Home Eventos Ato Solene na Câmara de SP homenageará os 25 anos da República da Armênia

Ato Solene na Câmara de SP homenageará os 25 anos da República da Armênia

e25feba9-9924-4507-91d6-10809934d463

No ano em que a Armênia comemora o Jubileu de Prata de sua segunda independência, o CNA Brasil em conjunto com o vereador Gilberto Natalini realizam Sessão Solene na Câmara Municipal de São Paulo em homenagem aos 25 anos da República da Armênia. O evento acontece no dia 21 de setembro, pontualmente às 19 horas.

A presença maciça da coletividade armênia é imprescindível na “Casa do Povo Paulistano”, uma vez que é uma das poucas, senão a única homenagem à data em âmbito governamental no Brasil.

Compareça e renda sua homenagem à Armênia. Traga seus amigos e familiares.
A Entrada é franca!

Saiba mais no link: https://www.facebook.com/events/614373308722357/?ti=icl

Câmara Municipal de São Paulo
Viaduto Jacareí, 100 – Bela Vista – São Paulo

 


História

A República da Armênia declarou sua independência em 21 de setembro de 1991

 

Brasão da República Armênia de 1991
Brasão da República Armênia de 1991

A República da Armênia hoje pode ser referida como “a Armênia mais recente “. Tendo em mente os vários antigos e medievais reinos, dinastias e alianças, bem como a efêmera (porém vital) república 1918 e até mesmo a filiação Soviética, o número de Armênias na história pode variar de cinco a dez. A que existe hoje, com Yerevan como sua capital, declarou formalmente a sua independência em 21 de setembro de 1991, o dia em que um referendo sobre a libertação da URSS ocorreu em todo o país. Esse voto ocorreu no contexto da flexibilização das restrições de Moscou que vinha acontecendo nos anos anteriores, levando ao colapso da União Soviética em 25 de dezembro de 1991. A República da Armênia foi aceita como membro pleno da comunidade internacional como um Estado soberano depois disso, aderindo à Organização das Nações Unidas em 1992.

Foi um sonho tornado realidade para os armênios em todo o mundo voltar a ter a Armênia no mapa. A Armênia Soviética era um país muito fechado, e as relações entre a República Socialista Soviética Armênia e a Diáspora Armênia eram limitadas. Embora o intercâmbio cultural e educacional, bem como o turismo, eles sempre foram ofuscados pelas restrições impostas pelo Kremlin.

Um grande ponto de virada para a mudança foi o devastador terremoto de 07 de dezembro de 1988, que atingiu o norte da Armênia, causando forte dano em torno das cidades de Spitak, Gyumri (então Leninakan) e Vanadzor (então Kirovakan). A resposta humanitária ao terremoto foi o primeiro grande ato de abertura realizado pela URSS. A ajuda chegava de governos e instituições de caridade no Ocidente, a diáspora armênia se unia para descobrir um país que, antes de tudo, precisava de ajuda, mas também um país com o qual a maioria não tinha tido quaisquer conexões reais e profundas desde o Genocídio (ou mesmo antes, no caso de algumas comunidades).

A Constituição da República da Armênia – adotada em 5 de julho de 1995, alterada em 2005 – dá ao país o projeto de uma república democrática. O presidente é o funcionário público mais importante, o mais poderoso, embora a Assembleia Nacional (o parlamento, que equivale ao Congresso dos Estados Unidos) também tem sua parcela, assim como o governo (isto é, o primeiro-ministro e o gabinete), na definição das leis do país. Armênia também tem um Tribunal Constitucional – órgão judicial supremo do país, que supervisiona a legislação em geral e decide sobre casos que lidam com a própria Constituição. A constituição da França, e também a dos EUA, em certa medida, serviram como o modelo para esta nova Armênia. Existem planos para a reforma constitucional em curso desde 2013, com a possibilidade de um sistema mais britânico, de estilo parlamentar a ser introduzido no futuro.

O histórico da Armênia, em termos de política e direitos humanos tem sido um desafio desde 1991. A maioria das eleições aconteceram em circunstâncias que eram menos do que livres, com suborno como prática comum. A violência política, tenha ou não a ver com eleições, lançou dúvidas sobre a legitimidade das autoridades em Yerevan mais de uma vez ao longo das últimas duas décadas, como o tiroteio na Assembleia Nacional em 27 de outubro de 1999, e a repressão que se seguiu eleições presidenciais de 01 de março de 2008, ambos os incidentes resultando em mortes.

Apesar desses e outros problemas, a República da Armênia é considerada o lar nacional para os povos armênios dispersos – o ponto de encontro para todos os grupos, facções e diversos representantes de armênios em todo o mundo. Projetos da diáspora na República variam de investimentos empresariais ao trabalho voluntário, a assistência do setor público e infraestrutura, para não falar de atividades artísticas e culturais e laços religiosos. Muitos armênios da diáspora fizeram a mudança definitiva para Yerevan e em outras partes do país ao longo dos anos, enquanto outros mantêm segundas residências, passando as férias de verão na terra natal.

Armen Kevork Pamboukdjian Jornalista de formação, é editor-chefe do site Estação Armênia.

Deixe um comentário