Turquia mostra descaso com o lixo acumulado ao longo do Monte Ararat

0
0


As íngremes ladeiras que separam as bases de acampamentos de alpinistas que vão em busca do topo do Monte Ararat estão cheias de sujeiras, dejetos e restos de comidas. É o que denunciou recentemente um grupo de alpinistas ao Ermeni Haber, jornal turco que cobre pautas armênias. Por fotos enviadas à agência de notícias, nota-se o total descaso das autoridades turcas com a montanha.

“Sim, é muito preocupante. Que administração regional poderá recolher isso tudo? Em 2003, também escalei o topo. Todas as vezes, trouxemos de volta o que havíamos levado. Não é tão difícil, explicou um dos alpinistas entrevistados pelo diário Asbarez.

Procurado por alpinistas do mundo todo por seus 5.137 metros, o Monte Ararat é sagrado para os armênios, primeiro povo a aceitar o cristianismo como religião oficial de em 301 DC. Lá, segundo o capítulo de Gênesis da Bíblia cristã, após 40 dias de dilúvio a Arca de Noé teria encalhado nas encostas do monte e, à partir de lá, criou-se uma nova civilização.

 

Veja o vídeo:

 

 


O Monte Ararat fez parte dos territórios armênios da época dos reino da Grande Armênia e sempre fez parte da paisagem armênia, em ambos os lados. Entretanto, há mais de um século, a montanha está dentro das fronteiras da atual Turquia e também é chamada de monte Agri.

O Monte Ararat é um símbolo nacional do povo armênio.

 

Em julho de 2012, o fotógrafo e arquiteto brasileiro de origem armênia, Stepan Norair Chahinian escalou o Monte Ararat (relembre aqui). Logo depois, pudemos realizar uma entrevista com Norair, que contou detalhes da escalada.

Esta notícia utilizou informações de Ermeni Haber, Asbarez e Diario Armenia.

 

 

 Estação Armênia Entrevista: Norair Chahianian, o brasileiro que escalou o Monte Ararat.

 

 

Armen Kevork Pamboukdjian Jornalista de formação, é editor-chefe do site Estação Armênia.

Deixe um comentário