Home Da Redação Schiff pede a Obama que reconheça apropriadamente o Genocídio Armênio

Schiff pede a Obama que reconheça apropriadamente o Genocídio Armênio

0

Asbarez

O deputado Adam Schiff (29) enviou uma carta ao presidente Barack Obama na última quarta-feira exigindo que ele caracterize adequadamente o assassinato de 1,5 milhão de Armênios homens, mulheres e crianças como “Genocídio” em seu depoimento que marca 24 de abril, aniversário do início do Genocídio Armênio.

“Sr. Presidente, o senhor sempre foi um líder importante nas questão dos direitos humanos “, disse o deputado Schiff. “Infelizmente, no ano passado e em 2009, você não usou o termo Genocídio para descrever os acontecimentos de 1915-23. Peço-lhe para voltar para a clareza que tão fortemente expressou em 2008, e diminuir cada vez mais o número de sobreviventes, bem como de descendentes, que sobreviveram ao Genocídio Armênio e continuam a sofrer com a dupla morte da negação, referindo-se a ele como um Genocídio. “

No domingo, dia 24 de abril, fará 96 anos desde que a campanha de aniquilação sistemática e deliberada foi lançada pelo governo do Império Turco-Otomano contra a população Armênia. Enquanto o Genocídio Armênio foi reconhecido por mais de 20 países, incluindo Canadá, Itália, Suécia, França, Argentina e Rússia, assim como o Parlamento Europeu, ainda não foi oficialmente reconhecido pelo Congresso dos EUA há décadas.

No último Congresso, o deputado Schiff era o patrocinador principal da Resolução 252, da Afirmação do Registro dos EUA sobre o Genocídio Armênio, que teria reconhecido e rememorado o Genocídio.

Abaixo está o texto integral da carta enviada ao presidente Obama:

O honorável Barack Obama
O presidente dos Estados Unidos
A Casa Branca
Washington, DC

Caro Sr. Presidente:

Como o orgulhoso representante da maior comunidade armênio-americanos no país, insisto que caracterize adequadamente o assassinato de 1,5 milhão de armênios homens, mulheres e crianças como “Genocídio” em sua declaração anual que marca o 24 de abril, aniversário do início do Genocídio Armênio.

Noventa e seis anos atrás este mês, na primavera de 1915, o governo do Império Otomano lançou uma campanha contra a população armênia. Massacres, marchas forçadas através de desertos, estupros e saques foram cometidos contra os armênios da Anatólia oriental. Na época dos assassinatos, que terminaram em 1923, um milhão e meio de armênios foram mortos e a mais antiga nação cristã do mundo havia sido destruída – com seus sobreviventes espalhados pelo mundo.

Antes de se tornar Presidente, o senhor falou várias vezes sobre os massacres de armênios nas mãos do governo otomano, como Genocídio, uma opinião partilhada pela esmagadora maioria dos historiadores, incluindo alguns notáveis historiadores turcos. O Genocídio Armênio também tem sido reconhecido por muitos governos locais e estaduais aqui nos Estados Unidos e por muitos governos em todo o mundo.

Infelizmente, no ano passado e em 2009, você não usou o termo “Genocídio” para descrever os acontecimentos de 1915-23. Talvez esperando que por adiando o reconhecimento, alguns da Administração acreditavam que os Estados Unidos poderiam catalisar uma possível reconciliação entre Armênia e Turquia. Está claro agora que o processo de Protocolos foi uma jogada de Ancara para impedir que a Administração de usar a palavra “Genocídio”, e para evitar a consideração de uma resolução de genocídio pelo Congresso. A intenção da Turquia de uma reconciliação com a Armênia foi ilusória. Agora que a verdade foi revelada, peço-lhe para voltar para a clareza que tão fortemente expressou em 2008.

Sr. Presidente, o senhor sempre foi um líder importante nas questão dos direitos humanos. Peço-lhe para voltar para a clareza que tão fortemente expressou em 2008, e diminuir cada vez mais o número de sobreviventes, bem como de descendentes, que sobreviveram ao Genocídio Armênio e continuam a sofrer com a dupla morte da negação, referindo-se a ele como um Genocídio.

Atenciosamente,
ADAM B. SCHIFF

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *