Home Da Redação Forças azerbaijanas são repelidas em maior ataque à Artsakh desde abril de 2016 (vídeo)

Forças azerbaijanas são repelidas em maior ataque à Artsakh desde abril de 2016 (vídeo)

Com fontes diversas.

Na manhã deste sábado, dia 25 de fevereiro, as forças do Azerbaijão fizeram duas tentativas ofensivas contra os armênios em Artsakh (Nagorno-Karabakh), no que está sendo descrito como o combate mais intenso ao longo da fronteira com o Azerbaijão desde o início de abril de 2016 (relembre aqui).

Uma declaração divulgada pela O Exército de Defesa de Artsakh informou que as duas tentativas foram realizadas em torno de 3 e 4 da manhã nas direções do sudeste (Martakert) e do leste (Akna) da linha de contato Artsakh-Azerbaijão.

De acordo com a declaração do Ministério da Defesa, as forças armênias de Artsakh detectaram os avanços no início e levaram as forças do Azerbaijão de volta às suas posições iniciais. O Ministério anunciou também que, como resultado, o lado azerbaijano sofreu várias baixas e que os corpos de vários militares azerbaijanos estão na zona neutra entre os dois países

O Ministério da Defesa de Artsakh anunciou também que de acordo com dados recolhidos pelo Exército de Defesa Artsakh, as baixas do lado do Azerbaijão incluem o chefe do 181ª brigada da inteligência das Forças Armadas do Azerbaijão, o Major Abdulayev, comandante da inteligência da brigada, além do tenente Senior Ashimli Shakhlar, o oficial de inteligência Adihusseinov, e dois outros militares.

Apesar dos relatórios do Azerbaijão de que o lado armênio foi o agressor e sofreu várias vítimas, o Ministério da Defesa de Artsakh anunciou que, de fato, não havia sofrido perdas como resultado da agressão do Azerbaijão.

“Diversos cadáveres [do Azerbaijão] estão na zona neutra”, disse o comunicado. “Nenhum [militar] foi morto ou ferido do lado armênio …

O serviço de imprensa do Ministério da Defesa de Artsakh também lançou dois vídeos, que mostra, que o Azerbaijão lançou os ataques.

O primeiro vídeo divulgado pelo Ministério (abaixo) mostra a desminagem dos equipamentos do tipo TROPA utilizados pelas forças do Azerbaijão (1), a explosão dos lançadores de granadas e outras armas de grande escala usadas pelo Azerbaijão em direcção a Akna (2), Bem como o recuo das unidades do Azerbaijão (3).

O segundo vídeo (abaixo) mostra a neutralização da tentativa de infiltração do Azerbaijão em Martuni (1) e a prova de pelo menos cinco baixas no lado azerbaijano (2).

David Babayan, porta-voz do presidente de Artsakh, Bako Sahakyan, disse que as tentativas de infiltração do Azerbaijão não devem chocar ninguém. “[As tentativas são] não um fenômeno inesperado e estranho. É isso que esperamos todos os dias. Nós lidamos com um país terrorista”, disse Babayan.

Um dia antes, na manhã de 24 de fevereiro, as Forças Armadas do Azerbaijão violaram o cessar-fogo na direção norte da linha de contato de Artsakh usando armas de calibre diferente. Mais de 50 projéteis foram disparados, incluindo 36 tiros de canhões divisórios D-44 e 14 de armas tipo artilharia, informou o Ministério de Defesa de Artsakh. De acordo com o Ministério, as forças do Azerbaijão direcionaram o ataque diretamente a aldeia de Talish, além de posições militares armênias. A aldeia de Talish foi o local da agressão massiva do Azerbaijão durante a Guerra dos Quatro Dias em abril de 2016 (clique aqui e relembre).

O ataque do Azerbaijão a Artsakh, no dia 25 de fevereiro, está sendo descrito como a maior ofensiva que as forças do Azerbaijão contra as posições armênias desde que realizou um ataque total em várias posições da linha de contato de Artsakh de 1 a 2 de abril de 2016. Na ocasião, o Exército Azerbaijano atacou a linha de contato com os armênios com tanques, helicópteros militares e várias armas de calibre nas frentes sul, sudeste e nordeste. Naquela noite, o Exército de Defesa Artsakh retaliou e derrubou dois helicópteros e dois drones, e destruiu três tanques (relembre).

O ataque de grande escala levou ao que ficou conhecida como a Guerra dos Quatro Dias, que resultou em várias mortes em ambos os lados.

Deixe um comentário