havia concluído suas pesquisas e examinado meticulosamente a região geopolítica, a economia, os transportes, os recursos hídricos, as estradas e percursos comerciais, as questões étnico-populacionais e demais temas que deveriam ser levados em consideração na decisão para delimitação das fronteiras.

A comissão apresentou seus pareceres e sugestões no mês de setembro de 1920, e o Presidente Woodrow Wilson entregou sua conclusão final aos estados europeus em novembro do mesmo ano. De acordo com a decisão do Presidente norte-americano, a Armênia deveria receber 2/3 (dois terços) das províncias de Van e Bitlis, e quase a totalidade da província de Erzerum, e a maior parte da província de Trabizonda, incluindo o porto.

Em geral, toda essa área teria uma extensão de aproximadamente 90.000 km2 (noventa mil quilômetros quadrados). E ao unir essa extensa área à já existente República da Armênia, ao sul do Cáucaso, o estado armênio independente teria uma área de aproximadamente 160.000 km2 (cento e sessenta mil quilômetros quadrados), com saída ao mar Negro.

A odisseia de Sèvres

O acordo de paz de Sèvres seria favorável para a solução da Questão Armênia, ao oferecer ao povo armênio uma extensão territorial suficiente para sua aglomeração nacional. Entrementes, o Tratado de paz de Sèvres permaneceu apenas no papel e não foi reconhecido sequer pelo governo do sultanato (otomano) da Turquia. Mais tarde, os Kemalistas (fase republicana da Turquia) adotaram todas as medidas para impedir a execução do Tratado, e como primeiro passo iniciaram uma nova incursão (invasão) militar contra a República da Armênia, com o objetivo claro de aniquilar, definitivamente.

No ano seguinte, em 1921, tomando proveito da nova situação internacional surgida em consequência da aproximação da Rússia bolchevista com a Turquia, os kemalistas decidiram rever o Tratado de Sèvres e, efetivamente, a sua eliminação. Isso foi refletido nitidamente no Tratado de Lausanne, em 1923 (Conferência de Lausanne, 1922-23), quando as potências aliadas do Ocidente reconheceram a autonomia do governo de Mustafá Kemal, bem como o seu direito sobre a Trácia, Ismírnia, Cilícia e todas as demais regiões que teriam sido transferidas para a Armênia pelo Tratado de Sévres, e ainda: as potências aliadas reconheceram as novas fronteiras da Turquia, que abrangiam as antigas regiões da Armênia Oriental: Kars, Ardahan e Surmalú. Essas mudanças seriam a plena vitória da Turquia. Apenas uma pequena parcela da Armênia histórica continuou a existir como Armênia Soviética, e o destino da maioria dos armênios foi a sua dispersão pelos quatro cantos do mundo, onde começaram a formar as coletividades da Diáspora.

O Tratado de Sévres, no entanto, permanece até hoje como um documento importante em prol de uma justa solução da Questão Armênia e dos direitos inalienáveis do povo armênio.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *