Home Agenda Magna Aniversário da Libertação de Shushi

Aniversário da Libertação de Shushi

0

Via PanArmenian –

O dia 9 de maio não só lembrado pelos armênios como o dia da vitória da Grande Guerra Patriótica, mas também como o dia da Libertação de Shushi, um dos episódios cruciais da história do povo armênio.

A libertação de Shushi se tornou o ponto da virada na guerra do Karabakh, marcando o caminho para futuras realizações.

“A partir de Fevereiro de 1992, a situação em Stepanakert e seus arredores se tornou intolerável. A cidade estava sob o fogo constante de Krkjan, Khojalu e Shushi. Um semicírculo que foi formado mantendo Stepanakert sob fogo contínuo”, lembra o idealizador da libertação de Shushi, o general Arkady Ter-Tadevosyan, o lendário Commandos. “Stepanakert foi quase arruinada, as pessoas viviam em porões, muitas vezes sem pão e água …”

“A liderança armênia não foi favorável à operação. O então ministro da Defesa, Vazgen Sargsyan acreditava que deveria ser adiado. Mas tivemos que agir. Durante a reunião, 72 comandantes concordaram unanimemente que Shushi deveria ser libertada”, lembra ele.

Naquele tempo, Tadevosyan disse a Sargsyan, que se as terras de Shushi fossem libertadas, o ministro iria celebrar seu casamento na montanha. Assim, a operação foi intitulada “Casamento nas Montanhas”.

Os preparativos começaram. O batalhão de Commandos contava 3.800 pessoas divididas em 5 grupos. A operação começou na noite de 08 de maio. O batalhão do Coronel Arkady Karapetyan começou ofensiva da vila Shosh. A do Coronel Ashot “Pegor” Ghulyan atacou pelo nordeste. A de Dushman Vardan avançou a partir do leste e havia retomado a área do entorno através da manhã. Os batalhões sob o comando do Nver Chakhoyan e Sefilyan Zhirayr veio do sul. A tropa de choque de 400 membros, liderados pelo Coronel Seyran Ohanyan (atual ministro da Defesa de Nagorno Karabakh) avançaram do sudoeste, liberando as aldeias de Kusar, Bashkend, Javadlar e outras 17 pessoas.

Arthur Arakelyan liberou o assentamento da Baixa Zarislo enquanto Albert Alaverdyan e seus homens libertaram o Zarislo Superior. Pela manhã, eles se juntaram ao batalhão de Valery Chtchyan para entrar em Shushi.

Segundo os cálculos de Tadevosyan, a operação tinha que durar dois ou três dias, mas Shushi foi liberada às 4h de 09 de maio, ou seja 26 horas após o seu início.

“Não tínhamos o direito de sermos derrotados. Era a nossa cidade, onde cada pedra da estrada era querida por nós. Esse pensamento nos deu força e inspiração” diz Ter-Tadevosyan.

Agora ele diz que está feliz em ver Shushi se desenvolvendo. Nem ele nem os outros comandantes esqueceram da cidade: a cada ano eles se reúnem ali para comemorar a vitória e talvez um dia eles celebrarão um casamento nas montanhas.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *