Home Retrospectiva NagornoKarabakh Importante declaração do grupo OSCE Minsk, que media o conflito entre Artsakh e Azerbaijão

Importante declaração do grupo OSCE Minsk, que media o conflito entre Artsakh e Azerbaijão

0
Bandeira do grupo OSCE Minsk na frente do Hofburg, em Viena.
Bandeira do grupo OSCE Minsk na frente do Hofburg, em Viena.

Na data de hoje, o grupo de Minsk (OSCE Minsk Group), através de seu site, declarou a necessidade de os presidentes da Armênia, Serj Sargsyan e do Azerbaijão, Ilham Aliyev se encontrarem para a retomada das negociações do conflito em Artsakh (Nagorno-Karabakh).

O grupo ressaltou que o objetivo principal será o restabelecimento do regime de cessar-fogo e que não há como obter sucesso nas negociações se a violência continuar.

(Via OSCE

Tradução: Maria Carolina Chaves Indjaian


Declaração dos co-presidentes do grupo OSCE Minsk

VIENA, 12 de maio de 2016 – Os co-presidentes do grupo OSCE Minsk, Embaixador Igor Popov da Federação Russa, James Warlick dos Estados Unidos da América e Pierre Andrieu, da França, permanecem totalmente comprometidos em mediar uma solução duradoura para o conflito de Nagorno- Karabakh.

À luz da recente violência e da urgência de reduzir as tensões ao longo da linha de contato, nós acreditamos que chegou a hora de os presidentes da Armênia e do Azerbaijão se encontrarem.

Nossos Ministros de Relações Exteriores estão preparados para facilitar este encontro na próxima semana, em Viena. O seu principal objetivo será o de reforçar o regime de cessar-fogo e de buscar um acordo sobre medidas de confiança que irão criar condições favoráveis para retomar as negociações de um acordo abrangente com base em elementos e princípios em discussão.

Não há como haver sucesso nas negociações se a violência continuar e não há como ter paz sem um processo de negociação. Nós reiteramos que não há solução militar para o conflito.

 

Maria Carolina Chaves Indjaian Colaboradora. Carioca da gema que viveu em Curitiba desde criança e agora mora em Toronto. É advogada, formada em Direito pela Universidade Positivo e aficcionada por Direitos Humanos. O coração e o sangue sempre falam mais alto no que diz respeito à Armênia.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *