Home Eventos Celebração de Vartanants será em 31 de janeiro com a presença do Bispo Vartan Navasardyan
0

Celebração de Vartanants será em 31 de janeiro com a presença do Bispo Vartan Navasardyan

0
Vartan Navasardyan
Sua Excelência Bispo Vartan Navasardyan

No dia 31 de janeiro, sob os auspícios de Sua Excelência Bispo Nareg Berberian, Primaz da Diocese da Igreja Apostólica Armênia do Brasil, será realizada a Celebração de Vartanants, que neste ano terá uma presença especial.

A Divina Liturgia e o Sermão serão proferidos por Sua Excelência Bispo Vartan Navasardyan, Diretor do Centro de Educação Cristã da Santa Sede de Etchmiadzin (Foto à esquerda). Após a cerimônia, haverá recepção na Prelazia.

A celebração de Vartanants é a festa mais popular da Igreja Armênia, que tanto tem um caráter religioso quanto nacionalista, além de ser um símbolo da consciência e fé.

A celebração remete à rebelião geral dos armênios contra a tirania, o seu esforço para preservar sua identidade e liberdade e é um símbolo de seus sacrifícios infindáveis, e seu martírio disposto e consciente. Este símbolo é não só uma fonte de orgulho para os armênios, mas na história de todas as nações, é uma página a ser contemplado por todos.

 

 

Serviço:
Igreja Apostólica Armênia
Rua Santos Dumont, 55 – Bom Retiro
São Paulo – SP



VARTANANTS e os 1036 MÁRTIRES – (Ano de 451)
Vartan Mamigonian
O exército armênio liderado por Vartan Mamigonian numa de suas mais famosas reproduções.

 

O rei Hazguerd, dos persas, queria reunir numa só religião em uma só língua, todas as nações que eram dominadas por seu império. Através de um édito real, ordenou que todos aceitassem o mazdeísmo.Havia apenas 150 anos, em 301, que a Armênia declarara o cristianismo como religião oficial de estado, porém, como se encontrava sob dominação da autoridade persa era obrigada a negar o cristianismo. Existiam militares, senhores feudais (nakharar), soldados e, especialmente, a ampla maioria do povo que era fiel, e preferia morrer a negar a religião cristã.

Foi realizada uma grande Assembléia, na qual participaram o Catholicós dos Armênios, Hovsep Hoghotsmetsi, o comandante Vartan Mamigonian, o governador Vassag Siuni, o valente padre Ghevont (Yerets), os senhores feudais (nakharar), príncipes, militares e a nobreza, para formular a resposta ao “rei-dos-reis” dos persas.

Após prolongadas consultas, enviaram à Pérsia uma resposta, dizendo: “Estamos prontos a cumprir todas as ordens do rei, como súditos obedientes, mas não podemos renegar a Cristo e o verdadeiro Deus, que é o Senhor dos Céus e da Terra e de todas as coisas, por Quem, se necessário for, estamos dispostos até a morrer. É preferível morrer e aceitar a coroa da glória e eterna do Rei Imortal, a merecer honrarias efêmeras do rei mortal desse mundo. Nós não podemos renegar nossos pais, pois nós aceitamos como nosso pai, o Santo Evangelho, e nossa mãe, a Igreja Apostólica Armênia”.

O rei dos persas, irado por esta ousada resposta, decidiu declarar guerra. O Exército dos armênios, sob o comando de Vartan Mamigonian, preparou-se para a batalha. Na véspera da guerra, à noite, durante a celebração da Santa Missa, todos os soldados comungaram com o Corpo e Sangue de Cristo. Durante a cerimônia, o Catholicós Hovsep, o padre Ghevont (Yerets) e depois Vartan Mamigonian, inspiraram todos os combatentes com seus discursos fervorosos, preparando-os a defender, com suas vidas, a sua fé e a Igreja Mãe.

A batalha ocorreu no campo Chavarchan, de Avarair, às margens do rio D´ghmud (Delmut), no dia 26 de maio de 451, com número desproporcional de soldados e armamentos entre as partes. O temível exército persa, atacou com seus trezentos mil soldados o exército dos armênios, que mal contava com sessenta mil. Nessa terrível luta, os persas tiveram mais perdas, mas nesta batalha e sucessivas lutas, os armênios tiveram 1036 vítimas, as quais, com seu martírio consciente e voluntário, dedicaram suas vidas “em prol da religião e da pátria”(Vassen Groni yev vassen Hayreniats).

Apesar de os persas terem vencido no campo de batalha, a vitória moral, no entanto, foi dos armênios, uma vez que o rei Hazguerd não alcançou seus objetivos, e se convenceu de que seria impossível afastar os armênios da fé cristã. De fato, o resultado da batalha de Avarair foi a eternização da existência da nação e da Igreja Armênia. Esta é a convicção de todos os armênios, desde a época de Vartanants, até os dias atuais. A vida dos armênios foi preenchida com este espírito através dos séculos, durante todos os profundos sofrimentos na sua história.

A comemoração do Dia de Vartanants, desde o início até hoje, é uma das maiores, que atinge profundamente o coração de cada armênio, quando são glorificados todos aqueles heróis que, através de sua fé e martírio, fortaleceram no povo armênio o alto caráter de saber sacrificar a sua vida pela fé.

O Catholicós São Nerces Chenorhali (o Agraciado), compôs diversos hinos (charagans) dedicados a eles: “Norahrach” (o Novo Milagre) e “Ariatsialk” (os Valentes), que são cantados por ocasião desta comemoração. O Dia de Vartanants é celebrado na quinta-feira que precede o início da Quaresma; caso tal dia coincida com 14 de fevereiro, que é a Festa de Diarnentarach (Festa da Purificação), essa comemoração se realiza na terça-feira da mesma semana. O dia da Festa de Vartanantz Zoravaratz em 2015 será celebrado na quinta-feira, dia 12 de fevereiro.


 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *