Conheça: Os poemas de Zabel Yesayan

0
0

Zabel Yesayan (1878 – 1943) nasceu em Scutari (Üsküdar moderno), um subúrbio de Constantinopla na margem oriental do Bósforo.

Aos dezessete anos, mudou-se para Paris para estudar na Sorbonne e logo começou a publicar contos, ensaios e traduções na imprensa da Armênia Ocidental.

Retornando ao Império Otomano em 1902, ela escreveu extensivamente sobre os massacres de Adana.

Em 1915, ela era a única mulher na lista de intelectuais armênios a ser deportada, mas conseguiu escapar da prisão fugindo para a Bulgária e depois para o Cáucaso, onde documentou relatos de testemunhas oculares do Genocídio Armênio.

Em 1933, mudou-se para a Armênia soviética, onde lecionou literatura na Universidade Estadual de Yerevan até sua prisão em 1937, durante os expurgos de Stalin. Ela morreu em circunstâncias desconhecidas, provavelmente na Sibéria em algum momento de 1943.

Assista ao Explica sobre a história de Zabel Yesayan

Leia abaixo três dos poemas de Zabel Yesayan:
* Os poemas foram escritos originalmente em armênio e traduzidos para inglês e depois para português. Algumas nuances e significados podem se perder durante a tradução.

Óde à noite

Este poema, escrito aos dezessete anos, é o primeiro trabalho publicado de Zabel Yesayan. Apareceu no primeiro volume do diário literário de Arshag Chobanian, Dzaghig (Constantinopla), em 1895.

Venha, oh noite, venha, cubra o mundo com suas saias pretas, subjugue o último suspiro do crepúsculo com sua frieza, cubra o mundo em sua escuridão fúnebre.

O dia entra em seu peito sombrio em seu túmulo, arrastando consigo todos os sentimentos e preocupações que brotam dentro dele.

Corações amorosos esperam ansiosamente que você sufoque seus devaneios em sua escuridão. Venha, feche os olhos cansados com seus dedos invisíveis. Leve-os para as profundezas do sono por algumas horas.

Descansando em seus braços negros, afaste-os da rotina diária que os esgotou. Em sua frieza, embale seu sono com sua música doce. Deixe que suas preocupações se dissipem por algumas horas em seu reino solene.

Sua chegada traz consigo preciosas lembranças. Você é uma amiga para os solitários. É você quem vê as lágrimas mais íntimas.

Os indivíduos insones e miseráveis que passam pelas janelas abertas absorvem sua escuridão fresca.

Seus pensamentos e sentimentos vagam pelo seu peito. E você pega todos eles, enterrando-os em sua obscuridade consoladora.

*traduzido para inglês por Jennifer Manoukian, português por Marcelo Mirzeian


O moinho de vento vermelho

Um poema em prosa de Zabel Yesayan (Hovhannessian), publicado originalmente em Anahid em 1898

Premonições sombrias me atordoavam com sua dança sombria e minha alma, suspensa em uma inspiração mórbida, foi lançada no centro de um mundo ilusório.

Lá, tudo estava preto. Almas em luto deslizaram pelo espaço como um enxame de morcegos. Ao meu redor, ouvi cantos fúnebres; o cheiro de corações ardentes se intensificou na escuridão.

Lá, batimentos cardíacos reverberaram e produziram uma melodia assustadora que lembrava o choro de uma coruja. Eu também me tornei um pedaço dessa escuridão, aprisionada na infinita obscuridade que envolveu todo o espaço.

E assim vagamos, quase sem sentir a escuridão. Em sua profundidade, edifícios gigantes ergueram suas fundações aéreas e deixaram-nos passar sem nenhuma dificuldade. Um sussurro atmosférico direcionou nossa jornada, que se tornou uma dança, uma dança enlouquecida e monótona composta de sombras inteligadas. Puxando um para o outro, circulamos em torno de algo com excitação desesperada, insensata e inconsciente.

Uma luz fria deixou um raio no espaço e diante de nossos olhos apareceu o moinho vermelho em movimento.

Era um moinho de vento gigante, cujo topo desapareceu nas sombras. Ele girava constantemente e a cada turno, o eco de sua roda invisível, terminando em um gemido prolongado, era ouvido. O sangue vermelho jorrou de todos os lados, como se de cada um dos poros da estrutura, e deu a impressão de que o moinho de vento era formado a partir de sangue coagulado.

Ao longe, bocas sinistras se abriram e responderam aos soluços que subiam das profundezas do moinho de vento com rajadas peculiares de riso.

O que eles estavam cortando lá? O que eles estavam esmagando?

Nossa dança estava muito mais frenética agora e, pouco a pouco, o raio congelado iluminava a estrutura com mais intensidade.

Foi então que eu os vi jogando corações por dentro.

Eles jogaram e jogaram. Eles jogaram aqueles pedaços de carne enegrecidos e perfurados, muitos dos quais foram carbonizados e reduzidos a praticamente nada, a uma velocidade desconcertante. Quanto mais eles jogavam, maior o número de almas negras e de luto. O sussurro ecoou e dominou completamente os gritos, risos e canções proferidos.

Como eu permiti que eles absorvessem todo o meu ser? Como a injeção deles me dissolveu átomo por átomo? Continuei observando os corações que eles estavam jogando dentro do moinho de vento, corações às vezes ainda frescos e vermelhos.

De repente, senti uma pontada aguda, como o desaparecimento da minha existência irresoluta, e, entre os corações lá dentro, notei que eles estavam jogando o meu.

Olhei em volta de mim, consternada e emocionada, quando vi Seus olhos direcionando o moinho de vento de cima com Seu olhar.

*traduzido para inglês por Jennifer Manoukian, português por Marcelo Mirzeian


A Menina Cega: Memórias da Aldeia

Esta é uma tradução de um conto de Zabel Yesayan, que foi originalmente publicado na primeira edição do diário de Archag Tchobanian, Dzaghig, em 1895.

Subindo de troncos cobertos de vegetação densa, galhos de árvores gigantes balançavam na escuridão, criando sombras em movimento. O cheiro apimentado e pungente de flores do verão se espalhou intoxicante pelo ar calmo. No silêncio escuro, o zumbido mecânico de um inseto podia ser ouvido e às vezes até esquecido em sua monotonia. E de longe, o som de um cachorro viajou em minha direção, chorando com um latido patético e doentio.

O tempo passou muito devagar, tanto que você quase podia ver as nuvens, cujos contornos pareciam desaparecer no céu negro como azeviche, entrando e saindo. Subitamente, quando os latidos terminaram com um grito desesperado, a melodia de uma música ressoou e gradualmente se aproximou. O som era excepcional. A melodia fluiu sem esforço, tremendo com doces ondulações. Abruptamente, ela se elevava, deliciosamente poderosa, e caía mais uma vez e desaparecia, como se o som emanasse de um peito comprimido.

Sob a influência intoxicante da música e da noite, parecia haver fadas invisíveis cantando no ar, a doçura sonhadora do som confirmando minha ilusão.

Um pouco depois, o som parou. Em um prado próximo, um zumbido lento podia ser ouvido.

Todo o resto ficou em silêncio, imóvel. Nós nos esticamos na grama, nossas mentes vagando entre pensamentos diferentes.

Agora eu percebia que sob essas árvores, um peito humano estava inchado de emoção.

Cercados por dobras de escuridão e inúmeras sombras, era impossível ver um passo à frente, mas eu podia ouvir passos leves se aproximando de nós.

Não tínhamos medo. Talvez um dos inquilinos tivesse ficado no jardim. Mas naquele momento, senti a sensação de respiração no meu rosto e uma voz familiar me disse:

“Por favor me diga, onde estou?”

Eu entendi imediatamente. Era a garota cega.

Ela era uma jovem garota, adorável e loira, que morava em um dos quartos de nossa casa com o pai. Ela era cega, mas seus olhos fechados não eram motivo para negar a atratividade geral de seu rosto, que possuía um encanto doloroso. Ela se sentou ao meu lado na grama, molhada pelo orvalho congelado.

“Você era a cantora?” Eu disse suavemente, como se tivesse medo de perturbar o pesado silêncio ao meu redor.

“Sim”, ela disse e, depois de um momento, acrescentou: “Oh, eu fiquei louca hoje à noite. Torturada pelas minhas lembranças, fugi para o jardim e, esquecendo tudo, cantei. Agora, eu não sei onde estou. Eu senti meu caminho até esse ponto.

Eu sempre tive interesse em saber mais sobre o passado dessa pobre garota. Não querendo perder esta oportunidade, perguntei:

“Que lembranças estavam incomodando você?”

“Amanhã”, ela disse solenemente, “é o aniversário da morte de meu irmão”.

“Do seu irmão?”

“Akh, não me pergunte agora”, respondeu ela. “Eu vou te contar amanhã de manhã.”

Tinha chegado tarde e nós duas voltamos para casa. Passei as horas restantes até a manhã bastante inquieta; ainda não era madrugada quando me levantei. De uma janela lateral, eu podia ver um amplo campo se estendendo em direção a uma fileira de montanhas no horizonte. À distância, os galhos grossos de um único pinheiro também se estendiam em sua direção. A aldeia ainda estava dormindo. O som dos sinos se aproximou. Desde o início da manhã, os moradores a cavalo estavam transportando recipientes de leite para as aldeias próximas. Pouco tempo depois, os galos começaram a cantar, o som misturado com o balido de ovelhas e o berro dos bezerros.

No andar de baixo, a mulher da casa já havia se levantado e agora trabalhava atrás de uma vaca, levando-a para o campo com um aguilhão. Eu desci. Em dez minutos, toda a vila havia se levantado. De um lado da vila, um homem caminhava com ferramentas agrícolas penduradas no ombro; do outro lado, uma menina carregando leite se materializou.

Entre dois picos das montanhas, nuvens espessas e cinzentas gradualmente embranqueceram e se tornaram rosadas. No horizonte, todas as pequenas nuvens espalhadas pelo céu corriam em direção a eles. Cinco minutos depois, estávamos andando de braços dados pela grama seca.

Enquanto os rebanhos eram levados para o pasto, caminhamos entre as ovelhas, respirando o ar puro, no qual o aroma de flores silvestres tinha o gosto de mel misto.

Enquanto nossos pés pisavam na grama umedecida pelo orvalho, o perfume das violetas escondidas dentro dela flutuava no ar.

O sino da igreja tocou instável. Ao longe, as cabras saltaram brincando no mato.

Sentamos embaixo de uma árvore e, quando meus olhos se voltaram para o azul da enorme Marmara diante de nós, a garota cega me contou sua história.

Descobri desta vez que, alguns anos antes, ela vivia feliz com o irmão, até que ele foi infectado com varíola durante uma epidemia. Eles a mantiveram longe de seu irmão, seu pai cuidando dela sozinha, pois sua mãe já havia falecido.

Uma noite, desconsiderando a separação imposta, ela se arrastou lentamente até o quarto de seu irmão, com muita hesitação e medo, não por si mesma, mas pela horrível surpresa que a receberia ao ver seu irmão deitado no canto do quarto.

Ela conseguiu entrar no quarto de seu irmão depois que seu pai exausto foi para a cama.

Naquela noite, bem cedo, a condição de seu irmão doente piorou e a agonia da morte começou. Mas ela não conseguia se afastar dele.

A cabeça dela contra a dele, a irmã e o irmão conversaram, os olhos cheios de lágrimas.

Perto do fim de sua vida, seu irmão implorou para ela cantar. A menina tinha uma voz bonita.

Sufocada pelas lágrimas, a pobre garota cantou a canção mais doce e triste.

A música ainda não havia terminado quando seu irmão faleceu.

No dia seguinte, ela também ficou doente. Para ela, a varíola era mais cruel. Não tirou a vida dela, mas drenou permanentemente a luz de seus olhos.

Quando ela terminou a história, ela gentilmente colocou a cabeça no meu ombro e começou a soluçar. Soluços sem lágrimas são os mais tristes de todos.

Mais tarde, ela se recompôs e começou a cantar sua música mais uma vez, a mesma música que ela havia cantado na noite anterior.

A música parecia mais triste para mim agora, mais dolorosa.

A melodia da música era tão doce, tão comovente que parecia mais uma dor falada, como um suspiro posto música.

*traduzido para inglês por Jennifer Manoukian, português por Marcelo Mirzeian

Marcelo Mirzeian Co-criador do Portal Estação Armênia. Engenheiro Mecânico e de automação, Descobri a ascendência armênia tardiamente e tenho me dedicado à criar conteúdo online para a comunidade desde então. Atualmente morando em Toronto.

Deixe um comentário