Home Da Redação Parlamento israelense estuda reconhecer o Genocídio Armênio

Parlamento israelense estuda reconhecer o Genocídio Armênio

0

Asbarez e outras fontes combinadas –

A histórica amizade entre Israel e Turquia, que vem sendo corroída pelas posições do atual governo turco favorável aos direitos do povo palestino, ganha essa semana uma nova página.

O Knesset – parlamento israelense – declarou através de seu porta-voz Reuven Rivlin, que a nação judaica tem a obrigação de lembrar o extermínio de mais de um milhão de armênios pelo governo turco. O mesmo deputado afirmou porém que isso não deve ser feito na forma de um ataque contra o atual governo turco.

Essa discussão ocorre na mesma semana da leitura do relatório sobre os barcos que levavam ajuda a Faixa de Gaza interceptados pela marinha israelense em 2010 onde morreram 9 ativistas turcos.

Rivlin lembrou que se Israel não admite o questionamento do holocausto da mesma forma não pode ignorar a tragédia do povo armênio.

As discussões acaloradas demonstraram ainda uma certa resistência ao reconhecimento do genocídio armênio como um crime contra a humanidade.

Enquanto o Deputado Aryeh Eldad da coalizão União Nacional defendeu o reconhecimento de forma veemente, o deputado Robert Tibayev, do partido de centro Kadima, afirmou que Israel não deve se envolver nesse tema e deixar que historiadores e organismos internacionais decidam sobre o genocídio armênio.

O deputado Said Nafa, representante árabe no Knesset, aproveitou a oportunidade para denunciar o Primeiro-Ministro turco Racip Erdogan. Nafa alertou para a hipocrisia do governo turco, que vem acusando o líder sírio Bashar Al Assad, de cometer atrocidades contra seu povo sem assumir a responsabilidade turca nos massacres de curdos separatistas nos últimos anos.

Os debates devem prosseguir e o tema do genocídio armênio pode ganhar as ruas nas próximas eleições, afirma o Deputado Eldad, já que o holocausto cometido pelos nazistas tem raízes no genocídio armênio.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *