Home Da Redação Seis Soldados condenados no caso Hrant Dink

Seis Soldados condenados no caso Hrant Dink

0

Lusa –

Um tribunal turco condenou hoje seis soldados a penas de quatro a seis meses de prisão por negligência, no âmbito do processo relacionado com o assassinato em 2007 do jornalista de origem armênia Hrant Dink.

A decisão é a primeira condenação de funcionários do Estado neste caso que abalou a Turquia, após ter sido sugerido que a polícia e a guarda optaram não agir apesar de terem conhecimento de uma conspiração destinada a assassinar Dink.

A agência de noticias turca Anatólia disse que um tribunal da cidade condenou um coronel e cinco soldados que ocupavam posições de relevo na guarda em Trabzon, um porto do nordeste da Turquia de onde provém o grupo de jovens nacionalistas acusado de assassinar Dink. Dois outros soldados foram absolvidos.

As penas, as mais elevadas que a jurisdição podia pronunciar, resultaram em uma imediata reação negativa dos advogados da família Dink.

“O processo deveria ter decorrido num tribunal responsável por crimes graves. Mas infelizmente não foi o caso, apesar dos nossos esforços”, considerou um dos advogados em declarações à agência noticiosa francesa AFP.

Intelectual destacado da minoria arménia na Turquia, Hrant Dink foi morto em 19 de janeiro de 2007 em frente aos escritórios do jornal bilingue turco-armênio Agos, que dirigia, no centro de Istambul.

Os procuradores afirmaram que a polícia tinha conhecimento desde 2006 de uma conspiração destinada a assassinar o jornalista e que estava a ser orquestrada em Trabzon, a cidade de origem do atirador até então com 17 anos, que confessou o crime, e de 18 presumíveis cúmplices, que continuam a ser julgados em Istambul.

Apesar de um passado sangrento, Dink pugnava pela reconciliação entre turcos e arménios, mas os nacionalistas acusavam-no de utilizar o termo Genocídio para o massacre da população armênia na fase final do Império otomano, em plena Primeira Guerra Mundial, um termo que Ancara continua a rejeitar.

Ogün Samast é um ultra-nacionalista turco que assassinou o jornalista turco-armênio Hrant Dinkno dia 19 de Janeiro de 2007 em frente à sede do seu jornal Agos, em Osmanbey, Istambul.

Hrant Dink morreu após ser baleado três vezes em plena luz do dia perto de seu escritório do jornal. De acordo com uma testemunha, Samast fugiu da cena gritando “eu atirei no infiel “.

Samast foi identificado por seu pai, Ahmet Samast, que informou a polícia depois que ver as imagens da CCTV de seu filho. Ele foi detido no sábado, 20 de janeiro, um dia após o assassinato, em uma operação na principal estação de ônibus em Samsun. O que poderia a arma do crime foi encontrada em sua posse.
O Primeiro-Ministro turco Recep Tayyip Erdogan anunciou detenção de Samast.

Segundo a agência oficial de notícias estatal Anadolu, ele confessou o assassinato e afirmou que não tem nenhum arrependimento. No entanto, alguns dias depois foi noticiado que Samast havia declarado que estava muito triste por ter matarado Hrant Dink. A segunda-feira seguinte, a polícia turca anunciou que Yasin Hayal, um ultra-nacionalista militante, que bombardeou um restaurante McDonald’s em Trabzon, em 2004, confessou pedir a Samast para matar Dink e forneceu a arma do crime. O tio de Ogün Samast, Faik Samast disse que não acreditava que o sobrinho tinha agido sozinho, afirmando que ele não sabia se encontrar em torno de Istambul. Mais tarde, Hayal e Samast confessaram que o assassinato foi planejado por Erhan Tuncel que é alegadamente um informante da polícia.

Uma história da Radikalde 2 de fevereiro de 2007 mostrou imagens em destaque de Samast na delegacia onde ele foi inicialmente preso, segurando uma bandeira turca, rodeado por policiais sorridentes. Um porta-voz policial indicou que uma investigação sobre o vídeo estava em andamento.

 

 

Leia mais:  http://estacaoarmenia.com.br/2011/05/1400/

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *