Da RedaçãoTudo

Manifestação na Turquia deixa vários feridos após repressão policial

Via G1, com informações da France Press

Foto AFP

Foto AFP

A polícia da Turquia usou gás lacrimogêneo e canhões de água nesta sexta-feira contra manifestantes que ocupavam um parque no centro de Istambul, deixando 12 feridos e 83 presos na mais recente repressão violenta a manifestações contra o governo.

O protesto no Parque Gezi começou na noite de segunda-feira após construtores cortarem árvores, mas ampliou-se para uma manifestação maior contra o partido islamita Justiça e Desenvolvimento (AKP), do primeiro-ministro Tayyip Erdogan (AKP).

A tropa de choque já havia entrado em confronto com dezenas de milhares de manifestantes no 1º de Maio, em Istambul. Também tem ocorrido protestos contra a posição do governo sobre o conflito na vizinha Síria, um agravamento recente das restrições à venda de bebidas alcoólicas e as advertências contra demonstrações públicas de afeto.

A polícia organizou uma incursão na madrugada contra os manifestantes que acampavam por dias o Parque Gezi, em revolta contra os planos para a construção de um shopping center, e nuvens de gás lacrimogêneo subiram ao redor da área na Praça Taksim, que tem sido um local de encontro para protestos políticos.

A Anistia Internacional disse estar preocupada com o que descreveu como “o uso excessivo de força” por parte da polícia contra o que começou como um protesto pacífico.

Erdogan está a frente de uma transformação na Turquia durante a sua década no poder, tornando a economia do país de propensa a crises para a de mais rápido crescimento na Europa. A renda per capita triplicou em termos nominais desde que o seu partido chegou ao poder.

Ele permanece, com folga, como o político turco mais popular e é visto por muitos como o líder mais poderoso desde Mustafa Kemal Ataturk, que fundou a moderna república secular sobre as cinzas do Império Otomano, 90 anos atrás.

A agitação está longe de ser o tipo de manifestação de massa visto em outras partes do Oriente Médio, ou até mesmo partes da Europa nos últimos anos, mas reflete uma preocupação crescente da oposição com o autoritarismo de Erdogan.

Matérias Relacionadas
Artsakh

Ministro das Relações Exteriores da Armênia denuncia Azerbaijão em Moscou

Fontes : Mirror Spectator O novo ministro das Relações Exteriores da…
Leia mais
ArtsakhDa Redação

15 prisioneiros de guerra retornam à Armênia

Fontes : Asbarez EUA, Geórgia e UE desempenham papel importante no…
Leia mais
Artsakh

Praça da Eternidade homenageará os mártires da guerra de Artsakh

Fontes : ArmRadio A Fundação Tovmasyan conceberá a “Praça da…
Leia mais

Deixe um comentário