Durante pronunciamento, secretária da Casa Branca fala em “Genocídio Armênio”

0
0
Fontes :

“Podemos estar testemunhando, nesta declaração única, os primeiros passos em direção ao reconhecimento de todo o governo do Genocídio Armênio”, disse Aram Hamparian, da ANCA.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, se referiu ao “Memorial do Genocídio Armênio” durante seu briefing diário nesta segunda-feira, dia 6 de julho, quando discutia as implicações da remoção de monumentos em todo o país em resposta ao movimento de justiça social que dominou os EUA desde o assassinato de George Floyd em 25 de maio em Minneapolis por policiais, o que desencadeou o movimento nacional Black Lives Matter.

“Parece haver zero entendimento da história quando você está desfigurando a estátua de Matthias Baldwin e John Whittier e Ulysses S. Grant”, disse McEnany em resposta à pergunta de um repórter sobre uma explicação para o presidente Trump dizendo no final de semana que muitos dos os problemas que os Estados Unidos estão enfrentando atualmente decorrem de “extrema doutrinação e preconceito no sistema educacional”.

“Parece haver uma falta de entendimento e conhecimento histórico quando o memorial do Genocídio Armênio, lembrando vítimas de todos os crimes contra a humanidade, incluindo a escravidão, é vandalizado”, disse McEnany em uma aparente referência à recente desfiguração do memorial do Genocídio Armênio no Colorado , que fica na capital do estado e foi vandalizada junto com outros monumentos durante os protestos da justiça social do mês passado.

“Parece haver uma falta de entendimento da história quando a escultura dos socorristas é danificada, quando a estátua de herói da guerra polonesa, o Memorial da Primeira Guerra Mundial, o Memorial de Lincoln, o Memorial da Segunda Guerra Mundial e principalmente o Robert Gould Shaw e o 54º regimento do Washington Memorial, que homenageou soldados afro-americanos que lutaram bravamente na Guerra Civil, foi danificado em Boston ”, afirmou. “Precisamos ter um melhor entendimento histórico.”

“Podemos estar testemunhando, nesta declaração única, os primeiros passos em direção ao reconhecimento de todo o governo do Genocídio Armênio – consequência clara da aprovação quase unânime da resolução H.Res.296 e S.Res. 150 no ano passado”, disse o diretor executivo do Comitê Nacional Armênio da América, Aram Hamparian.

“Nosso sucesso na adoção dessas duas medidas marcantes consolidou o amplo consenso bipartidário entre democratas e republicanos, na Câmara e no Senado e entre 49 dos 50 estados dos EUA, que a Turquia não merece e não conseguirá vetar nos EUA a política sobre o reconhecimento do Genocídio Armênio.”

Assista abaixo a fala da secretária:

Deixe um comentário