Home Cultura Armênios do Chipre fazem peregrinação ao Mosteiro Surp Magar ocupado por turcos

Armênios do Chipre fazem peregrinação ao Mosteiro Surp Magar ocupado por turcos

0
0

Azbarez

Sourp-magarO Escritório do Representante da Comunidade Armênia, Vartkes Mahdessian, em cooperação com a Prelazia Armênia do Chipre , realizaram a sétima peregrinação anual ao Mosteiro Sourp Magar (Magaravank) no domingo, 18 de maio. A primeira visita foi em 6 de maio de 2007, quando a comunidade armênio-cipriota visitou o Mosteiro Armênio ocupado pelos turcos pela primeira vez em 33 anos. De acordo com o Gabinete de Mahdessian, cerca de 150 armênio-cipriotas visitaram o mosteiro neste domingo, alguns dos quais vieram do exterior especialmente para o evento.

O mosteiro foi fundado por coptas por volta do ano 1000 dC e em 1425 foi herdado pelos armênios. Dedicada a São Macário, o Eremita de Alexandria, que está localizado na parte oriental da região de Pentadhaktylos, ocupada pelos turcos, a uma altitude de 530 metros e uma pequena distância do Halevga, dentro da floresta Plataniotissa. O seu vasto território, que abrange cerca de 8.500 donums (medida de território otomana, equivalente a 2100 acres), inclui 30.000 oliveiras e alfarrobeiras, se estende até o mar e é caracterizado como pitoresco e idílico. Do Mosteiro pode-se ver a cordilheira Taurus na Cilícia.

O Mosteiro armênio recebia há séculos uma peregrinação popular para armênios e não-armênios, bem como era um lugar de descanso para Catholicos (Patriarcas) e outros clérigos armênio da Cilícia e Jerusalém e também um centro de atração para os viajantes nacionais e estrangeiros, assim como peregrinos a caminho da Terra Santa. O mosteiro também foi usado como um resort de verão, onde escoteiros armênios e estudantes acampavam, incluindo alunos do Instituto Educacional Melkonian, muitos dos quais eram órfãos do Genocídio Armênio. Um grande número de manuscritos requintados e de valor inestimável que datam de 1202-1740, assim como muitas outras relíquias eclesiásticas, foram alojados lá. Felizmente, em 1947, alguns deles foram salvos quando foram transferidos para o Museu da Catholicossato da Grande Casa da Cilícia.

O Magaravank é o único mosteiro armênio em Chipre e, em conjunto com a igreja recentemente restaurada da Virgem Maria na ocupada Nicósia, é o monumento eclesiástico armênio mais importante da ilha. Foi ocupado em agosto de 1974, durante a invasão turca do Chipre e foi deixado de lado desde então.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *