Home Genocídio Armênio Parlamento Sírio reconhece o Genocídio Armênio

Parlamento Sírio reconhece o Genocídio Armênio

0
0

The Times of Israel, Notícia ao minuto, ArmenianWeekly

O parlamento da Síria reconheceu em fevereiro deste ano as mortes de 1,5 milhão de armênios entre 1915-1917 como genocídio em um clima de aumento de tensões com a Turquia após confrontos mortais no noroeste da Síria.

“O parlamento condena e reconhece o genocídio cometido contra os armênios pelo estado otomano no início do século XX e condena a tentativa de qualquer parte de negar este crime e distorcer a verdade histórica”, afirmou o legislativo em comunicado. O texto refere-se ainda a “um dos crimes mais cruéis e duros contra a humanidade”.

A resolução, no entanto, ignora o período do genocídio entre os anos de 1920 e 1923. Eximindo de culpa a república atual da Turquia e focando no estado otomano como mandante.

Em Yerevan, o embaixador sírio na Armênia, Haj Ibrahim, declarou: “As organizações terroristas de hoje, que estão cometendo atos horríveis contra o povo sírio, são os netos daqueles que cometeram genocídio contra os armênios e outros no passado”, observando que o Líbano tem sido o único país do Oriente Médio a reconhecer o Genocídio Armênio (1997). “Quando, durante o genocídio armênio, os armênios chegaram à Síria, eles se tornaram parte integrante da sociedade síria. Eles retomaram sua vida em segurança na Síria – preservando sua identidade, religião e estudando em escolas armênias. Existem numerosas igrejas que eternizam a memória das vítimas do genocídio armênio, as mais importantes são a Igreja Memorial do Genocídio Armênio em Deir ez-Zor, a Igreja dos Quarenta Mártires em Aleppo, bem como os Santos Mártires da praça do genocídio armênio em Damasco “, Acrescentou Ibrahim.

Em um comunicado que também expressou solidariedade ao povo sírio em meio a crescentes tensões com a Turquia na província de Idlib, no noroeste, o Ministério das Relações Exteriores da Armênia disse: “Esta resolução é uma ilustração vívida da amizade de um século e da afinidade mútua entre os povos armênio e sírio. Essa é uma contribuição sólida para a restauração da justiça histórica e a prevenção de genocídios. ”
O reconhecimento ocorreu após semanas de tensões entre Ancara e Damasco por confrontos mortais entre os dois lados no noroeste da Síria. Desde dezembro, as forças do governo sirio apoiadas pela Rússia intensificaram seu bombardeio contra o último grande bastião da oposição no noroeste da Síria, onde Ancara apoia os rebeldes e mobiliza tropas.

O porta-voz do parlamento sírio, Hammouda Sabbagh, manifestou sua “simpatia pelo povo armênio” e reconheceu “os armênios, sírios e assírios e outros como vítimas das sistemáticas liquidações étnicas e massacres pelos otomanos”.

O Governo sírio já havia reconhecido o Genocídio Armênio em 2015 e seus responsáveis. O presidente Bashar al-Assad tem utilizado o termo “genocídio” em suas declarações.

O Congresso dos EUA em dezembro reconheceu os assassinatos em massa como genocídio, enfurecendo a Turquia. A administração do presidente dos EUA, Donald Trump, discordou do resultado.

Deixe um comentário