Mais um soldado armênio é morto em ataques à Tavush

0
0
Fontes :

Um soldado das Forças Armadas da Armênia foi morto durante a madrugada desta segunda-feira, dia 27, por um atirador de elite do Azerbaijão na seção nordeste da fronteira entre a Armênia e o Azerbaijão.

O Ministério da Defesa da Armênia informou que Ashot Mikayelyan foi morto por volta das 1h10 (horário local) da segunda-feira, pelas forças do Azerbaijão. Mikaeyelyan é o sexto soldado morto desde que o Azerbaijão iniciou uma série de ataques a alvos civis e militares na província de Tavush, na Armênia, em 12 de julho.

Na semana passada, o soldado Artur Muradyan, de 19 anos, gravemente ferido durante os primeiros ataques, também não resistiu aos ferimentos. O Ministério da Defesa da Armênia já havia relatado as mortes do major Garush Hambardzumyan, do capitão Sos Elbakyan e dos soldados privados Smbat Gabrielyan e Grisha Matevosyan uma semana antes.

O Ministério das Relações Exteriores da Armênia foi rápido em condenar as contínuas provocações do Azerbaijão na fronteira entre Armênia e Azerbaijão, dizendo que Baku estava minando os esforços de mediadores internacionais que estão tentando diminuir as tensões.

“É importante ressaltar que o Azerbaijão recorreu a essa provocação alguns dias depois de uma declaração emitida pelos co-presidentes do Grupo OSCE Minsk, que enfatizava especificamente a importância de aderir estritamente ao cessar-fogo e abster-se de ações provocativas neste período”, disse a porta-voz do Ministério de relações Exteriores da Armênia, Anna Naghdalyan, na segunda-feira.

“Ao mesmo tempo, o Azerbaijão anunciou exercícios militares conjuntos de larga escala a serem realizados com a Turquia. Isso demonstra que a liderança do Azerbaijão, por meio de suas ações provocativas, está minando os esforços dos mediadores internacionais que visam diminuir a situação e retomar o processo de paz, assumindo a responsabilidade pelas consequências de uma desestabilização ainda maior ”, enfatizou Naghdalyan. “O Azerbaijão deve renunciar publicamente ao uso da força, abandonar suas abordagens maximalistas e adotar medidas confiáveis ​​para fortalecer o cessar-fogo, o que possibilitará a retomada e o avanço do processo de paz.”

Deixe um comentário